O meio-campo da Dinamarca Christian Eriksen durante a partida da UEFA EURO 2020 entre Dinamarca e Finlândia, no Estádio Parken, em Copenhague, em 12 de junho de 2021 ( Hannah McKay / Pool / AFP)

O desmaio de Eriksen na Eurocopa não teve relação com a vacina contra a covid-19

Copyright © AFP 2017-2021. Todos os direitos reservados.

Publicações compartilhadas mais de 1.000 vezes em redes sociais desde 12 de junho de 2021 afirmam que o jogador dinamarquês Christian Eriksen desmaiou durante a partida da Eurocopa devido aos efeitos da “vacina Pfizer”, que supostamente teria recebido em 31 de maio. No entanto, o diretor esportivo da Inter de Milão, onde joga o líder da seleção dinamarquesa, negou que o jogador tenha sido vacinado contra o novo coronavírus. A Federação Dinamarquesa de Futebol, por sua vez, disse à AFP que os jogadores não haviam sido imunizados antes do campeonato europeu.

Alguns usuários das redes sociais atribuem a causa do desmaio repentino à vacina que o jogador supostamente recebeu no último dia 31 de maio, antes do início do campeonato. A informação circulou no Facebook (1, 2) e no Twitter (1, 2, 3).

Esta afirmação também circulou milhares de vezes em inglês, alemão, eslovaco, espanhol, francês e polonês.

Captura de tela feita em 15 de junho de 2021 de uma publicação no Twitter

O que aconteceu durante a partida Dinamarca-Finlândia?

No último sábado, 12 de junho, Christian Erisken, de 29 anos, sofreu uma parada cardíaca no gramado do estádio Parken, em Copenhague, durante a estreia da seleção dinamarquesa na Eurocopa-2020, em partida contra a Finlândia. O jogador dinamarquês foi atendido pela equipe médica, que tentou reanimá-lo e precisou levá-lo ao hospital.

Eriksen recuperou a consciência no próprio sábado à noite e conseguiu, do hospital, tranquilizar seus colegas. Eles tomaram a decisão de continuar a partida, que havia sido suspensa pelo incidente pouco antes do intervalo e terminou com a vitória da Finlândia (1-0). Este foi um triunfo histórico para os finlandeses, que participaram pela primeira vez de uma grande competição.

Declarações de Giuseppe Marotta

Nas redes sociais, alguns usuários associaram o desmaio à vacina contra o coronavírus.

No entanto, a Federação Dinamarquesa de Futebol, consultada pela AFP em 14 de junho, garantiu que o órgão "não vacinou os jogadores" e aqueles que receberam o imunizante, foi "através do seu clube".

Dias antes, em coletiva de imprensa, o treinador dinamarquês, Kasper Hjulmand, havia lamentado, após os casos positivos para covid-19 nas seleções sueca e espanhola, que a UEFA não tivesse fornecido vacinas para todas as seleções presentes no campeonato.

O diretor esportivo da Inter de Milão, Giuseppe Marotta, também negou que Erikson tivesse recebido qualquer imunização contra a covid-19: "Essas imagens terríveis anunciaram coisas dramáticas, mas felizmente, graças aos médicos, nada aconteceu. Obrigado a todos, aos adversários e amigos, porque nos sentimos apoiados. Ele [Eriksen] nunca teve covid e nunca foi vacinado, não queremos ser intrusivos, é bom que o jogador esteja tranquilo. Ele é um campeão, estamos com ele e esperamos que ele possa resolver esses problemas de saúde", declarou Marotta, de acordo com um artigo publicado em italiano em 13 de junho de 2021 pela Gazzeta dello Sport.

Marotta reafirmou a declaração aos 6 minutos da entrevista à rede italiana Rai no dia 12 de junho. Eriksen "nunca teve covid, nunca foi vacinado", disse ele.

Na segunda-feira, 14 de junho, o médico da equipe alemã Tim Meyer se pronunciou sobre os rumores que surgiram após o jogo do sábado anterior: "Não há evidências de que este caso tenha algo a ver com a pandemia covid-19 ou com a vacinas. Eu sei de fontes diretas", disse o médico, aos 22 minutos e 35 segundos, durante uma coletiva de imprensa em Herzogenaurach, Alemanha.

Torcedor exibindo camisa da seleção dinamarquesa, com o nome de Eriksen, no jogo contra a Finlândia no estádio Parken em Copenhague em 12 de junho de 2021 (Jonathan Nackstrand / Pool / AFP)

A origem dos rumores sobre a vacinação

O registro mais antigo encontrado pela equipe de verificação da AFP sobre a alegação de que Eriksen foi vacinado é um tuíte publicado no próprio dia em que ele passou mal em campo, 12 de junho. Segundo a postagem, o médico-chefe da Inter de Milão disse que Eriksen havia recebido o imunizante. A mensagem, em inglês, afirmava que o médico explicou a uma rádio italiana que "Eriksen recebeu a vacina Pfizer em 31 de maio". Essa afirmação foi espalhada por algumas publicações em português.

A rede Radio Sportiva negou a afirmação em um tuíte em 13 de junho: “A informação fornecida no referido tuíte é falsa. Nunca compartilhamos a opinião da equipe médica da Inter sobre o estado de Christian Eriksen. Exclua o conteúdo; caso contrário, seremos obrigados a tomar medidas”.

publicações em espanhol fizeram referência a uma declaração em 18 de maio de 2021 de Piero Volpi, chefe da equipe médica da Inter de Milão, de que "todos os jogadores seriam vacinados antes do próximo campeonato". Mas Volpi não se referia à Eurocopa, e sim ao futuro campeonato da Série A italiana, que terá início em 22 de agosto de 2021.

A recuperação de Eriksen

O meio-campo, já estável no hospital, postou uma mensagem no dia 15 de junho em sua conta no Instagram, afirmando que "se sentia bem apesar das circunstâncias". "Ainda não fiz exames no hospital, mas me sinto bem", disse, acompanhando a mensagem com uma fotografia na cama do hospital, sorrindo e levantando o polegar. Na publicação, Eriksen encorajou seus companheiros da seleção para os jogos restantes do campeonato europeu.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Christian Eriksen (@chriseriksen8)

No domingo, 13 de junho, o médico da equipe, Morten Boesen, afirmou que não tinha explicação para o ocorrido. "Ele se foi, fizemos uma massagem no coração para reanimá-lo. Foi uma parada cardíaca", explicou.

François D'Astier
Tradução e adaptação
COVID-19 Vacinas