É falso que a Suíça incentive a população a denunciar vizinhos que aquecem demais suas casas

Copyright © AFP 2017-2022. Todos os direitos reservados.

No momento em que a Europa enfrenta uma grave crise energética, circula nas redes sociais um suposto pôster do governo pedindo aos suíços que denunciem seus vizinhos que aqueçam as suas casas acima de 19ºC. Mas a imagem, compartilhada desde meados de setembro de 2022, é falsa: “A Confederação Suíça não tem nada a ver com essa mensagem e se distancia formalmente dela”, disseram autoridades à AFP. Além disso, o pôster viral foi feito a partir de uma fotografia armazenada em um banco de imagens.

“Suíça. Quem aquecer a sua casa a mais de 19 °C é multado e pode ser preso. Quem denunciar os vizinhos recebe 200 francos”, diz a legenda de uma das publicações que somam mais de 400 compartilhamentos no Facebook (1, 2) e Twitter (1, 2).

As publicações são acompanhadas por um cartaz de uma suposta campanha em que uma mulher aparece ao telefone junto à frase: “Seu vizinho aumenta a temperatura do aquecimento acima de 19°C? Por favor, nos informe".

O cartaz ainda informa que a denúncia é anônima e oferece uma recompensa de 200 francos suíços (cerca de 1.073 reais, de acordo com a conversão do Banco Central de 21 de setembro de 2022). O pôster inclui o logotipo da Confederação Suíça e o número de telefone do Departamento Federal de Meio Ambiente, Transporte, Energia e Comunicações (Detec).

Captura de tela feita em 19 de setembro de 2022 de uma publicação no Facebook ( .)

As publicações também circulam em espanhol, francês, alemão, sérvio, grego, romeno e búlgaro.

A imagem é compartilhada em meio a uma grave crise energética na Europa em decorrência da ofensiva russa na Ucrânia.

Na tentativa de barrar a alta dos preços do gás e da eletricidade, a Comissão Europeia se comprometeu, em 9 de setembro de 2022, a promover uma série de medidas “sem precedentes” nos dias posteriores.

Em decorrência dessa situação, vários governos apelaram à solidariedade europeia e à moderação energética. É o caso da Suíça, que lançou uma campanha de economia de energia em 31 de agosto de 2022 para incentivar empresas e famílias a tomarem pequenas medidas para evitar a escassez no próximo inverno.

Origem da imagem

Uma busca reversa pela imagem no site TinEye revelou que a fotografia original a partir da qual foi elaborado o conteúdo viral está disponível gratuitamente em pelo menos quatro bancos de imagens, incluindo Adobe Stock e Alamy.

Captura de tela feita em 13 de setembro de 2022 no site Adobe Stock ( .)

Em nenhuma dessas plataformas a fotografia está vinculada a uma campanha publicitária específica, mas pode ser adquirida por qualquer pessoa para ser utilizada em seus projetos.

“É claramente uma manipulação”

Contatado pela equipe de checagem da AFP, o Departamento Federal de Assuntos Econômicos, Educação e Pesquisa (DEFR) da Suíça apontou que “o logotipo da Confederação e o número de telefone que aparecem na imagem foram usados indevidamente. A Confederação não criou esses cartazes nem lançou essa campanha; é claramente uma manipulação”.

“Desde sábado [10 de setembro de 2022], estão circulando nas redes sociais convocações falsas para denunciar o comportamento de vizinhos que supostamente aquecem demais suas casas", acrescentou, detalhando: “A Confederação não tem nada a ver com essas mensagens e se distancia formalmente delas".

O governo suíço acrescentou que abriu uma investigação sobre o assunto.

Nem restrições definidas nem multas milionárias

Várias publicações afirmam que na Suíça foi proibido aumentar a temperatura de aquecimento nas residências acima de 19ºC e que as consequências envolveriam multas e prisão.

O DEFR informou à AFP que, em 8 de setembro de 2022, “não havia escassez de eletricidade ou gás na Suíça, portanto não há restrições ou proibições de uso”. A administração está preparando medidas de restrição e proibição em caso de escassez grave.

O governo suíço preparou consultas aos cidadãos sobre dois projetos de lei, um sobre proibições e restrições ao uso de gás e outro sobre cotas desse combustível. O primeiro prevê, entre outros pontos, a proibição do uso de gás em determinados edifícios e a restrição em espaços internos que não possam ser aquecidos acima de 19°C em caso de grave escassez. Os interessados têm até 22 de setembro para dar a sua opinião.

No último dia 7 de setembro, a Prefeitura de Zurique, a cidade mais populosa da Suíça, anunciou que um plano de quatro etapas seria adotado em caso de falta de energia no inverno. A primeira inclui a conscientização sobre o problema, a redução do uso de água quente nos prédios públicos e o desligamento de seus letreiros luminosos.

A segunda fase consiste em reduzir a temperatura ambiente dos edifícios administrativos para um máximo de 19ºC.

Caso a situação se agrave, em uma terceira fase estão previstas medidas para reduzir significativamente o consumo de energia dos cidadãos, o que passa pela redução da temperatura nas casas. Se ocorrer uma escassez específica, o governo "ordenaria medidas em toda a Suíça que teriam consequências de grande alcance, como cotas ou cortes parciais de rede para garantir o fornecimento".

O DEFR explicou à AFP que a Lei de Abastecimento do País (LAP), na qual se baseariam as medidas de economia, não prevê multas, mas caso houvesse, as sanções econômicas impostas não seriam superiores às multas comuns, que na Suíça não excedem 300 francos suíços (cerca de 1.610 reais, de acordo com a conversão do Banco Central de 21 de setembro de 2022).

Tradução e adaptação
Clima