Vídeo de manifestação em shopping em 2018 circula como se fosse “vaia” contra Lula em 2022

Copyright © AFP 2017-2022. Todos os direitos reservados.

Segundo alegações acompanhadas de um vídeo compartilhado mais de 40 mil vezes desde, pelo menos, 22 de janeiro de 2022, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria sido vaiado em um shopping ao ir às ruas para “testar sua popularidade”. Mas isso é falso. O episódio da gravação ocorreu em 2018, em um shopping center na Bahia, durante uma manifestação que reuniu opositores e apoiadores do ex-mandatário. À época da filmagem, Lula estava preso em Curitiba por conta da Operação Lava Jato.

“O homem mais honesto do mundo foi a um shop testar sua popularidade pra provar os 49% das pesquisas e olha no que deu... Foi bom ele ter ido testar a popularidade,aí 9 dedos viu o resultado”, diz uma das publicações compartilhadas no Facebook (1, 2, 3). A filmagem também circula no Instagram (1, 2, 3) e no Twitter (1, 2, 3).

Captura de tela feita em 24 de janeiro de 2022 de uma publicação no Facebook ( . / )

Uma pesquisa no Google com os termos “lula vaiado shopping” levou à mesma filmagem, publicada no YouTube também em janeiro de 2022. Segundo a legenda da publicação, porém, o episódio teria ocorrido em 2018.

“O vídeo em questão é real, foi gravado em 2018, no Shopping Barra – em Salvador (BA) – durante um ato que pedia a soltura do ex-presidente Lula da cadeia. Durante a manifestação, grupos contra e à favor do então presidiário se enfrentaram dentro do shopping”, diz o texto que acompanha o vídeo.

Uma pesquisa nas redes sociais do Shopping Barra, em Salvador, permitiu concluir que a gravação foi de fato feita no local (1, 2). Imagens do centro comercial apresentam os mesmos elementos vistos no vídeo viralizado, como os balcões com vegetação pendente, os detalhes no piso e a forma dos elevadores, por exemplo:

Comparação feita em 24 de janeiro de 2022 entre o vídeo viralizado (E) e uma publicação no Instagram do Shopping Barra, em Salvador, Bahia ( . / )

Uma nova pesquisa no Google usando as palavras-chave “shopping barra salvador vaiado”, filtrando apenas por resultados de 1 de janeiro de 2018 a 31 de dezembro de 2018, trouxe como resultado notícias veiculadas pela imprensa em agosto daquele ano (1, 2) a respeito de um vídeo postado pelo Movimento Brasil Livre (MBL) junto à alegação de que mostraria o ex-governador da Bahia Jaques Wagner (PT) sendo vaiado.

Uma busca por vídeos no Facebook com as palavras-chave “jaques wagner vaiado” trouxe como resultado a gravação viralizada em 2022, em publicações de 2018 (1, 2), com usuários afirmando que o ex-governador, candidato ao Senado nas eleições daquele ano, teria sido repudiado ao visitar o estabelecimento comercial, o que mostra que o registro não é atual.

Em agosto de 2018, Wagner se manifestou sobre o ocorrido. Ele classificou a alegação de que teria sido vaiado como “fake news” e informou que o Tribunal Regional da Bahia (TRE-BA) havia tomado uma decisão a seu favor no caso contra o MBL. Ao Checamos, a assessoria de imprensa do ex-governador afirmou que ele não estava presente na ocasião da gravação.

A notícia a respeito de uma manifestação no Shopping Barra, em Salvador, foi compartilhada, à época, por diversos veículos locais (1, 2, 3, 4), como mostrou uma pesquisa pelos termos “manifestantes shopping barra lula” no Google.

As matérias indicam que o ato foi organizado em 11 de agosto de 2018 em prol da soltura do ex-mandatário, já que, em abril de 2018, Lula havia sido preso no âmbito da Lava Jato, uma operação de combate à corrupção que teve início em 2014. Ele foi solto em novembro de 2019, após passar cerca de um ano e meio encarcerado em Curitiba.

Procurada pelo AFP Checamos, a assessoria de imprensa do Shopping Barra disse que o vídeo “foi realmente gravado no shopping Barra, embora não seja possível precisar a data em que ocorreu. Pelas imagens do mall, calculamos que tenha sido há 4 ou 5 anos”.

A assessoria de Lula disse ao Checamos que o vídeo viral “não procede” e que “o ex-presidente não esteve em nenhum shopping nos últimos anos”.

Eleições 2022