Socorristas caminham pelo centro comercial Amstor, destruído em Kremenchuk, em 29 de junho de 2022 ( AFP / Genya Savilov)

Centro comercial na Ucrânia recebia o público no momento do ataque em junho de 2022

Copyright © AFP 2017-2022. Todos os direitos reservados.

Em 27 de junho de 2022, um ataque com mísseis destruiu um centro comercial na cidade ucraniana de Kremechuk, no qual morreram ao menos 18 pessoas. As autoridades russas negam ter atacado o edifício e afirmam que o público não estava sendo atendido no momento. Usuários nas redes sociais também questionaram se o centro comercial realmente estaria aberto quando houve o ataque, publicando uma captura de tela do Google Maps para sustentar a alegação de que se trata de uma montagem. No entanto, o relato de testemunhas e outras provas coletadas pela AFP mostram que o centro comercial estava aberto aos clientes quando foi bombardeado.

“O centro comercial ‘com 1.000 civis dentro’, segundo Zelenski, deve ter sido um local para passear, porque não iam comprar muito, uma vez que está fechado há semanas. Até o Google avisa do seu encerramento”, diz uma das publicações no Facebook (1, 2) e Twitter (1, 2).

Algumas das publicações acrescentam uma captura de tela do Google Maps que mostra o centro comercial Amstor com a indicação “Permanentemente fechado”, argumento utilizado pelos usuários para questionar se, no momento do ataque, o local estava aberto ao público.

Captura de tela feita em 7 de julho de 2022 de uma publicação no Facebook ( . / )

Conteúdo similar também circula em inglês, francês, finlandês, espanhol e alemão.

Um míssil russo atingiu um centro comercial na cidade ucraniana de Kremenchuk em 27 de junho de 2022, como informaram várias agências de notícias (1, 2), entre elas a AFP. Fontes ucranianas afirmaram que ao menos 18 pessoas morreram, dezenas ficaram feridas e outras estão desaparecidas.

O presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, denunciou o ataque ao centro comercial como “um dos atos terroristas mais descarados da história europeia”, mas o Exército russo negou ter atacado o centro comercial e que ele estivesse aberto ao público.

Em uma declaração à agência de notícias estatal russa Ria Novosti em 28 de junho de 2022, os militares russos disseram ter atacado um depósito no centro da Ucrânia no dia anterior e que as explosões resultantes provocaram um incêndio em um centro comercial “não operante”.

O ataque afetou “um depósito de armas e munições procedentes dos Estados Unidos e de países europeus nas proximidades da fábrica de automóveis de Kremenchuk”, disse o Exército em seu comunicado. “As explosões de munição para armas acidentais provocaram um incêndio no centro comercial próximo, que não estava operando no momento”, assegurou.

Em 29 de junho de 2022, o presidente russo, Vladimir Putin, também negou que as forças russas foram responsáveis pelo ataque ao centro comercial: “Nosso Exército não ataca nenhum lugar de infraestrutura civil. Temos toda a capacidade de saber o que está em cada lugar”.

No entanto, as provas coletadas pela AFP, incluindo os depoimentos de testemunhas no local, os vídeos online e os recibos de compra mostram que o centro comercial esteve aberto normalmente nos últimos meses.

Google Maps

Usuários nas redes sociais compartilharam uma captura de tela do Google Maps indicando que o centro comercial Amstor em Kremechuk estaria fechado. No entanto, o próprio Google Maps adverte que essa informação nem sempre é confiável: “É possível que a informação sobre este lugar esteja desatualizada. Sempre preste atenção nas indicações reais, que podem mudar rapidamente”. Na página de ajuda, o Google explica como é possível adicionar e mudar os horários de abertura das lojas.

O fato de a informação fornecida pelo Google Maps nem sempre ser correta reflete também no fato de que em 28 de junho de 2022, um dia depois do centro comercial ser atingido, a informação do Google Maps sinalizava-o como aberto, como mostra essa imagem que foi arquivada. No entanto, dias depois já indicava que o local estava fechado permanentemente.

Locais estavam abertos

Depois que as autoridades russas afirmaram que o centro comercial não estava operante, Danil Getsmantsev, chefe de finanças e impostos no Parlamento ucraniano, escreveu em seu canal do Telegram em 28 de junho de 2022 que, segundo as contas do serviço fiscal ucraniano, no dia do ataque estavam funcionando lá 58 caixas registradoras que obtiveram um rendimento de 2,9 milhões de grivnas ucranianas, o equivalente a 98 mil dólares.

Depois do bombardeio, a AFP entrevistou os funcionários do centro comercial que ficaram feridos, como se pode ver nesse vídeo:

Em 30 de junho de 2022, a AFP também falou com Aleksandra Lukina, garçonete da cafeteria Zerna, em Amstor. Ela disse que estava trabalhando lá em 26 de junho, um dia antes do ataque. Em 27 de junho estava com o dia livre, mas quando escutou as explosões, se dirigiu ao centro comercial: “Vi todo o prédio em chamas: a entrada, as paredes, tudo. Vi os bombeiros trabalhando, assim como as pessoas de pé, em sua maioria homens jovens, ajudando-os onde ainda era possível salvar as pessoas (sobretudo perto da entrada). Vi muitos veículos de emergência”.

Ela também confirmou à AFP que o centro comercial esteve aberto, como de costume, nos últimos meses. “Amstor esteve aberto como de costume todos esses meses da guerra. Esteve fechado uma ou duas semanas depois de 24 de fevereiro de 2022, mas quando compreendemos que nossa cidade estava relativamente segura, Amstor reabriu e não voltou a fechar”, disse Lukina. Em dias úteis, como a segunda-feira em que ocorreu o ataque, calculou que cerca de mil pessoas visitavam o centro comercial por dia.

Além disso, a AFP verificou recibos recentes do centro comercial de uma moradora local que pediu para manter sua identidade em sigilo. Esse fato desmente que Amstor estivesse fechado há semanas, como asseguraram alguns usuários nas redes sociais. Um recibo de 17 de junho de 2022 às 13h16 mostra que um cinto de couro preto para homens foi comprado por 125 grivnas ucranianas, cerca de quatro dólares, em uma loja na rua Khalamenyuka 7, onde fica o centro comercial Amstor.

Recibo de 17 de junho de 2022 do centro comercial Amstor

A equipe de verificação da AFP também achou uma avaliação deixada no site de avaliações ucraniano UA para a filial no Amstor da Comfy, uma loja de eletrônicos, em 27 de junho de 2022, dia do ataque. Esse tipo de página compila experiências e classificações dos clientes para diferentes produtos ou serviços.

Após o atentado, várias lojas lamentaram as perdas de funcionários que estavam no centro comercial durante o ataque. A empresa Comfy, que também tem uma loja no Amstor, publicou um comunicado em sua página no Facebook, qualificando o 27 de junho de 2022 como um “dia sombrio” na história da Ucrânia e da companhia. Segundo a declaração, um empregado da loja em Kremenchuk morreu no ataque e outros ficaram feridos ou estão desaparecidos.

Vários meios de comunicação também conversaram com outras testemunhas oculares que estavam dentro do centro comercial durante o ataque. Em uma matéria publicada em 28 de junho de 2022, o jornal The New York Times falou com um comprador que descreveu que estava dentro do centro comercial Amstor quando ocorreu o atentado e que parou no hospital.

Conflito ucraniano-russo