Frase dita por John Lennon é falsamente atribuída à candidata do PCdoB Manuela D’Ávila

Copyright © AFP 2017-2020. Todos os direitos reservados.

Uma publicação que afirma que a candidata à Prefeitura de Porto Alegre pelo Partido Comunista do Brasil (PCdoB), Manuela D’Ávila, disse que o cristianismo vai desaparecer e que ela seria mais popular do que Jesus voltou a viralizar nas redes sociais no último dia 26 de setembro. A declaração imputada a Manuela que circula desde 2018 é, contudo, falsa; quem disse a frase foi o vocalista dos Beatles, John Lennon, em 1966, se referindo à banda de Liverpool, que atingia o apogeu de sua popularidade.

“O cristianismo vai desaparecer. Vai diminuir e encolher. (...) Nós somos mais populares do que Jesus neste momento”, diz a frase mostrada na imagem, compartilhada mais de 5,5 mil vezes no Facebook (1, 2, 3) desde o final de setembro.

Uma ilustração que continha uma foto de Manuela D’Ávila sobreposta por esta mesma frase circulou amplamente nas redes em setembro de 2018, registrando mais de 90 mil compartilhamentos. Isto se deu em meio à campanha presidencial no Brasil, na qual ela era candidata a vice-presidente da coligação “O Povo Feliz de Novo”, liderada por Fernando Haddad (PT).

Captura de tela feita em 29 de setembro de 2020 de uma publicação no Facebook

A polêmica frase sobre Jesus e o cristianismo foi, na verdade, proferida por John Lennon, integrante da banda de rock britânica The Beatles durante uma entrevista à jornalista Maureen Cleave e publicada no diário londrino Evening Standard em 4 de março de 1966.

Mas esta afirmação fazia parte de um argumento maior, cujo contexto era: “O cristianismo vai desaparecer. Não preciso argumentar isso; estou certo e isso será provado. Somos [os Beatles] mais famosos que Jesus; eu não sei o que morrerá primeiro - o rock ou o cristianismo. Jesus era legal, mas seus discípulos eram toscos e ordinários. Para mim o que estraga tudo são eles deturpando as coisas”.

Em 2010, 40 anos depois do fim dos Beatles, o L’Osservatore Romano, jornal oficial da Santa Sé, publicou uma reportagem elogiando o grupo. “Eles até chegaram a dizer que eram mais populares que Jesus. Mas, ouvindo suas músicas, tudo isso parece distante e insignificante”, indicava o artigo de Giuseppe Fiorentino e Gaetano Vallini.

Reportagem do Evening Standard na qual foi publicada a polêmica declaração de John Lennon, em 4 de março de 1966

Em outubro de 2018, a coligação de Haddad e Manuela desmentiu a postagem, afirmando que a candidata jamais falou tal frase. “Sou cristã e defendo e pratico o mais absoluto respeito com todas as religiões”, declarou naquele ano.

Já em setembro deste ano, Manuela publicou em seu Twitter um link para a sua página do Facebook desmentindo uma série de afirmações feitas sobre ela, incluindo a que teria dito ser mais popular do que Jesus.

Uma busca na Internet por palavras-chave, de fato, não mostra como resultado qualquer declaração semelhante feita pela candidata do PCdoB à Prefeitura de Porto Alegre, apenas sites que desmentiram o boato e portais que mencionam a frase de John Lennon.

No último dia 23 de setembro, uma pesquisa de intenção de voto na capital do Rio Grande do Sul publicada por veículos de comunicação colocava Manuela D’Ávila na liderança, com 10 pontos percentuais a mais do que o segundo colocado, José Fortunati (PTB).

Em resumo, é falso que a candidata do PCdoB à Prefeitura de Porto Alegre, Manuela D’Ávila, tenha dito que o cristianismo vai desaparecer e que ela é mais popular do que Jesus. Essa afirmação circula desde 2018 nas redes e já foi desmentida pela própria candidata. A declaração foi dada, na verdade, por John Lennon em entrevista concedida nos anos 1960.

Este conteúdo também foi checado pelo Estadão Verifica, Fato ou Fake e Agência Lupa.

EDIT 09/10: adiciona metadados
AFP Brasil
Eleições 2020