O sniper canadense “Wali” não foi assassinado minutos depois de sua chegada à Ucrânia

Copyright © AFP 2017-2022. Todos os direitos reservados.

Publicações nas redes sociais que alegam que o atirador canadense conhecido como “Wali” foi morto pelas forças russas 20 minutos depois de chegar a Mariupol, na Ucrânia, foram compartilhadas centenas de vezes desde ao menos 15 de março de 2022. Contudo, o soldado que aparece nas imagens confirmou em entrevista e em suas redes sociais que está vivo.

“O atirador canadense Wali, apelidado de atirador mais letal do mundo, morreu. Ele foi morto pelas forças de operações especiais russas apenas 20 minutos depois de entrar em ação em Mariupol, #Ucrânia”, dizem publicações no Twitter e no Facebook.

Captura de tela feita em 4 de abril de 2022 de uma publicação no Twitter ( . / )

As publicações viralizadas incluem três imagens do suposto atirador de elite. Por meio de buscas reversas na ferramenta TinEye, as duas primeiras fotos foram encontradas em um artigo do veículo canadense La Presse, publicado em 9 de março de 2022, sobre o alistamento de “Wali” como voluntário para defender a Ucrânia da invasão russa.

Uma dessas imagens, que mostra o sniper com uma taça de vinho, data de novembro de 2015, durante sua participação em um programa de rádio canadense após seu retorno do Iraque, onde lutou contra o Estado Islâmico (EI), conforme noticiado pela mídia. A outra, em que “Wali” está em um estacionamento e carrega uma mochila, é creditada a Olivier Jean, fotógrafo do La Presse, mas a data não é mencionada.

A terceira foto, na qual ele aparece com três soldados cujos rostos estão borrados, foi encontrada pelo TinEye em uma matéria do veículo britânico The Sun, publicada em 9 de março de 2022, que também noticiava sua chegada à Ucrânia.

Onde está Wali?

Milhares de voluntários estrangeiros se juntaram como combatentes para apoiar a Ucrânia no conflito com a Rússia. Entre eles, um canadense conhecido como “Wali”, descrito como o “sniper mais letal do mundo” por vários meios. Em um vídeo publicado pela CNN em 4 de março de 2022, ele é visto cruzando a fronteira da Polônia com a Ucrânia.

De acordo com a televisão pública canadense CBC, Wali serviu no 22º Regimento Real das Forças Armadas do Canadá.

No entanto, Wali é confundido com outro canadense, um membro da força especial conhecida como Joint Task Force 2, que é creditado por ser o autor da morte de maior distância com um rifle de sniper.

Em 11 de março de 2022, Wali negou ser o “sniper mais letal” em uma publicação no Facebook.

Está vivo

Em 22 de março, durante entrevista transmitida pela CBC, Wali - cujo verdadeiro nome foi protegido por razões de segurança - negou estar na cidade ucraniana de Mariupol, como indicam as publicações. Ele acrescentou que estava lutando na capital Kiev e em seus arredores.

“Estou vivo... com certeza fui a última pessoa a saber da minha morte”, disse ele.

Nesse mesmo dia, ele publicou em sua página do Facebook uma foto em uma piscina de bolas e disse que os rumores sobre sua morte “eram completamente ridículos”.

Um jornalista da France 24 confirmou em um tuíte que o voluntário canadense estava vivo quando o entrevistou naquela data.

A página do Wali no Facebook foi criada em 2015 e inclui links para outras redes sociais e seu blog, onde ele promove livros que escreveu. A publicação fixada no topo da página, de janeiro de 2020, inclui uma das fotos viralizadas nas redes sociais em meio ao conflito na Ucrânia em 2022.

Até o momento de publicação desta checagem, Wali não respondeu ao pedido de comentário da equipe de verificação da AFP. Contudo, ele atualiza regularmente suas publicações em um blog em francês.

A AFP já verificou outras peças de desinformação sobre o conflito russo-ucraniano.

Tradução e adaptação
Conflito na Ucrânia