O anúncio da impugnação da candidatura de Lula na Rede Globo foi feito em 2018, não em 2022

Copyright © AFP 2017-2022. Todos os direitos reservados.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) irá concorrer às eleições de 2022, após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deferir a sua candidatura. No entanto, um vídeo compartilhado mais de 30.000 vezes nas redes sociais de um plantão da Rede Globo anunciando que ele teve o seu registro rejeitado circula desde agosto de 2022 como se correspondesse à votação de outubro. A gravação, contudo, é de 2018, quando o petista realmente não pôde concorrer devido à Lei da Ficha Limpa.

URGENTE: TSE NEGA REGISTRO DE CANDIDATURA À LULA”, afirma uma das publicações que circulam no YouTube, Facebook e Kwai (1, 2, 3). A gravação também foi enviada ao WhatsApp do AFP Checamos para verificação.

Captura de tela feita em 16 de setembro de 2022 de uma publicação no Kwai ( . / )

No vídeo, a jornalista Renata Lo Prete, da TV Globo, aparece fazendo o anúncio do indeferimento da candidatura de Lula durante um plantão do Jornal da Globo.

Uma busca reversa pelas imagens mostrou, contudo, que o programa em questão foi ao ar em 31 de agosto de 2018.

Na ocasião, o ex-mandatário teve o registro negado para disputar as eleições à Presidência da República, por 6 votos a 1, durante uma plenária do TSE. A decisão seguiu o entendimento do relator do pedido na Corte, o ministro Luís Roberto Barroso, que declarou a inelegibilidade de Lula com base na Lei da Ficha Limpa.

Os ministros acolheram uma contestação do Ministério Público, que apontou a inelegibilidade de Lula a partir da Lei Complementar 135/2010, que prevê a proibição de candidaturas de políticos condenados em órgãos colegiados da Justiça.

Em 2017, a 13ª Vara Federal de Curitiba declarou Lula culpado por receber uma cobertura tríplex na cidade de Guarujá, em São Paulo, como propina da construtora OAS.

Em janeiro de 2018, veio a condenação em segunda instância, quando o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) aumentou a pena do ex-mandatário para 12 anos e 1 mês de prisão. Em abril de 2019, a 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a condenação, mas reduziu a pena para 8 anos e 10 meses de reclusão.

Ainda em 2019, Lula foi novamente condenado pela 13ª vara de Curitiba, dessa vez a 12 anos e 11 meses, acusado de receber propinas das construtoras OAS e Odebrecht por meio de reformas de um sítio em Atibaia (SP), em troca de contratos com estatais.

A condenação foi confirmada em segunda instância pelo TRF-4, que aumentou a pena para 17 anos e 1 mês de prisão, além do pagamento de multa.

Lula ficou preso de 7 de abril de 2018 a 8 de novembro de 2019 em Curitiba, quando saiu uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que passou a considerar inconstitucional a prisão até que esgotem todos os recursos legais disponíveis.

Em março de 2021, todas as condenações contra ele foram anuladas por questões processuais, e ele recuperou o direito a se apresentar como candidato.

Nas eleições gerais de 2022, ao contrário do que é divulgado nas publicações, o TSE aprovou por unanimidade o registro da candidatura de Lula (PT) e Geraldo Alckmin (PSB), seu vice-presidente na chapa, no último dia 8 de setembro.

Na sessão, o ministro relator do processo, Carlos Horbach, julgou improcedentes as impugnações propostas contra a atual candidatura do ex-presidente.

Conteúdo semelhante já foi verificado anteriormente pelo AFP Checamos.

16 de setembro de 2022 Retira o negrito do lead
Eleições 2022