Hamilton Mourão não escreveu o texto descrevendo Bolsonaro como a “única opção” para o Brasil

Copyright © AFP 2017-2020. Todos os direitos reservados.

Um longo texto que elogia a atuação do presidente Jair Bolsonaro durante a pandemia de covid-19 foi compartilhado centenas de vezes em redes sociais desde o último 27 de janeiro como se tivesse sido escrito pelo vice-presidente Hamilton Mourão e publicado no jornal O Estado de S.Paulo no mesmo dia. Isso é falso. As palavras viralizadas não foram publicadas no jornal e a assessoria da Vice-Presidência negou que Mourão tenha escrito a mensagem. O mesmo texto já havia circulado, dias antes, com outra autoria.

“Saiu no Estadão de hoje. Vale a pena a leitura e a reflexão”, começam as publicações compartilhadas mais de 500 vezes no Facebook (1, 2, 3) e Twitter.

As postagens continuam, apresentando um texto supostamente assinado pelo vice-presidente: “Não vi nosso presidente proibir nem obrigar ninguém a se vacinar... Mas vi uma suprema corte decidir que quem não se vacinar perderá direitos… Não vi os laboratórios solicitarem aprovação do órgão técnico (ANVISA) para poderem comercializarem suas vacinas aqui... Mas os vi solicitarem que os governos assinem um termo que os isentem de responsabilidades”.

“Aí eu te pergunto, inteligência: o que tu queres para a tua vida? Para a vida dos teus filhos? Que futuro tu achas que pode existir com Maias, Ciros, Haddads e Amoedos???? Entendam de uma vez por todas que Bolsonaro não é a melhor opção... Ele é a ÚNICA opção!!!”, termina o texto.

Captura de tela feita em 29 de janeiro de 2021 de uma publicação no Facebook

O artigo não foi publicado, contudo, no jornal O Estado de S.Paulo de 27 de janeiro, como é possível verificar na versão digital do periódico. Neste dia, os textos de opinião veiculados foram assinados por Carlos Mário da Silva Velloso, advogado e ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), e Luiz Felipe D’Ávila, fundador do Centro de Liderança Pública (CLP).

Uma busca no site do veículo e em suas contas no Facebook e Twitter não localiza qualquer registro de que o texto tenha sido publicado em outra ocasião.

Contactada pelo AFP Checamos, a assessoria de imprensa da Vice-Presidência negou que Mourão tenha escrito a mensagem compartilhada nas redes.

De fato, as mesmas palavras foram encontradas em publicações anteriores que atribuem a opinião a uma pessoa chamada Ana Cristina Sanmartin Ribeiro. O AFP Checamos entrou em contato com um perfil no Facebook de mesmo nome, cujas postagens são privadas, mas não obteve retorno até a publicação deste artigo. No entanto, Sanmartin Ribeiro respondeu a equipe de checagem do Aos Fatos, confirmando ser a autora do texto.

Em maio de 2020, o vice-presidente publicou um outro texto de opinião no Estado de S.Paulo, sem relação com as frases viralizadas.

A alegação de que Mourão teria escrito o texto que elogia Bolsonaro começou a circular em um momento de tensão entre o vice e o presidente. No último dia 28, o site O Antagonista revelou que um assessor do vice-presidente havia entrado em contato com o chefe de gabinete de um deputado para conversar sobre a hipótese de impeachment de Bolsonaro. Em um primeiro momento, Mourão negou que a conversa houvesse acontecido, mas depois exonerou o assessor.

Um dia antes, Mourão havia sinalizado que poderia ocorrer uma troca na liderança do Ministério das Relações Exteriores, sendo logo desautorizado por Bolsonaro. “O que menos precisamos é de palpiteiro no tocante à formação do meu ministério. Todos os 23 ministros eu que escolho e mais ninguém. Se alguém quiser escolher ministro, que se candidate em 2022 e boa sorte em 2023”, disse o presidente.

Esse conteúdo também foi verificado pelas equipes de Aos Fatos, Estadão Verifica e Agência Lupa.

AFP Brasil
CORONAVÍRUS