Seringas com vacinas da Moderna contra a covid-19 em uma campanha de vacinação em Tóquio, em 21 de junho de 2021 ( AFP / Behrouz Mehri)

Japão reportou mais notificações de miocardite em reação a vacinas anticovid, não de infarto e AVC

Copyright © AFP 2017-2022. Todos os direitos reservados.

Circula nas redes sociais o vídeo de um homem que supostamente reporta um surto de miocardite, infarto e AVC no Japão como reação adversa às vacinas contra a covid-19. Mas o conteúdo, com mais de 6.600 interações desde, ao menos, 22 de março de 2022, é enganoso. O registro pode ser encontrado desde dezembro de 2021 e mostra um apresentador de televisão falando do aumento de notificações de miocardite e pericardite em homens jovens. Não são mencionados, no entanto, acidente vascular cerebral (AVC) nem infarto.

“No Japão o Governo vai a tv e assume que está tendo surto de Miocardite, infarto e AVC”, dizem publicações no Twitter e no Facebook.

Conteúdo semelhante circulou em turco.

Captura de tela feita em 25 de março de 2022 de uma publicação no Twitter ( . / )

Anúncio do Ministério da Saúde

Em uma busca reversa por uma captura de tela do vídeo, realizada por meio da ferramenta InVid-WeVerify*, o Checamos identificou que o vídeo em questão circula, pelo menos, desde dezembro de 2021 e mostra Yuta Tomikawa, apresentador do programa Hodo Station, da TV Asahi.

A partir de uma tradução feita pela equipe da AFP na Ásia, identificou-se que o jornalista indica que o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar do Japão reconheceu os sintomas de miocardite ou pericardite como reações adversas significativas” das vacinas da Moderna e Pfizer contra a covid-19.

Ele ainda aponta que tais eventos estariam sendo relatados com uma frequência maior do que a habitual em homens jovens.

Membro da companhia aérea Japan Airlines recebe a vacina da Moderna contra a covid-19 no Aeroporto Haneda, em Tóquio, em 14 de junho de 2021 ( AFP / Kazuhiro Nogi)

Além da nova classificação dos efeitos adversos, o governo japonês anunciou em 3 de dezembro de 2021 que passaria a exigir que os médicos relatassem e coletassem dados detalhados sobre as reações de seus pacientes.

Apesar do aumento no número de notificações entre a população masculina jovem, o Japão seguiu considerando os casos como “raros”, conforme reportado pela imprensa do país.

Acidentes vasculares cerebrais (AVC) e infartos não foram mencionados, no entanto, nem no vídeo, nem nas notícias referidas sobre as orientações do país, diferentemente do que alegam as publicações viralizadas.

Ao final do vídeo compartilhado nas redes sociais, é possível ver as imagens da reunião do ministério, na qual foi tomada a decisão. De acordo com a imprensa local, a equipe técnica seguiu considerando que “as vantagens da imunização superam as desvantagens das reações colaterais”.

A AFP já verificou outras alegações enganosas sobre miocardite e vacinas contra a covid-19.

*Uma vez instalada a extensão InVid-WeVerify no navegador Chrome, clica-se com o botão direito sobre a imagem e o menu que aparece oferece a possibilidade de pesquisa da mesma em vários buscadores.

VACINAS COVID-19