Gravado antes da chegada da covid-19 ao Brasil, este vídeo mostra a Ceagesp após uma enchente

Copyright © AFP 2017-2020. Todos os direitos reservados.

Um vídeo compartilhado milhares de vezes nas redes sociais desde março de 2020 voltou a circular em janeiro deste ano acompanhado da afirmação de que o governador de São Paulo, João Doria, mandou “fechar o Ceasa” em razão da pandemia e a cena de alimentos sendo jogados fora seria o resultado dessa ação. Mas isso é falso. A sequência, de fevereiro de 2020, foi registrada depois que uma forte chuva atingiu São Paulo e causou enchentes. Em contato com a AFP, a Ceagesp confirmou que segue funcionando por se tratar de um serviço essencial.

“CEASA de São Paulo. Mais 2 semana o país parado vai virar uma nova Venezuela. Tem político e a mídia adorando Isso. Parabéns Governador Doria!” e “Doria fechou o Ceasa, e a produção q chegou, teve q ser jogada fora. Esse cara é um monstro”, foram algumas das legendas das publicações compartilhadas no Facebook (1, 2, 3) ao menos desde 26 de março de 2020 e que continuavam circulando em janeiro de 2021.

Viralizado no Twitter (1, 2), no Instagram e no YouTube (1, 2), o vídeo, que consiste na gravação da sequência a partir da tela de um celular e é narrado por um homem, mostra o conteúdo dos caixotes sendo jogado em grandes pilhas.

Captura de tela feita em 15 de janeiro de 2021 de uma publicação no Facebook

Sem que o homem apareça, ouve-se apenas uma voz ao fundo: “Olha o que o João Doria fez aí, dá uma olhada: ‘tá’ considerado já o maior crime que um governador cometeu no mundo. Mandou fechar o Ceasa, os caminhoneiros revoltados estão jogando nas marginais, no meio da rua, toda a produção, olha isso. Parabéns, João Doria”.

O narrador continua criticando o governador de São Paulo e pede que as autoridades o prendam. Em referência à quarentena decretada no estado no período em que a gravação começou a viralizar, março de 2020, afirma: “Você, que ‘tá’ em casa, saia. Saia pra rua. Segunda-feira todos os comerciantes voltem a trabalhar, senão esse país vai quebrar. Já está sendo considerado o maior crime que um governador cometeu no mundo. Olha o tanto de alimento jogado fora”. E termina com: “É isso que você quer, brasileiro? Fica em casa, parabéns, brasileiro. Vai faltar comida na sua casa, miserável”.  

Uma busca reversa por um dos fragmentos do vídeo obtido por meio da ferramenta InVID-WeVerify* levou a duas publicações da mesma gravação (1) na página do Facebook da Associação dos Feirantes Perueiros e Comércio (AFPEC) em 11 de fevereiro de 2020. A descrição das postagens indica: “Milhares de Frutas Legumes e Verduras estragados por conta dessa chuva do dia 10/02/2020 Um dia que causou muito prejuízo para os feirantes e a população!!!” e “Prejuizo para os produtores e feirantes no ceagesp e no abastecimento de frutra, legumes e verdura, perda de milhares de produtos, por conta do alagamento em São Paulo!!!”.

Ceagesp é a sigla de Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo, criada a partir da fusão do Centro Estadual de Abastecimento (Ceasa) e da Companhia de Armazéns Gerais do Estado de São Paulo (Cagesp).

Uma segunda pesquisa, dessa vez pelos termos “ceagesp + fechada + enchente”, mostrou como resultado reportagens (1, 2, 3) sobre o alagamento na Ceagesp depois que fortes chuvas atingiram São Paulo. A mesma sequência agora viralizada nas redes e relacionada ao governador João Doria também havia sido usada em matérias (1, 2) da imprensa.

Em fevereiro de 2020, a capital do estado registrou em alguns dias 96% da chuva prevista para o mês inteiro. No dia 10, por sua vez, ela se intensificou e provocou o transbordamento dos rios Tietê e Pinheiros.

Nesse momento, o Brasil sequer havia registrado o primeiro caso do novo coronavírus, que só foi confirmado 16 dias depois, em 26 de fevereiro

Um homem caminha na rua durante a quarentena em São Paulo devido à pandemia de covid-19, em 24 de março de 2020 (Nelson Almeida / AFP)

A primeira quarentena decretada no estado de São Paulo foi em 21 de março do mesmo ano e seria de apenas 15 dias, com o fechamento dos serviços considerados não essenciais. Após o aumento dos casos no final de 2020, o governo estadual voltou a impor restrições, previstas até 7 de fevereiro de 2021. 

Ao Checamos, a assessoria de imprensa da Ceagesp confirmou se tratar de uma desinformação. A respeito do funcionamento durante a pandemia, declarou que “é considerada como atividade essencial pela distribuição de alimentos à população e está funcionando normalmente, respeitando todas as regras de prevenção à saúde exigidas pelas autoridades sanitárias locais”.

Em resumo, é falso que o vídeo viralizado de alimentos sendo descartados na Ceagesp seja resultado de um fechamento imposto pelo governador João Doria devido à pandemia de covid-19. Registrada em 11 de fevereiro de 2020, a sequência mostrava itens sendo jogados fora em consequência das fortes chuvas que atingiram São Paulo no início daquele mês. À AFP, a Ceagesp confirmou que, por ser considerada um serviço essencial, continua funcionando.

*Uma vez instalada a extensão InVid-WeVerify no navegador Chrome, clica-se com o botão direito sobre a imagem e o menu que aparece oferece a possibilidade de pesquisa da mesma em vários buscadores.

AFP Brasil
CORONAVÍRUS