Não, a presidente da Croácia não vendeu o avião presidencial nem reduziu seu salário pela metade

Publicações muito compartilhadas nas redes sociais afirmam que a presidente croata “vendeu o avião presidencial”, “os 35 Mercedes Benz que estavam designados aos ministros e outros funcionários” e “baixou seu salário e o dos ministros ao meio”. Essas afirmações são falsas ou inexatas e, na verdade, tratam-se de uma cópia de publicações detalhando as ações da presidente do Malauí entre 2012 e 2013.

Captura de tela de uma publicação no Facebook disseminando a informação falsa, feita 18 de setembro de 2018 (Facebook / AFP)

“Também podemos pedir emprestado o povo croata aqui pro Brasil….. Quem sabe aprendemos a apoiar as pessoas certas……” afirma um internauta. “É um ótimo exemplo para o Brasil”, comenta um usuário em uma das várias publicações, de praticamente mesmo conteúdo, que circularam no Facebook.

Postagens quase idênticas também foram compartilhadas em outras línguas (árabe, inglês, espanhol, francês e somaliano) centenas de milhares de vezes.

No entanto, estas afirmações sobre Kolinda Grabar-Kitarovic são falsas ou inexatas, e não atentam para o fato de que o poder da presidente croata é em grande parte protocolar - a verdadeira autoridade está nas mãos do Primeiro-ministro Andrej Plenkovic.

O sistema político croata é um regime parlamentar onde o Primeiro-ministro, eleito pela maioria do Parlamento, conduz a política nacional e estrangeira. O presidente da República não tem poder executivo.

Checamos as afirmações feitas sobre a presidente Kolinda nas redes sociais

1 - “Vendeu o avião presidencial”

Falso. A presidente croata não possui avião presidencial - e, se tivesse, ela não teria poder para ordenar sua venda. No entanto, existe um avião oficial do Estado croata, mas ele é utilizado tanto pela presidente quanto pelo Primeiro-ministro e parlamentares. Esta foto, feita no último mês de janeiro em Sarajevo, capital da Bósnia-Herzegovina, mostra Grabar-Kitarovic descendo do aparelho.

Captura de tela feita do site 24sata.info mostra a presidente croata, Kolinda Grabar-Kitarović, descendo do avião oficial em janeiro, em Sarajevo, capital de Bósnia e Herzegovina)
 

2 - “Vendeu os 35 Mercedes Benz que estavam designados aos ministros e outros funcionários”

Não há indícios. Mesmo se a presidente desejasse, não poderia fazê-lo pois, como já explicado, não tem poder para isso. Nenhuma comunicação do governo croata foi realizada sobre este assunto, e nenhum meio de comunicação croata ou estrangeiro mencionou tal fato.

3 - “Baixou seu salário e dos ministros ao meio”

Falso. Novamente, a presidente não tem poder para decidir isso. Segundo meios de comunicação croatas, seu salário aumentou - assim como o de outros oficiais croatas. Depois de uma reforma fiscal, que aconteceu após ter assumido o cargo em 2015, sua remuneração mensal passou de 3.069 a 3.340 euros.

4 - “Eliminou a aposentadoria para senadores e congressistas”

Falso. Mais uma vez, a presidente Kolinda não tem poder para eliminar a aposentadoria dos membros do Parlamento croata, que é unicameral (não tem, portanto, senadores).

5 - “Ela fala 7 linguas”

Verdadeiro. Kolinda fala croata e outras 6 seis idiomas, confirmou a assessoria presidencial à AFP. Ela é fluente em inglês, espanhol e português e tem conhecimentos de alemão, italiano e francês.

Kolinda Grabar-Kitarovic foi alvo de diversas alegações falsas nas redes sociais desde 2015. As histórias voltaram a circular depois que a Croácia teve um bom desempenho na Copa do Mundo 2018, conquistando o segundo lugar. Uma das versões chegou a confundi-la como uma atriz de filmes pornográficos.

Itinerário da desinformação

Até março de 2019, a AFP achava que a versão mais antiga do artigo enganoso elogiando a presidente croata - em árabe - datava de janeiro de 2018. Até a publicação deste artigo, a postagem continuava sendo compartilhada.

Mas a criação de uma equipe de checagem da AFP em língua árabe permitiu aprofundar a pesquisa e ir mais longe: a mais antiga publicação desta desinformação encontrada pela AFP por meio da ferramenta WhoPostedWhat remonta exatamente a 28 de de maio de 2017, às 05h28, em uma página de pessoas que se apresentam como jornalistas iraquianos, e tem mais de 370 mil participantes.

Nesta página, afirma-se que esta informação se destinava a mostrar as supostas virtudes dos governantes ocidentais em relação ao comportamento dos governantes árabes.

Neste dia, mas 28 minutos antes, às 5h00, a informação foi publicada de forma idêntica em uma página iraquiana no Facebook intitulada: “Corrupções e escândalos dos governos iraquianos”, mas com relação a ex-presidente do Malauí, Joyce Banda.

Captura de tela feita em 6 de março de 2019 mostra as duas publicações no Facebook
 

Com exceção da remoção de uma referência a um site africano (All Africa Malawi), o texto é o mesmo. Ambas as publicações terminam de forma idêntica: um comentário sarcástico com emojis alegando que Joyce Banda (publicação das 10h) e Kolinda Grabar-Kitarovic (10h28) agiram exatamente como Fuad Massum, presidente do Iraque de julho de 2014 a outubro de 2018.

De onde vêm essas publicações em árabe sobre a presidente do Malauí?

A publicação em árabe sobre a ex-presidente do Malauí existe desde 6 de setembro de 2013, data da primeira ocorrência em árabe no Facebook. No dia anterior, a agência de notícias Reuters informou em um artigo que desde que  tomou posse em 2012, “Joyce Banda reduziu seu salário em 30% e prometeu vender os 35 Mercedes-Benz usados por seu gabinete”.

É provável que esta matéria da Reuters tenha inspirado a publicação no Facebook, que, quatro anos depois, gerou a confusão com a presidente croata.

As declarações sobre a ex-presidente do Malauí são verdadeiras?

Verificamos três informações:

- Salário diminuiu em 30%: verdadeiro. Em 2012, o vice-presidente Khumbo Kachali anunciou que a presidente havia decidido reduzir seu salário em 30%, conforme explicado nesta matéria da AFP.

- Avião presidencial foi vendido: verdadeiro. Depois de assumir a presidência em abril de 2012, Joyce Banda anunciou a venda da aeronave. “Tivemos que implementar medidas de austeridade severas para nos certificarmos de que poderíamos tirar o país dessa bagunça. Um dos sacrifícios feito foi se livrar do jato, já que seu uso e manutenção são caros”, diz hoje a ex-presidente ao repórter da AFP em Lilongwe, Jack Mcbrams.

A aeronave foi vendida em 1º de julho de 2013, mas essa ação gerou polêmica no país, com antigos membros do gabinete de Banda se voltando contra ela, acusando-a de usar o dinheiro da venda erroneamente. “Sou uma presidente que serviu bem ao seu país e não me arrependo disso”, declarou à AFP na quarta-feira, 6 de março.

- A frota de Mercedes foi vendida: falso. Banda havia se comprometido em 2012 a vender a frota de luxo de Mercedes-Benz. Mas finalmente revisou sua decisão e preferiu dedicar esses carros a visitas de altos dignitários. Jack Mcbrams confirma ter visto as limusines sendo usadas nessas ocasiões. Para o gabinete, estes 35 carros departamentais foram substituídos pelo Toyota Prado TX, mais barato.

Portanto, pode-se considerar que a informação deixou de ser completamente verdadeira em 2017, quando inspirou a desinformação global sobre a presidente croata.

E na Croácia?

Embora esta informação falsa tenha circulado em muitas línguas, a jornalista da AFP em Zagreb Lajla Veselica não encontrou nenhuma publicação na língua croata.

EDIÇÃO 07/03/19: Este artigo é uma versão atualizada e completa do que foi publicado no mês de setembro de 2018 com elementos da AFP em Beirute e no Malauí.