Esta foto de pessoas rezando foi registrada na Ucrânia antes das tensões com a Rússia em 2022

Copyright © AFP 2017-2022. Todos os direitos reservados.

Uma foto que mostra um grupo de pessoas rezando sobre a neve foi compartilhada mais de 10 mil vezes nas redes sociais, ao menos desde 19 de fevereiro de 2022, em publicações que a vinculam à atual crise diplomática e militar entre a Rússia e a Ucrânia. No entanto, a imagem foi publicada em 2019 para ilustrar um artigo sobre jornadas de oração que foram realizadas entre 2014 e 2019 na cidade ucraniana de Kharkiv.

“Meu Deus! Civis ucranianos se juntam e oram ao Deus dos céus em praça pública”, afirmam usuários em publicações compartilhadas no Facebook (1, 2, 3), no Instagram (1, 2, 3) e no Twitter (1, 2, 3).

O registro da cena também circula em espanhol, inglês e arábe.

Captura de tela feita em 26 de fevereiro de 2022 de uma publicação no Facebook ( . / )

A imagem começou a circular quando confrontos entre o exército ucraniano e separatistas pró-Rússia se intensificaram no leste da Ucrânia, uma área limítrofe com o sudoeste da Rússia.

O Ocidente também acusou Moscou de ter mobilizado 150 mil soldados, desde 2021, em direção à fronteira do vizinho, em preparação para um possível ataque. Os países ocidentais temiam que a escalada de confrontos nas linhas de frente servisse de pretexto para a Rússia invadir a Ucrânia.

O Kremlin negava essas alegações e dizia que foi encurralado pela OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte), ao mesmo tempo em que pedia que a organização se retirasse do leste europeu e que não fosse integrada pela Ucrânia.

Em 22 de fevereiro, o presidente russo Vladimir Putin ordenou que suas tropas fossem enviadas para as regiões separatistas de Donetsk e Lugansk, no leste da Ucrânia, horas depois de assinar o reconhecimento de sua independência.

No dia 24, Putin anunciou “uma operação militar” com o objetivo de realizar “uma desmilitarização e uma desnazificação” do país vizinho.

No entanto, a imagem difundida nas redes sociais não foi tirada durante a crise diplomática e militar de 2022 entre os dois países.

Foto antiga

Buscas reversas pela imagem viralizada no Google levaram a vários sites (1, 2) que usaram a foto para ilustrar um artigo sobre orações coletivas pela paz, realizadas diariamente por cinco anos, a partir de 2014, na cidade de Kharkiv (nordeste), a cerca de 40 quilômetros da fronteira russa.

Nas jornadas, convocadas por pastores e lideranças evangélicas, segundo o texto, eles oraram pela paz da cidade.

Captura de tela feita em 23 de fevereiro de 2022 de um artigo publicado no Believers Portal ( . / )

Em uma das versões do texto, publicada em 25 de setembro de 2019 pelo portal da International Mission Board (Junta de Missões Internacionais, em português), uma sociedade missionária cristã batista com sede nos Estados Unidos, explica-se que a foto compartilhada nas redes sociais foi tirada na Praça da Liberdade daquela cidade.

A comparação a seguir evidencia que trata-se do mesmo lugar:

Comparação entre capturas de tela da imagem compartilhada nas redes sociais (A) e da imagem da Praça da Liberdade, em Kharkiv, feita em 23 de fevereiro de 2022 ( . / )

Desde 2014, ano em que a Rússia anexou a península da Crimeia, o exército ucraniano tem lutado contra forças separatistas pró-Moscou nas regiões orientais de Donetsk e Lugansk, perto de Kharkiv, em um conflito que deixou mais de 14 mil mortos.

Desde aquele ano, temia-se que Kharkiv seguisse o caminho de Donetsk e Lugansk, que foram autoproclamadas repúblicas pelos separatistas em maio de 2014. No entanto, a intervenção das tropas ucranianas impediu esse resultado.

A AFP encontrou outro registro de 2015 de uma oração coletiva realizada na Praça da Liberdade de Kharkiv.

“Eles vieram de diferentes partes da cidade e eram uma mistura de denominações evangélicas e ortodoxos, mas se concentraram em um objetivo: rezar pela paz em sua cidade, que fica muito próxima da região onde soldados ucranianos e separatistas pró-russos batalham pelo controle do leste da Ucrânia”, diz o artigo.

O Checamos já verificou outras peças de desinformações relacionadas ao conflito entre a Rússia e a Ucrânia.

Conflito na Ucrânia