Albert Bourla, CEO da Pfizer, em um evento da empresa em Thessaloniki, na Grécia, em 12 de outubro de 2021 ( AFP / Sakis Mitrolidis)

Publicações afirmam falsamente que a esposa do CEO da Pfizer morreu por complicações da vacina

Copyright © AFP 2017-2021. Todos os direitos reservados.

Publicações compartilhadas desde pelo menos 15 de novembro de 2021 nas redes sociais se baseiam em um artigo para afirmar que Myriam Bourla, esposa do CEO da Pfizer, Albert Bourla, morreu por complicações da vacina contra a covid-19. Mas a alegação é falsa, disseram a empresa farmacêutica e o hospital mencionado no texto à AFP. Além disso, Myriam Bourla participou de um evento público depois de o artigo erroneamente ter anunciado a sua morte.

As mensagens, compartilhadas no Twitter (1, 2, 3) e no Facebook (1, 2, 3) usam links ou capturas de tela do artigo publicado no Conservative Beaver, site canadense que já difundiu alegações falsas diversas vezes.

O artigo, publicado em 10 de novembro de 2021, afirma que Myriam Bourla morreu em razão de complicações da vacina contra a covid-19. “Ela faleceu no na sala de emergência do Hospital Presbiteriano Lawrence de Nova York após ter sido trazida por paramédicos”, diz o texto, que foi marcado como “Exclusivo do Beaver”.

Captura de tela feita em 18 de novembro de 2021 de um tuíte ( . / )

O Conservative Beaver não respondeu ao questionamento da AFP, enviado por email em 17 de novembro de 2021. No dia seguinte, o artigo havia sido removido do site. Contudo, ainda é possível acessá-lo por meio da ferramenta WayBack Machine e de capturas de tela de publicações nas redes sociais (1, 2).

A alegação falsa sobre a morte de Bourla se insere no contexto de uma onda de desinformação que tem como alvo a empresa que desenvolveu uma das vacinas contra a covid-19 (1, 2, 3).

Em 17 de novembro de 2021, a assessoria da Pfizer disse à AFP: “A esposa de nosso CEO está viva e bem, ao contrário do que foi dito na Internet”.

“É injusto que uma pessoa se passando por jornalista espalhe mentiras ultrajantes como essa sobre nosso CEO e sua família com o objetivo de minar a confiança em uma vacina que foi dada a centenas de milhões de pessoas em todo o mundo”, afirmou.

O Hospital Presbiteriano de Nova York, mencionado no artigo, também confirmou à AFP por email que as alegações contidas no texto são falsas.

Myriam Bourla foi vista com seu marido, Albert Bourla, em 10 de novembro, durante um evento organizado pelo Atlantic Council, depois de o site ter anunciado sua morte.

Captura de tela feita em 18 de novembro de 2021 de um tuíte ( . / )

Ela pode ser vista em uma foto do evento compartilhada pelo CEO da Pfizer em sua conta oficial no Twitter, em 11 de novembro de 2021.

Nicole Meir, diretor assistente de relações públicas do Atlantic Council, confirmou à AFP que Albert Bourla e sua esposa estavam presentes no evento.

O AFP Checamos já verificou outras alegações envolvendo a Pfizer e sua vacina contra a covid-19 (1, 2, 3).

VACINAS COVID-19