( . / )

O cantor Kim Nam-joon do grupo de K-pop BTS não fez discurso na ONU elogiando Bolsonaro

Copyright © AFP 2017-2022. Todos os direitos reservados.

“Vocês ficaram sabendo sobre esse discurso na ONU que a imprensa brasileira esquerdista esconde?”, questionam usuários nas redes desde o final de novembro de 2021, assegurando que o cantor sul-coreano Kim Nam-joon, do grupo BTS, fez um discurso perante à Organização das Nações Unidas elogiando o presidente Jair Bolsonaro. Isso é falso. Os integrantes da banda de K-pop realmente discursaram na ONU este ano, mas falando sobre como a pandemia afetou a geração de jovens, não sobre o governo brasileiro.

Segundo as publicações, compartilhadas centenas de vezes no Facebook (1, 2, 3) ao menos desde o último dia 18 de novembro, Kim Nam-joon deu a seguinte declaração na sede da organização internacional:

“Ficamos sabendo do ótimo governo que o bolsonaro vem fazendo no brasil durante esses últimos anos, é um governo incrível e soube se virar bem durante essa pandemia que abalou o mundo todo. nós admiramos a sua brava luta contra o comunismo e a imprensa de seu país que tenta manchar a imagem de um presidente honesto”.

O líder da boyband, ainda teria acrescentado: “Nós da coréia do sul e membros do BTS apoiamos totalmente bolsonaro e o seu governo no brasil, vocês estão de parabéns e merecem respeito. assim como todos os brasileiros”.

Captura de tela feita em 2 de dezembro de 2021 de uma publicação no Facebook ( . / )

Não é verdade, no entanto, que o integrante do fenômeno musical sul-coreano tenha dado tal declaração.

Discursos na ONU

As publicações viralizadas são acompanhadas por uma imagem de Kim Nam-joon, cujo nome artístico é RM, no púlpito da sede da ONU, em Nova York. Uma busca reversa no Google pela foto mostra que o registro foi feito no último dia 20 de setembro, na véspera da abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas de 2021.

Neste dia, Kim Nam-joon e os outros seis integrantes do BTS discursaram como enviados especiais do governo sul-coreano em um evento que promoveu os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

A fala dos cantores pode ser assistida na íntegra no canal oficial da ONU no YouTube. Em nenhum momento do discurso Kim Nam-joon, ou qualquer outro integrante da banda, menciona o Brasil ou o presidente Jair Bolsonaro.

Na verdade, os artistas falaram sobre como a pandemia afetou a geração de jovens que perdeu oportunidades devido às medidas restritivas de combate à covid-19.

Os cantores também usaram o discurso para assegurar que todos os integrantes da banda haviam se vacinado contra o novo coronavírus: “Alguns de vocês ouviram a notícia de que estávamos indo para a ONU e muitos de vocês se perguntaram se fomos vacinados. E sim, todos os sete de nós, é claro, recebemos a vacina contra a covid-19”, disse o sul-coreano Jung Hoseok, conhecido como J-Hope.

Kim Nam-joon e os demais integrantes do BTS já participaram de outras duas edições do mesmo evento. De maneira semelhante, em nenhuma das ocasiões os cantores mencionaram o presidente brasileiro.

Em 2020, os cantores sul-coreanos enviaram uma mensagem gravada para a versão virtual da Assembleia Geral da ONU, estimulando o público a reimaginar o mundo após a pandemia.

A banda também discursou na sede das Nações Unidas em setembro de 2018, antes mesmo de Bolsonaro ser eleito para o Palácio do Planalto. Na ocasião, os artistas apoiaram o lançamento do programa Generation Unlimited, criado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) para melhorar o acesso à educação e ao emprego em todo o mundo.

Sem outros pronunciamentos

Uma busca por trechos da fala compartilhada nas redes - em português e em inglês - tampouco localiza qualquer outro registro de que Kim Nam-joon tenha se pronunciado a favor do presidente Jair Bolsonaro.

A equipe de checagem da AFP não conseguiu localizar nenhuma conta oficial do cantor em redes sociais. Nas contas do BTS no Facebook, Twitter e Instagram, no entanto, não foi localizada nenhuma publicação sobre o governo brasileiro ou sobre sua gestão da pandemia.

Esse mesmo conteúdo também foi verificado pelos sites Agência Lupa, Aos Fatos e Fato ou Fake.

COVID-19