Antiviral em desenvolvimento pela Pfizer contra a covid-19 não é semelhante à ivermectina

Copyright © AFP 2017-2021. Todos os direitos reservados.

Circulam desde 1 de outubro de 2021 publicações compartilhadas mais de 400 vezes alegando que a farmacêutica Pfizer, fabricante de uma das vacinas administradas contra a covid-19, está desenvolvendo um “genérico” do vermífugo ivermectina para o tratamento preventivo do coronavírus. Mas a empresa informou à AFP que o antiviral, ainda em estudo, não tem qualquer semelhança com o antiparasitário.

“À partir do lançamento deste vermífugo genérico patenteado o tratamento precoce milagrosamente passará de demonizado a incentivado. Querem apostar. Clone patenteável da Ivermectina. Ivermectina Pfizer !!! Quem diria !!!!”, diz uma das publicações compartilhadas no Twitter (1, 2) e no Facebook.

Algumas das entradas compartilharam matérias de sites, afirmando que o medicamento desenvolvido pela Pfizer atua da mesma maneira que a ivermectina. Outras apenas compartilham links de notícias que não mencionam a suposta semelhança com o vermífugo, mas que falam sobre um medicamento da Pfizer em estudo, o PF-07321332.

Captura de tela de uma publicação no Twitter feita em 7 de outubro de 2021 ( . / )

Medicamento contra a covid-19

Em março de 2021, a farmacêutica Pfizer, uma multinacional com sede em Nova York, anunciou o início de um estudo de fase 1 nos Estados Unidos de um medicamento via oral contra o SARS-CoV-2, vírus causador da covid-19. Em julho deste ano, o medicamento passou para a segunda e terceira etapas de testes, como informou a empresa. A droga, chamada de PF-07321332, atua na inibição da protease, enzima que o vírus precisa para se replicar e infectar novas células.

“Cientistas da Pfizer iniciaram um programa de descoberta de medicamentos no início de 2020, logo após o surgimento da covid-19, com o objetivo de identificar um potencial tratamento para diminuir o impacto da covid-19 nas vidas dos pacientes e melhor preparar o mundo para futuras ameaças de coronavírus”, informa a farmacêutica em seu site.

Em um comunicado enviado ao Checamos em agosto de 2021 e ratificado pela assessoria de comunicação em 7 de outubro, a Pfizer destacou que o medicamento “não apresenta qualquer semelhança” com a ivermectina. A empresa também ressaltou que os "compostos com estruturas químicas e mecanismos de ação” do medicamento que está sendo desenvolvido são diferentes dos observados na ivermectina.

A ivermectina é um vermífugo que combate diferentes tipos de parasitas em diversas fases de desenvolvimento.

Segundo explicou o ex-presidente da Associação Brasileira de Ciências Farmacêuticas e professor da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto da USP Flavio da Silva Emery, ao Checamos, não há nenhuma comprovação de que o vermífugo atue da mesma forma que o medicamento estudado pela Pfizer, inibindo a protease. “A ivermectina é um antiparasitário de amplo espectro, usada como anti-helmíntico, que atua em alvos específicos. A ivermectina atua na função nervosa e muscular de vermes, por meio da inibição de canais de cloro controlados por glutamato. Os estudos de uso de ivermectina em covid-19 são muito deficientes, ou com poucos pacientes, e muitos trabalhos são acusados de plágio e fraude”.

Emery chama ainda atenção para a diferença na origem das duas substâncias: “Enquanto a ivermectina é um derivado de produto natural, obtido de microorganismos do solo, a PF-07321332 é uma substância totalmente sintética, sem nenhuma relação com o antiparasitário”.

Por ainda estar em desenvolvimento, não há previsão para a divulgação dos resultados do estudo, pontuou a Pfizer

Ineficácia da ivermectina

Durante a pandemia, têm circulado diversas alegações sobre a suposta eficácia da ivermectina na prevenção e tratamento da covid-19. A AFP já verificou algumas delas (1, 2, 3).

Um trabalhador de saúde exibe um frasco de ivermectina em Cali, Colômbia, em 21 de julho de 2020 ( AFP / Luis Robayo)

Após a realização de testes com o fármaco, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda apenas a sua utilização em ensaios clínicos, e não o uso dessa droga para tratar pacientes infectados pela covid-19, alertando para a falta de dados conclusivos sobre a sua eficácia.

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) orienta o uso da ivermectina de acordo com as indicações“constantes da bula do medicamento”, que não incluem a covid-19.

No último 11 de agosto, Jailton Batista, diretor-executivo da farmacêutica Vitamedic, fabricante de ivermectina, prestou depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que apura a gestão da pandemia pelo governo federal brasileiro. Indagado sobre se a Vitamedic realizou estudos para avaliar a eficácia da ivermectina contra a covid-19, admitiu: “Não (...), ainda não produzimos”.

Karin Kopitowski, chefe do Serviço de Medicina de Família do Hospital Italiano de Buenos Aires e diretora do Departamento de Pesquisa da mesma instituição, explicou à AFP em junho de 2021 que a eficácia da ivermectina para tratar a covid-19 ainda precisa ser comprovada com ensaios clínicos abrangentes.

“Para declarar a eficácia de um medicamento, seja ivermectina ou qualquer outro, a barra tem que ser alta. Isso significa que deve haver ensaios clínicos que demonstrem resultados clinicamente relevantes. No caso da covid-19, os que mais nos interessam são mortalidade e internação em terapia intensiva”, disse Kopitowski.

“Mas até agora não há evidências concretas que permitam afirmar com veemência que funciona”, completou.

11 de outubro de 2021 Atualiza descrição do cargo de Emery
COVID-19