Mortes por covid-19 não caíram “99,99%” no Amazonas após visita do ministro da Saúde

Copyright © AFP 2017-2021. Todos os direitos reservados.

Publicações compartilhadas milhares de vezes em redes sociais desde o início de fevereiro asseguram que o número de mortes por covid-19 no Amazonas caiu em “99,99%” imediatamente após o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, visitar a capital do estado, Manaus. Isso é falso. Na verdade, a média de óbitos registrados por dia no Amazonas desde que Pazuello voltou da região, em 29 de janeiro, é superior à das primeiras semanas do ano, quando o estado começou a enfrentar uma dura segunda onda da pandemia de coronavírus.

“Bomba, segundo o governo de Manaus, todo o dia estava morrendo 140 pessoas no Amazonas, só foi Bolsonaro mandar o ministro da Saúde ir para Manaus visitar os hospitais, que ontem morreu 46 pessoas no estado todo, sendo que 2 de covid-19 e hoje morreu 39 pessoas no estado todo, sendo que 1 de covid-19”, começa o texto compartilhado mais de 3 mil vezes no Facebook (1, 2, 3) e no Twitter ao menos desde 3 de fevereiro.

“Bolsonaro está de olho na safadesa dos governadores comunistas. Em 2 dias houve redução de 99,99% de mortes no estado do Amazonas pq será???”, continua a mensagem que começou a circular após Pazuello visitar Manaus, entre 23 e 29 de janeiro, para lidar com o colapso do sistema de saúde da cidade. 

Captura de tela feita em 10 de fevereiro de 2021 de uma publicação no Twitter

Desde o início do ano, um aumento no número de casos de coronavírus sobrecarregou a rede hospitalar do Amazonas e praticamente esgotou suas reservas de oxigênio, o tornando o estado brasileiro com mais mortes acumuladas proporcionalmente.

Uma consulta aos boletins epidemiológicos emitidos pela Secretaria de Saúde do Amazonas mostra que do início deste ano até 29 de janeiro, quando o ministro da Saúde encerrou sua viagem ao Amazonas, foram registrados 1.394 óbitos por covid-19 no estado - uma média de 48 mortes por dia.

Não é verdade, contudo, que esse número caiu drasticamente desde então, chegando a marcar apenas uma ou duas mortes diárias, como afirmam as publicações viralizadas. Ao contrário, a média de óbitos por dia aumentou.

Como registrado pela Secretaria de Saúde do Amazonas, de 30 de janeiro a 10 de fevereiro, houve 664 mortes provocadas pelo novo coronavírus no estado - uma média de 55 óbitos diários.

Além disso, em nenhum desses dias foram registradas somente uma ou duas mortes por covid-19. O menor número de óbitos confirmados desde 29 de janeiro foi de 35, em 5 de fevereiro.

Abaixo, os números de mortes registrados por dia no Amazonas, segundo a Secretaria de Saúde do estado.

O número de mortes por covid-19 também não caiu enquanto Pazuello estava no estado. Entre 23 e 29 de janeiro, houve 488 óbitos, de acordo com os dados oficiais. Na semana imediatamente anterior, o número foi de 414.

Texto antigo

Uma versão semelhante da mensagem viralizada nas redes em fevereiro deste ano já havia circulado em 5 maio de 2020, quando o ministro da Saúde era Nelson Teich, e o Amazonas enfrentava a primeira onda de contaminações por covid-19. Na época, o texto também era falso.

Em 4 de maio de 2020, que corresponderia ao dia de “ontem” citado na mensagem, foram registrados 36 óbitos por covid-19 no estado. Já em 5 de maio, foram 65 mortes por covid-19 e não “uma”.

Esse conteúdo também foi verificado pelas equipes de Aos Fatos e Agência Lupa.

Em resumo, é falso que o número de mortes por covid-19 caiu em “99,99%” no Amazonas após a visita do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. A média de óbitos causados pela doença cresceu desde 29 de janeiro, em comparação com as primeiras semanas de 2021.

AFP Brasil
Covid-19