Capa com manchete sobre suposto confisco de poupança por parte de Lula é montagem

Copyright © AFP 2017-2022. Todos os direitos reservados.

O Jornal do Brasil não publicou uma capa com o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), declarando que irá confiscar poupanças a partir de 50 mil reais e arrecadar 47,5% de imposto de renda dos que ganham mais de 8 mil reais. O conteúdo, compartilhado centenas de vezes nas redes sociais desde 13 de novembro de 2022, foi desmentido pelo jornal, que, além do mais, não circula em versão impressa desde 2019.

“VAMOS CONFISCAR TUDO!”, afirma o título do conteúdo. “Medidas impopulares serão necessárias, assim como fez o Collor de Melo anos atrás. Bolsonaro deixou um rombo fiscal de 400 Bilhões e para cumprir minhas metas irei tirar dos mais ricos e dar aos necessitados. Por isso iremos aumentar a cobrança de IMPOSTO DE RENDA e confiscar a POUPANÇA de INVESTIMENTOS acima de 50 mil”, continua a suposta capa junto a uma foto de Lula.

A imagem traz ainda a data da suposta publicação do periódico e destaques do que seriam declarações do presidente eleito: “Quem ganhar acima de 8 mil pagará 47,5% de imposto de renda” e “teremos que confiscar as poupanças acima de 50 mil”.

O conteúdo circula no Facebook, Twitter, Instagram e TikTok. A imagem também foi enviada ao WhatsApp do AFP Checamos, para onde os usuários podem enviar conteúdos vistos em redes sociais, se duvidarem de sua veracidade.

Captura de tela feita em 14 de novembro de 2022 de uma publicação no Facebook ( ,)

Segundo a imagem viralizada, a suposta notícia data de 11 de novembro de 2022 e foi publicada em “2a. edição, 23h”, informações que costumam acompanhar publicações impressas.

Uma busca por palavras-chave no Google levou a um texto publicado no site do Jornal do Brasil em que o meio de comunicação desmente as postagens virais. “Esta suposta capa (...) tem circulado em grupos de aplicativos de mensagens de todo o País, a partir da região Sul, com flagrante mensagem de interesse de grupos bolsonaristas que não aceitam a eleição do presidente Lula”, afirma o diário.

A empresa informa ainda que a logomarca azul que se vê na imagem viral deixou de ser utilizada pelo jornal em 2010, e que, “desde abril de 2019, circula em edição on-line”, sem versão impressa.

À época, veículos divulgaram (1, 2) que o Jornal do Brasil seria uma mídia 100% digital.

Uma busca pela página inicial do site do Jornal do Brasil em 11 de novembro de 2022, através da plataforma WayBack Machine, que permite consultar versões arquivadas de conteúdos virtuais, mostra que o veículo não trouxe nenhuma notícia a respeito de um suposto confisco por parte da nova administração. As principais notícias foram sobre o crescimento da taxa de serviços no Brasil, novos dados do IBGE e falta de verba para proteção ambiental no atual governo.

Também não é possível encontrar nenhuma menção a confisco de bens na proposta de governo da coligação Brasil da Esperança, encabeçada por Lula, que está disponível para consulta no site do TSE.

A Emenda Constitucional No. 32, de 11 de setembro de 2001, proíbe essa medida por parte do presidente. Em seu art. 62, a norma veda medidas provisórias que tenham por objetivo “a detenção ou sequestro de bens, de poupança popular ou qualquer outro ativo financeiro”.

O Checamos já verificou outras alegações envolvendo o presidente eleito Lula e supostos confiscos de poupança (1, 2).

Eleições 2022