Fotos de mulher ferida e prédio bombardeado são da Ucrânia em 2022, não da Rússia em 2018

Copyright © AFP 2017-2022. Todos os direitos reservados.

Usuários nas redes sociais acusam “a mídia” de mentir pelo fato de a imprensa supostamente ter usado as fotos de um prédio destruído por uma explosão de gás na Rússia em 2018 e de uma mulher vítima do incidente, afirmando se tratar do atual conflito russo-ucraniano. O conteúdo circula desde, pelo menos, 24 de fevereiro de 2022, com mais de 1.100 compartilhamentos. Mas essa acusação é falsa: as fotografias foram feitas após a invasão russa na Ucrânia em 2022.

“Nunca deixe um bom ator de crise ser desperdiçado. 4 anos atrás, a mesma senhora foi bombardeada”, dizem as publicações compartilhadas no Twitter, Facebook e Instagram. Elas incluem imagens de diversas capas de veículos de imprensa britânicos sobre o conflito russo-ucraniano, contendo a fotografia de uma mulher loira com a cabeça enfaixada e ensanguentada.

Outros usuários adicionam também publicações em inglês junto a uma captura de tela de um tuíte do jornal alemão Bild sobre uma explosão de gás em Magnitogorsk, na Rússia, em 2018, supostamente com fotos da mesma mulher.

Captura de tela feita em 7 de março de 2022 de uma publicação no Facebook ( . / )

Publicações semelhantes circulam em alemão, inglês e espanhol.

Uma pesquisa no Google por palavras-chave revelou que houve um vazamento de gás em um prédio residencial em Magnitogorsk, na Rússia, em 2018. O incidente ocorreu em 31 de dezembro daquele ano, conforme noticiado pela AFP. Mas as imagens viralizadas não retratam esse ocorrido.

Uma busca reversa no Google pela palavra-chave “Bild” levou a um artigo publicado pelo jornal alemão em 25 de fevereiro de 2022 com as mesmas fotos das publicações virais: um prédio destruído e uma mulher com o rosto ferido. A nota refere-se à invasão russa da Ucrânia, não a um vazamento de gás em 2018.

Não foram encontradas versões anteriores a 24 de fevereiro de 2022 das imagens.

O Bild cita o Twitter e a agência turca Anadolu como fontes.

A imagem do edifício pode ser vista em um vídeo publicado no Twitter em 24 de fevereiro de 2022. Já a foto da mulher, colocada em primeiro plano, foi tirada pela agência turca na mesma data, em Kharkiv, leste da Ucrânia.

Questionado pela AFP, o porta-voz do Bild, Christian Senft, respondeu em um e-mail, em 28 de fevereiro de 2022, que as fotografias viralizadas correspondiam, sim, à Ucrânia.

O jornal alemão chegou a publicar imagens tiradas do contexto durante a cobertura do conflito russo-ucraniano, como reconheceu em um tuíte, explicando que elas foram removidas para corrigir o erro.

Bombardeio em Chuguiv

Em 24 de fevereiro de 2022, um bombardeio russo atingiu um edifício residencial na cidade ucraniana de Chuguiv, perto de Kharkiv. A AFP também cobriu o incidente.

O jornalista de vídeo Kadir Demir gravou o prédio de vários ângulos depois de ter sido bombardeado durante um ataque. O vídeo mostra as consequências desse bombardeio. Demir acrescentou que o prédio fica perto de um aeroporto militar, que também foi atacado.

A mulher ferida na fotografia, vista neste vídeo da AFP em espanhol, também teve um registro feito pelo fotógrafo da agência Aris Messinis após o bombardeio de Chuguiv. Seu nome é Helena e ela é professora. Seu rosto tornou-se um símbolo da guerra na Ucrânia.

Helena, uma professora de 53 anos, do lado de fora de um hospital após o bombardeio da cidade de Chuguiv, no leste da Ucrânia, em 24 de fevereiro de 2022 ( AFP / Aris Messinis)

Desde o início do conflito russo-ucraniano em 2022, a AFP verificou diversos vídeos e fotos tirados de contexto.

Conflito ucraniano-russo