Pfizer não "reconheceu" que vacinas anticovid têm óxido de grafeno; substância não compõe fórmulas

Publicado em 11/04/2023 às 21:51

A farmacêutica norte-americana Pfizer não "reconheceu" que suas vacinas contra a covid-19 possuem óxido de grafeno. Usuários compartilharam esta afirmação centenas de vezes nas redes sociais desde 16 de março de 2023, junto a capturas de tela de um suposto relatório da empresa que confirmaria isso. No entanto, o documento mostra o método utilizado para estudar uma proteína, que nada tem a ver com a composição dos imunizantes, explicaram especialistas à AFP. Seus componentes são públicos e um porta-voz da Pfizer confirmou que o óxido de grafeno não é usado na fabricação de suas vacinas.