A revista Vogue não publicou em 1939 uma foto de Adolf Hitler e Eva Braun sentados em um muro

Copyright © AFP 2017-2022. Todos os direitos reservados.

A revista de moda Vogue publicou em julho de 2022 um retrato do presidente ucraniano, Volodimir Zelensky, junto a sua esposa, Olena Zelenska. Mas o mesmo não ocorreu em 1939 com uma foto de Adolf Hitler e sua companheira Eva Braun diante de uma paisagem montanhosa, ao contrário do que foi difundido centenas de vezes nas redes sociais desde 28 de julho. A Vogue desmentiu à AFP que realizou ou publicou o retrato do ditador e Braun. Além disso, diversos historiadores enfatizaram que Hitler não se mostrava em público de forma oficial com Eva Braun, uma relação desconhecida até 1945.

“A Vogue sempre do lado certo da História”, ironizou um dos usuários no Facebook (1, 2). O conteúdo também circulou no Twitter e no Instagram.

Captura de tela feita em 22 de agosto de 2022 de uma publicação no Facebook ( . / )

A combinação de imagens relacionadas à Vogue circulou também em francês, espanhol, inglês e romeno.

Vogue não publicou a foto de Hitler

O retrato do casal presidencial da Ucrânia foi realizado pela fotógrafa norte-americana Annie Leibovitz e apareceu na revista Vogue de julho de 2022, em uma reportagem sobre Olena Zelenska.

No entanto, a AFP não encontrou o retrato de Hitler e Braun em nenhuma das 24 edições da revista Vogue publicadas em 1939 nos Estados Unidos, após uma busca nos arquivos da Biblioteca Pública de Informação (BPI) francesa.

“Não fizemos nunca uma sessão fotográfica com Eva Braun ou Adolf Hitler, e não temos nenhuma foto deles em nossos arquivos”, assinalou também uma fonte da revista Vogue à AFP.

Uma imagem registrada na residência de Hitler na Baviera

Uma busca reversa da foto de Braun e do ditador levou ao catálogo de imagens Alamy.

No catálogo há também outra fotografia, similar à viralizada, na qual no meio do casal existe uma terceira pessoa: uma mulher que olha em direção a Hitler, enquanto Eva Braun fica à direita.

Captura de tela do banco de imagens Alamy feita em 3 de agosto de 2022 ( . / )
Captura de tela do banco de imagens Alamy feita em 3 de agosto de 2022 ( . / )

 

 

Segundo a legenda dessa segunda imagem da Alamy, Hitler está “em sua casa em Berghof”, nos Alpes bávaros, “com Eva Braun à direita e Hannelore Morell, esposa de seu médico pessoal”. Uma fonte da Alamy disse à AFP que não possuía “mais informações” sobre o arquivo.

No catálogo da Bridgeman Images também figura a foto do trio, com a legenda: “Adolf Hitler, a Sra. Morell (esposa do médico pessoal do Führer) e Eva Braun em Berghof, Berchtesgaden, na Baviera, por volta de 1940”. Uma fonte da Bridgeman Images, contactada pela AFP, não pôde dar mais “informações precisas” sobre a foto.

Uma foto que dificilmente seria publicada

“As fotos privadas feitas em Berghof, como [a viralizada] não poderiam ter sido publicadas em uma revista”, explicou à AFP a historiadora Heike B. Görtemaker, autora de uma biografia sobre Eva Braun. “O fato de ter uma companheira não se alinhava ao mito cuidadosamente criado do ‘Führer’ solitário, que sacrifica sua vida pessoal por causa do povo alemão”.

“Sua relação com Eva Braun deveria permanecer em segredo”, disse a especialista. “O público alemão não descobriu a existência de Eva Braun até 1945. Durante o regime nazista, ninguém conhecia Eva Braun”, recordou a biógrafa, que acrescentou que a residência de Hitler em Berghof somente era frequentada por pessoas de seu círculo mais íntimo, entre elas seu médico e a esposa desse.

Johan Chapoutot, professor de história contemporânea na Universidade Paris-Sorbonne e coautor, junto a Christian Ingrao, da biografia “Hitler”, explicou à AFP que a imagem parece “uma foto banal e privada, e não uma foto de imprensa, pela simples razão de que Hitler nunca apareceu, oficialmente, ao lado de Eva Braun”.

"Um dos eixos de sua personalidade para o público era dizer que era casado com a Alemanha e que não tinha tempo para esse tipo de frivolidades", argumentou o historiador.

Görtemaker, por sua vez, recordou que vários veículos estrangeiros haviam publicado artigos e reportagens fotográficas da casa bávara do ditador pouco antes dos Jogos Olímpicos de 1936 em Berlim. “Vogue publicou um artigo intitulado ‘Mussolini, Hitler e Eden - seus refúgios’, em 15 de agosto de 1936, mostrando as residências dos três políticos”, os dois ditadores e o então ministro britânico de Assuntos Exteriores, Anthony Eden. Na reportagem, que um jornalista da AFP pôde consultar na BPI, a Vogue descrevia o “chalé” de Hitler como “um acolhedor refúgio”, cheio de “relógios” e "almofadas com suásticas".

A origem da fotografia viral, no entanto, é difícil de estabelecer. A historiadora Görtemaker confirmou que já havia visto a imagem, tirada "no terraço de Berghof", anteriormente, e supôs que foi feita "numa festa privada entre Hitler e pessoas próximas", provavelmente antes do início da Segunda Guerra Mundial, "porque Hitler está vestido à paisana".

Não está registrado o nome do autor da fotografia, mas segundo a historiadora “sem dúvidas foi feita por Heinrich Hoffmann, amigo e fotógrafo pessoal de Hitler”, ainda que tenha precisado que, após a guerra, “a foto formava parte da coleção do fotojornalista tcheco Paul Popper, que atualmente está em Getty Images”.

O departamento de comunicação do banco de imagens Getty Images indicou, em resposta a uma consulta da AFP, que possuía em seu catálogo “uma versão alternativa da foto, aparentemente tirada no mesmo momento”.

Captura de tela do catálogo da Getty Images, realizada em 18 de agosto de 2022. ( . / )

No entanto, a imagem viralizada de Hitler, Morell e Braun não faz parte da coleção Popperfoto, segundo o escritório de comunicação da Getty Images. Esta agência a comprou de outra, Keystone, em 1956.

A origem da imagem é difícil de estabelecer porque, como explicou Getty, “depois da Segunda Guerra Mundial, no Reino Unido se difundiu um grande número de fotografias tiradas durante o regime nazista”, após serem adquiridas por diversas agências fotográficas.

“Sabemos que a foto não foi feita por Paul Popper, que atuou mais como um colecionador”, disse a fonte de imprensa de Getty, que considerou que a versão possivelmente retocada da imagem, a que mostra somente Hitler e Braun, pode ter sido feita “em qualquer momento dos últimos 80 anos”.

O curador do Instituto Leibniz de História Contemporânea, Sebastian Peters, autor de uma tese sobre Heinrich Hoffmann, destacou em declarações à AFP que o fotógrafo “não era o único que tirava fotos de [Hitler] e seus achegados em Berghof: Eva Braun, Theo Morell, Martin Bormann [conselheiro de Hitler] e outros também o faziam”.

Em outras fotografias, disponíveis na página da Bridgeman Images ou em arquivos conservados (1, 2) nos Estados Unidos pela agência federal de Arquivos Nacionais e Administração de Registros (Nara, em sua sigla em inglês), é possível ver Johanna Morell vestida de forma similar à da fotografia com Hitler e Braun. A agência Nara possui arquivos de imagens de Eva Braun nos quais, porém, não consta a fotografia de Hitler, Morell e Braun.

Segundo a legenda da foto do trio em Berghof que aparece no catálogo da Image Select, o álbum com 107 imagens, entre as quais se inclui a mencionada, foi feito por “uma pessoa próxima a Hitler”, durante “o verão de 1935/1936”, e foi vendido pela casa de leilões Hermann Historica. A empresa não havia respondido à AFP até o momento de publicação desta reportagem.

A retórica sobre Zelensky

Várias peças de desinformação verificadas pela AFP desde a invasão militar russa ao território ucraniano são dirigidas a vincular de algum modo o presidente Volodimir Zelensky à ideologia nazista (1, 2), e o próprio presidente russo, Vladimir Putin, apresentou a “operação militar” como uma luta para a “desnazificação” da Ucrânia.

Tradução e adaptação
Conflito na Ucrânia