Queda no número de casos de covid-19 em Nova Délhi não tem ligação com uso de ivermectina

Copyright © AFP 2017-2021. Todos os direitos reservados.

Publicações compartilhadas mais de 900 vezes desde junho de 2021 alegam que Nova Délhi teve uma redução de 97% de casos de covid-19, após o país ter recomendado a ivermectina para pacientes assintomáticos e com sintomas leves. Mas isso é falso. Embora o governo indiano tenha aprovado o seu uso, vários dados indicam que a queda de casos no período foi resultado dos confinamentos realizados na capital e da ampliação da campanha de vacinação. A eficácia da ivermectina ainda não foi reconhecida no tratamento e prevenção da covid-19.

“Agora vocês sabem que está cometendo um genocído e [isso] precisa ser interrompido!!! Ivermectina elimina 97 por cento dos casos em Délhi. A verdade não pode ser escondida!”, afirma em tradução livre do inglês um usuário no Twitter.

“Um declínio de 97% nos casos de Delhi POR CONTA DA IVERMECTINA foi decisivo - ponto final. [...] É uma justificativa absoluta da ivermectina e do tratamento ambulatorial precoce. É uma refutação clara das políticas da OMS, FDA, NIH e CDC de ‘esperar em casa até ficar azul’ antes de receber tratamento”, diz uma das legendas de uma postagem compartilhada no Facebook.

Captura de tela feita em 16 de julho de 2021 de uma publicação no Twitter

O Ministério da Saúde e Bem-Estar Familiar indiano atualizou no dia 28 de abril de 2021 as diretrizes para tratamento de pacientes assintomáticos e com sintomas leves infectados com a covid-19. As orientações seguidas até então haviam sido publicadas em 2 de julho de 2020 e não traziam nenhuma recomendação de uso de medicamentos. As novas regras acrescentaram, dentre outros pontos, a indicação de uso de paracetamol, ivermectina e budesonida, esteróide usado para tratamento de problemas respiratórios como asma e rinite alérgica

Não houve orientação alguma das autoridades para que fosse feito uso da ivermectina ou dos outros medicamentos mencionados para prevenção da doença. Não há dados científicos que indiquem que o uso desses fármacos por pessoas já contaminadas pelo novo coronavírus levaram à diminuição do número de novas infecções.

A Agência de Medicamentos e Alimentos (FDA) dos Estados Unidos afirmou em maio de 2021 que, apesar de haver algumas pesquisas em andamento, “não revisou dados para apoiar o uso de Ivermectina em pacientes com COVID-19 para tratar ou prevenir COVID-19”.

Alta de casos

No mês de abril, a capital indiana, que tem cerca de 20 milhões de habitantes, enfrentou uma alta de contágios de covid-19, chegando a registrar 24 mil novos casos no dia 17. Até aquele momento, a cidade estava sob um confinamento limitado aos finais de semana.

Dois dias depois, em 19 de abril, Nova Délhi foi submetida a um novo confinamento, durante a semana completa, que se estendeu até junho de 2021. O ministro chefe de Nova Délhi, Arvind Kejriwal, anunciou que seriam autorizados somente deslocamentos para serviços considerados essenciais e que o comércio permaneceria fechado.

Em abril, o país também começou a enfrentar uma alta de casos. No dia 8 de maio de 2021, a Índia atingiu um pico, ultrapassando a marca de 391 mil novos casos, de acordo com a média móvel dos últimos 7 dias.

Isaac Schrarstzhaupt, cientista de dados e coordenador da Rede Análise Covid-19, explicou ao AFP Checamos que por conta do pico de casos e de mortes, a restrição na circulação de pessoas com o último aumento no número de casos e de mortes foi o responsável pela queda nos números. Isso porque o comportamento das pessoas com o colapso do sistema de saúde passou a ser mais cuidadoso e de maior distanciamento.

Além da medida na capital, o governo indiano anunciou que a partir do dia 1 de maio, toda a população adulta, acima de 18 anos, poderia se vacinar. Até o dia 16 de julho de 2021, o país tinha 22,72% de sua população vacinada com a primeira dose e 5,65% estava completamente imunizada. Até a data, mais de 391 milhões de doses haviam sido aplicadas, de acordo com o Governo indiano e o Our World in Data. O país possui uma população de 1,38 bilhão de pessoas, segundo o World Bank.

Casos e mortes diários por covid-19 na Índia, segundo dados oficiais até 24 de maio. ( AFP / Cléa Péculier, Maria-Cecilia Rezende)

A partir do dia 9 de maio, o número de novos casos passou a cair e após mais de um mês e meio de confinamento, em 7 de junho de 2021, a capital começou a suspender as restrições. Foi reaberto parte do comércio e a circulação do transporte público começou a ser retomada. Na época, o número de novos casos seguia em queda em todo o país.

Em uma carta enviada pelo secretário da Saúde, Rajesh Bhushan, aos estados para orientar sobre o controle da pandemia em 28 de junho de 2021, ele atribui a diminuição dos números às medidas de contenção adotadas pelos estados. “Como resultado, a curva da pandemia de covid-19 no país está apresentando atualmente um declínio constante”, escreveu.

Ivermectina

Embora a Índia tenha aprovado o uso da ivermectina para o tratamento de pacientes assintomáticos e com sintomas leves, o antiparasitário não tem eficácia comprovada para o tratamento ou para a prevenção da covid-19.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o uso desse medicamento apenas em ensaios clínicos. A Agência de Medicamentos e Alimentos (FDA) dos Estados Unidos e a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) já alertaram que os dados disponíveis não respaldam o uso da ivermectina para covid-19 fora de ensaios clínicos bem planejados. Assim como a OMS, as agências apoiam a realização de estudos envolvendo o medicamento e o tratamento da covid-19.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) adverte que não existem estudos conclusivos que comprovem nem que refutem a eficácia da ivermectina no tratamento da doença. Além disso, indica que a ivermectina seja usada apenas para os casos “constantes da bula do medicamento”.

A discussão sobre o uso de medicamentos sem eficácia comprovada para o tratamento e prevenção da covid-19, como a ivermectina e a hidroxicloroquina, tem sido levantada no Brasil durante toda a pandemia.

A equipe de verificação da AFP já checou outros conteúdos sobre o uso da ivermectina no tratamento da covid-19 (1, 2, 3).

COVID-19 Vacinas