O Nobel de Medicina Tasuku Honjo nega ter dito que o novo coronavírus foi “fabricado pela China”

Copyright © AFP 2017-2020. Todos os direitos reservados.

Uma mensagem amplamente compartilhada no Facebook, Twitter e WhatsApp atribui ao japonês Tasuku Honjo, ganhador do Prêmio Nobel de Medicina em 2018, a afirmação de que o novo coronavírus “não é natural” e foi “fabricado na China”, ao mesmo tempo em que garante que Honjo trabalhou em um laboratório em Wuhan durante quatro anos. As alegações são falsas: a afirmação foi publicada originalmente por uma conta no Twitter que não corresponde a Honjo, que negou ter feito estes comentários.

“O professor japonês de fisiologia ou medicina, O Dr. Tasuku Honjo, causou uma sensação na mídia hoje, dizendo que o vírus corona não é natural”, começam múltiplas publicações (1, 2, 3, 4, 5) compartilhadas mais de 3 mil vezes no Facebook desde o último dia 27 de abril.

As publicações fazem referência a Tasuku Honjo, médico imunologista japonês que recebeu em 2018, junto com seu colega James P. Allison, o Prêmio Nobel de Medicina por “seu descobrimento da terapia contra o câncer mediante a inibição da regulação imune negativa”.

“Fiz 40 anos de pesquisa em animais e vírus. Não é natural. É fabricado e o vírus é completamente artificial. Trabalho há 4 anos no laboratório Wuhan na China. Conheço bem todo o pessoal deste laboratório. Liguei para todo mundo depois do acidente de Corona, mas todos os telefones estão inoperantes há 3 meses. Agora, entende-se que todos esses técnicos de laboratório estão mortos”, acrescenta o texto que também circulou no Twitter (1, 2, 3) e foi enviado ao número de WhatsApp do AFP Checamos para verificação.

As publicações continuam com outra suposta frase do japonês: “Com base em todo o meu conhecimento e pesquisa até o momento, posso dizer isso com 100% de confiança de que Corona não é natural. Não veio de morcegos. China fez isso. Se o que digo hoje for falso agora ou mesmo depois da minha morte, o governo poderá retirar meu Prêmio Nobel, mas a China está mentindo e essa verdade será um dia revelada a todos”.

Esta mesma mensagem também circulou em inglês, espanhol e francês

Captura de tela feita em 29 de abril de 2020 mostra publicação no Facebook

No entanto, Honjo não deu estas declarações.

Em 24 de abril, uma conta no Twitter com o nome de usuário @TasukuHonjo e uma imagem do imunologista tuitou: “Não sei com que propósito o coronavírus foi produzido, mas posso dizer definitivamente que foi feito pelo homem”. A conta mudou seu nome de usuário dias depois, mas ainda é possível ver as respostas que recebeu quando se fazia passar por Honjo (1, 2).

Por e-mail, o diretor da equipe de comunicações globais da Universidade de Kyoto -  onde Honjo trabalha -, David Hajime Kornhauser, confirmou à equipe de verificação da AFP que “uma conta no Twitter que afirma representar as opiniões do Dr. Honjo - que foi a fonte de grande parte da informação falsa - é fraudulenta e difamatória”, acrescentando que o ganhador do Nobel de Medicina não tem conta no Twitter.

De fato, em 28 de abril, a conta no Twitter que utilizava o nome e a imagem de Honjo tuitou um pedido de desculpas ao imunologista. “Em primeiro lugar eu peço desculpas ao ‘Sr. Tasuku Honjo’ por ter usado sua personalidade sem sua permissão”, escreveu.

Refutando as afirmações das publicações viralizadas, Honjo disse que foi alvo de “acusações falsas e desinformação”, em um comunicado publicado em 27 de abril pela Universidade de Kyoto, onde ocupa o cargo de subdiretor geral do Instituto de Estudos Avançados.

No comunicado, o Nobel de Medicina afirmou: “Em meio à dor, à perda econômica e ao sofrimento global sem precedentes causados pela pandemia de COVID-19, me entristece enormemente que meu nome e o da Universidade de Kyoto tenham sido utilizados para difundir acusações falsas e desinformação”.

“Nesta fase, quando toda a nossa energia é necessária para tratar os doentes, prevenir uma propagação ainda maior de tristeza, e planejar um novo começo, a difusão de alegações infundadas sobre as origens da doença distrai perigosamente”, acrescentou o imunologista japonês.

A AFP realizou diversas buscas por palavras-chave em inglês e japonês, com o objetivo de encontrar declarações de Honjo sobre a pandemia do novo coronavírus.

Embora alguns resultados tenham indicado que o imunologista disse ao jornal japonês Nikkei Asian Review acreditar que o novo coronavírus foi “originado” na China, não há registros de que ele tenha afirmado que o vírus foi “fabricado”.

Honjo em Wuhan?

As publicações viralizadas garantem que Honjo teria dito que trabalhou durante quatro anos em um laboratório em Wuhan, a cidade chinesa onde foram detectados os primeiros casos do novo coronavírus no final de dezembro do ano passado. Sobre isso, Kornhauser respondeu à equipe de verificação da AFP que “a carreira profissional do Dr. Honjo pode consultada em sua totalidade e sem omissão no site de seu laboratório. Notará que ele nunca trabalhou na China”.

De fato, a biografia de Honjo disponível no site da Universidade de Kyoto indica que ele trabalhou apenas no Japão e nos Estados Unidos.

Até esta quarta-feira, 29 de abril, mais de três milhões de pessoas haviam sido infectadas com o novo coronavírus e mais de 217 mil faleceram devido à doença.

Em resumo, é falso que o ganhador do Nobel de Medicina Tasuku Honjo tenha dito que o novo coronavírus “não é natural” e que foi “fabricado” em um laboratório em Wuhan, e também é falso que o cientista tenha trabalhado na China. 

 
AFP Australia
AFP Uruguay
AFP Brasil
CORONAVÍRUS