O vídeo de um exercício militar na Holanda não está relacionado com a pandemia de covid-19

Copyright © AFP 2017-2022. Todos os direitos reservados.

Uma sequência de soldados prendendo pessoas nas ruas juntamente com a alegação de que corresponde a um envio do Exército na Holanda para reprimir os protestos contra as medidas impostas em meio à pandemia de covid-19 foi compartilhada centenas de vezes nas redes sociais desde o início de dezembro de 2021. Mas isso é falso: o vídeo mostra, na verdade, um treinamento militar.

“HOLANDA: O exército está lentamente se instalando nas ruas de todas as cidades. Sua missão é acabar com todos os protestos. Pare de brincar, não se trata mais de um vírus ou de uma pandemia, mas do estabelecimento de uma ditadura em nível planetário pelos políticos de Cada país da esquerda e da direita fantoches da elite que mandam à polícia e ao exército para, mesmo sem perceber, ser usado para estabelecer um regime repressivo e ditatorial”, indica um tuíte, que inclui o vídeo.

A mesma sequência, ou partes dela, também circula com mensagens semelhantes em outras publicações no Twitter (1, 2), no Facebook (1, 2) e no Instagram (1), e em espanhol (1).

Captura de tela feita em 24 de dezembro de 2021 de uma publicação no Facebook ( . / )

No último dia 13 de novembro, a Holanda anunciou um endurecimento das restrições diante do aumento de casos de coronavírus, incluindo o fechamento de bares e restaurantes a partir das 20h, a suspensão de eventos públicos e a realização de partidas de futebol com os portões fechados, o que motivou protestos da população. Dias depois, as autoridades anunciaram um novo reforço das medidas para conter os contágios.

Desde então, mais de 150 pessoas foram detidas pela polícia em protestos contra as restrições adotadas. A Holanda tem vivido neste ano os piores momentos de caos e manifestações em décadas devido às medidas sanitárias.

Exercícios de treinamento

Uma busca reversa de uma captura de tela do vídeo obtida a partir da ferramenta InVID-WeVerify* levou a uma nota publicada em 29 de novembro de 2021, em holandês, sobre práticas militares realizadas na localidade de Weert. O texto credita a informação a um meio de comunicação chamado “Weert de Gekste” e inclui um link para o artigo publicado nesse site.

“Soldados lutam na rua durante um exercício no centro da cidade de Weert”, diz é o título da matéria em holandês, que relata como os soldados praticavam “encontrar suspeitos e prendê-los”. “Os extras não deviam se dar por vencidos facilmente. Resistiram tanto que os militares tiveram que se esforçar muito para contê-los”, continua a nota.

O texto ainda conta com um link para um vídeo publicado no YouTube - intitulado “Exercício militar no centro da cidade de Weerter” - idêntico ao compartilhado nas redes sociais vinculado aos protestos contra as restrições pela pandemia.

A nota não menciona as manifestações contra as medidas sanitárias nem a covid-19.

Uma pesquisa na conta oficial do Ministério da Defesa holandês no Twitter levou a uma sequência de postagens na qual um usuário enviou o vídeo viralizado e outro perguntou “Por que isso está acontecendo?”, questionando os responsáveis pela pasta.

“Olá, treinamos a qualquer hora, em qualquer lugar e sob as condições mais duras e tentamos expor os nossos fuzileiros na medida do possível aos cenários que podem ocorrer durante uma missão. Isso também inclui desenvolver-se em áreas urbanas com as autoridades locais”, respondeu a instituição.

A equipe de verificação da AFP na Holanda perguntou ao Ministério da Defesa do país se os soldados vistos no vídeo foram destacados para conter protestos, como alegam as publicações virais, ao que a instituição respondeu: “Esse não é o caso. Essas imagens mostram um exercício como parte do treinamento dos fuzileiros”.

O porta-voz do Ministério da Defesa acrescentou que soldados como os vistos na gravação “não foram destacados dessa forma durante a pandemia. Manter a ordem pública e a segurança é trabalho da polícia, não do Exército”, disse, embora tenha acrescentando que a polícia pode solicitar a assistência do Ministério da Defesa.

No último dia 14 de dezembro, o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, anunciou o fechamento das escolas primárias a partir de 20 de dezembro, uma semana antes do início das férias de fim de ano, diante do avanço da variante ômicron.

Em 19 de dezembro, o país iniciou um novo confinamento para fazer frente à pandemia de covid-19, com comércios não essenciais, restaurantes, bares, cinemas, museus e teatros fechados até 14 de janeiro, assim como restrições ao número de convidados que os cidadãos podem receber em suas casas durante as festas de Natal.

*Uma vez instalada a extensão InVID-WeVerify no navegador Chrome, clica-se com o botão direito sobre a imagem e o menu que aparece oferece a possibilidade de pesquisa da mesma em vários buscadores.

COVID-19