A voluntária que contou aos meios de comunicação as possíveis reações à vacina faz parte dos testes de Oxford

Copyright © AFP 2017-2020. Todos os direitos reservados.

A história de uma voluntária que faz parte de um dos testes de vacina contra o novo coronavírus no Brasil viralizou nas redes sociais em pouco mais de dois dias. Ela contava ter tido reações à dose, que internautas afirmaram ser da “vacina chinesa do Doria”. No entanto, isto é falso. Ela faz parte dos testes da Universidade de Oxford, em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), e não tem relação com a CoronaVac, cujos testes são coordenados pelo Instituto Butantan, em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac Biotech, em São Paulo.

“A COBAIA DO DÓRIA QUE TOMOU A VACINA. ‘Comecei a me sentir muito indisposta, enorme moleza no corpo, muito sono, cansaço e febre de 38 graus, meu corpo inteiro começou a doer; e os olhos a lacrimejar, a dor no braço é absurda, mal posso levantá-lo [sic], diz o texto que acompanha a foto de uma mulher, em publicações compartilhadas mais de 5,4 mil vezes no Facebook (1, 2, 3, 4) desde o último dia 25 de julho, fazendo referência ao governador de São Paulo, João Doria.

Junto com essa imagem há legendas como: “Coronovac da china [sic], “Reação da Vacina do Dória, alguém mais aí se dispõe a ser cobaia ?! [sic] e “Tem otário pra TUDO, até pra aceitar ser cobaia de vacina Ching ling. Cadê o governo brasileiro que não proíbe esse caos? [sic].

A fotografia com o texto também circulou em publicações no Instagram (1, 2) e Twitter (1).

Captura de tela feita em 27 de julho de 2020 de uma publicação no Facebook

Na imagem é possível ver o endereço do site da revista Marie Claire, no site da Editora Globo, onde está a mesma fotografia da mulher vista nas postagens viralizadas. Trata-se de Jackeline Desiderrio, que foi aceita como voluntária dos testes da vacina de Oxford, e não da desenvolvida pela farmacêutica chinesa.

Na matéria publicada no mesmo dia 25 de julho, Jackeline conta como foi o processo de candidatura aos testes, aceitação, o momento da vacina e suas reações.

De fato, o texto visto nas postagens viralizadas narra as suas reações - “Comecei a me sentir indisposta, com uma enorme moleza no corpo, muito sono, cansaço e febre de 38 graus. Em seguida, meu corpo inteiro começou a doer; e os olhos, a lacrimejar. Fora a dor no braço que é absurda, mal posso levantá-lo” - está no depoimento.

Contudo, o teste do qual Jackeline faz parte é o da vacina de Oxford, que assinou um compromisso com a Fiocruz para a sua produção, não da vacina da farmacêutica chinesa Sinovac Biotech, em parceria com o Instituto Butantan - a chamada “CoronaVac”.

A voluntária especifica que a equipe lhe deu um termômetro para acompanhar a sua temperatura e “comprimidos de paracetamol, para caso tivesse febre”, uma reação esperada nestes testes.

A matéria da revista ainda faz uma ressalva de que “os participantes desse estudo da Universidade de Oxford não sabem se tomaram a vacina feita para combater a COVID-19. Isso acontece porque o grupo de vacinados é dividido em dois, os que recebem a vacina para a COVID-19 e os que recebem o placebo”.

Este procedimento de divisão em dois grupos é semelhante ao realizado pelo Instituto Butantan, ligado ao governo estadual de São Paulo, como explicou a assessoria da instituição ao Checamos: “Nessa fase, de aplicação da vacina propriamente dita, uma parte irá receber a vacina e outra parte vai receber apenas um placebo” e apenas um grupo restrito saberá quem recebeu a vacina, ou o placebo, para o acompanhamento dos resultados.

Para que uma vacina seja produzida, em uma de suas etapas são criados os chamados “grupos de controle” com voluntários para avaliar a eficácia. Isso significa que uma parte das pessoas receberá a vacina em questão, e a outra, uma vacina placebo, o que é definido aleatoriamente e restrito a um grupo de pesquisadores.

A AFP também conversou com uma voluntária dos testes da vacina de Oxford, Mônica Levi, que citou alguns dos efeitos que podem existir - “mal-estar, calafrio, dor de cabeça, febre”. Ela disse ter sentido “dor de cabeça e calafrio” e para isso tomou “paracetamol”. “Mas nem sei se eu tomei a vacina, ou a vacina placebo, [pois] 50% dos voluntários recebam a vacina placebo. Mas a gente não vai saber durante o estudo que vacina que recebemos”.

E completou: “Depois de tomar a vacina a gente tem que voltar em 28 dias, três meses, seis meses e um ano. Nesses retornos eles vão recolher exame de sangue. É Oxford que vai analisar o nosso sangue”.

A Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) é a instituição responsável pelos testes do estudo da Universidade de Oxford, em parceria com o laboratório AstraZeneca, que conta com 5 mil voluntários brasileiros.

Em resumo, é falso que a mulher que relatou à imprensa possíveis sintomas a uma vacina contra o novo coronavírus seja voluntária dos testes da “CoronaVac”, da farmacêutica chinesa Sinovac Biotech e que tem sido testada no Brasil em parceria com o Instituto Butantan. Jackeline Desiderrio é, na verdade, voluntária dos testes da vacina da Universidade de Oxford, e não sabe se tomou de fato a vacina, ou um placebo.

AFP Brasil
CORONAVÍRUS