A “Barbie aborto” foi criada por um artista para ironizar uma política norte-americana

Copyright © AFP 2017-2021. Todos os direitos reservados.

“Lançamento da Barbie aborto”, afirmam publicações que somam mais de 4,5 mil interações nas redes sociais desde o último dia 2 de fevereiro, acompanhadas de duas imagens que provariam a existência da boneca com esse tema. Contudo, trata-se de um projeto criado por um artista para ironizar uma política norte-americana em 2014. A Mattel, fabricante da Barbie, desmentiu ter algum tipo de participação na criação do brinquedo.

“No Novo normal, meninas serão incentivadas a matar bebês!! Percebem o tamanho do abismo??”, continuam as postagens, compartilhadas mais de 2,3 mil vezes no Facebook (1, 2, 3), com imagens que mostram duas bonecas Barbie, aparentemente grávidas, ao lado de um bebê e de uma tesoura.

Os brinquedos parecem estar dentro de caixas que, na parte exterior, contêm o seguinte texto: “Abortion Barbie” (“Barbie aborto”, em português).

Captura de tela feita em 8 de março de 2021 de uma publicação no Twitter

Este conteúdo também circulou no Instagram (1) e no Twitter (1, 2) com afirmações similares, assim como em inglês e espanhol, em um registro que parece mostrar o suposto brinquedo em uma prateleira junto com outras bonecas.

Uma busca reversa na plataforma TinEye por uma das imagens viralizadas forneceu como resultado mais antigo um artigo com data de 22 de maio de 2014 da edição digital do periódico norte-americano San Antonio Express-News, mencionando o nome de Wendy Davis, então candidata democrata ao governo do estado do Texas.

No texto é indicado que uma mulher chamada Kathryn Stuard pagou um artista para criar uma série de cartazes a serem colocados nas ruas para ironizar Davis, que em maio de 2014 participou de uma reunião em Hollywood organizada por diretores de cinema com o objetivo de arrecadar fundos para a sua campanha. 

Segundo o meio de comunicação local, Stuard reconheceu que “doou uma quantia não revelada ao artista de rua conservador ‘Sabo’ para criar os cartazes, que retratam o rosto de Davis em uma boneca Barbie seminua com um feto exposto no útero”.

Uma segunda busca reversa pelas fotos que aparecem nas publicações viralizadas, dessa vez na plataforma Bing, mostrou entre seus resultados um site onde o artista Dennis Ray Lewis, conhecido como “Sabo”, publica suas obras. Ao pesquisar os termos “abortion Barbie” nesta página há quatro resultados: um deles é o do cartaz que foi colocado nas ruas de Hollywood contra Wendy Davis.

Além disso, aparecem duas bonecas: uma chamada “Barbie aborto, genocídio negro de Nova York” e outra, “Barbie aborto Wendy”, em referência à política texana. 

Uma outra pesquisa pelos termos “Barbie + aborto + NYC” no Facebook levou a um vídeo de 15 minutos de duração publicado no canal de Sabo no YouTube, com a descrição do que estava executando.

Aos 4 minutos, o artista menciona o seu trabalho com a “Barbie aborto”: “Há alguns anos criei essa peça que chamei de ‘Barbie aborto’ para provocar esta senhora Wendy Davis, que estava se candidatando para o governo do Texas”, indicou.  

No canal de Sabo há também uma sequência, com data de 12 de agosto de 2014, no qual conta o processo de elaboração da “Barbie aborto”. A partir de 1 minuto e 27 segundos vê-se a visita do artista a uma loja de brinquedos e as fotos que tirou de sua criação junto a outras bonecas da franquia Barbie. 

Embora não estejam disponíveis em seu site atualmente, as fotos que ilustram as publicações viralizadas em espanhol foram publicadas originalmente em um artigo do próprio Sabo no qual vendia posters da intervenção realizada em 2014 contra Davis. 

O registro pode ser encontrado, contudo, por meio da plataforma Wayback Machine, que permite arquivar páginas on-line. 

A política que inspirou a ironia

Em 2014, Wendy Davis disputou com o republicano Greg Abbott e perdeu a eleição para o governo do Texas. Durante a campanha, em 2013, foi apelidada de “Barbie aborto” pelo escritor e ex-colaborador da emissora Fox News Erick Eriksson devido ao seu posicionamento favorável à interrupção voluntária da gravidez.

A expressão de Eriksson se tornou tão popular entre os críticos de Davis que um usuário do Twitter chamou-a de “Barbie retardada”

Em 2014, a empresa Mattel - que produz as bonecas da franquia Barbie - assinalou em sua conta no Twitter que não estava envolvida com o desenvolvimento do suposto brinquedo: “Queremos garantir que a chamada ‘Barbie Wendy Davis’ não é endossada, produzida ou aprovada pela Mattel”.

Em resumo, é falso que a “Barbie aborto” seja um brinquedo real pensado para crianças. Na verdade, ela foi criada por um artista em 2014 para ironizar uma candidata democrata que estava concorrendo ao governo do Texas.

Tradução e adaptação
ABORTO