O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante a 74ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em Brasília, em 28 de junho de 2022. ( AFP / EVARISTO SA)

Vídeo com compilado de declarações de Lula tira trechos de contexto

Copyright © AFP 2017-2022. Todos os direitos reservados.

Um vídeo com quatro trechos de falas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi visualizado mais de 27 mil vezes em redes sociais desde 30 de maio de 2021. Na sequência, o político faz declarações sobre a suposta “negação da política” por parte do Partido dos Trabalhadores (PT), critica o discurso contra a realização das Olimpíadas em 2016 e “celebra” a criação do coronavírus. Porém, a gravação compila falas tiradas de contexto.

“Se você tem medo do BOLSONARO, veja isso!”, diz o texto que introduz o vídeo compartilhado no Kwai (1, 2), YouTube, TikTok (1, 2) e Facebook. O conteúdo também foi enviado ao WhatsApp do AFP Checamos.

Capturas de tela feitas em 16 de agosto de 2022 de uma publicação no Facebook

Verificamos, abaixo, as principais declarações atribuídas a Lula no vídeo viralizado.

Negação da política

Os primeiros minutos do vídeo compartilhado nas redes mostram o atual candidato à Presidência discursando no evento de lançamento de uma campanha de filiação ao PT em setembro de 2017.

No primeiro trecho, ele parece dizer: “Precisa convencer as pessoas a negação da política. Fascismo, nazismo, qualquer outra coisa, menos a democracia. Por isso que é importante as pessoas participarem do PT”.

No entanto, ao consultar o vídeo original, é possível perceber que diferentes trechos da fala de Lula foram reorganizados para mudar o sentido de suas declarações. Nesse momento, o ex-presidente tinha dito, na verdade (a partir de 21:55): “O PT tem que ser um partido que enfrenta essa discussão contra a negação da política. Afora da política nós teremos fascismo, nazismo, qualquer outra coisa, menos democracia".

Na sequência, o vídeo viral mostra outra suposta declaração do candidato: “O problema não é falta de janta”.

A fala foi, no entanto, cortada para omitir o sentido original. A partir do minuto 33:30, Lula começa a declaração, deixando claro que estava se referindo a encontros com representantes de outros grupos ideológicos.

“Então, tem gente no nosso meio que ainda acredita, ‘não, o que precisa é conversar. Ô, gente, não vamos ser sectários [...] Lula, para de ser sectário, vai jantar com João Roberto Marinho, vai jantar com o doutor Fria, vai jantar com o doutor Mesquita’, sabe? Não dá. O problema não é falta de janta. O problema é ideológico".

Jogos Olímpicos

Em seguida, o vídeo mostra Lula criticando o discurso contrário à realização dos Jogos Olímpicos no país em 2016: “Agora tem gente que acha que não pode fazer Olimpíada porque não tem hospital. Sabe, olha, sinceramente, eu acho isso um retrocesso”.

Uma busca por palavras-chave mostra que Lula, de fato, deu essa declaração em 2013, em uma entrevista à TVT, afirmando que as pessoas poderiam aproveitar a realização dos jogos “para fazer disso um motivo de orgulho para o país”.

Coronavírus

Na sequência, Lula aparece dizendo: “Ainda bem que a natureza, contra a vontade da humanidade, criou esse monstro chamado coronavírus”.

Uma pesquisa pela declaração mostra que a fala foi retirada de uma entrevista ao jornalista Mino Carta, da revista Carta Capital, em maio de 2020. Na versão original, no entanto, a frase é mais longa: “Ainda bem que a natureza, contra a vontade da humanidade, criou esse monstro chamado coronavírus, porque esse monstro está permitindo que os cegos comecem a enxergar que apenas o Estado é capaz de dar solução a determinadas crises”.

No mesmo dia da entrevista, Lula admitiu ter se colocado mal e publicou um vídeo no Facebook pedindo desculpas por, em suas palavras, ter utilizado “uma frase totalmente infeliz”.

“Tentei usar uma palavra para explicar que depois de tão menosprezado no Brasil, o SUS [Sistema Único de Saúde], desde a sua criação em 1988, é, no auge da crise, que a gente começa a descobrir a importância de uma instituição pública que cuida da saúde”, afirmou.

“Enganar o povo”

Por fim, é incluído um trecho de Lula dizendo: “Eu não vou enganar o povo mais uma vez”.

A frase foi, no entanto, tirada de contexto. Na declaração original, retirada de uma entrevista concedida ao jornal El País, em 7 de outubro de 2020, o ex-presidente abordava a criação de uma frente ampla no país contra o presidente Jair Bolsonaro, e que, para ele, o termo havia ganhado uma conotação de solução “mágica”.

Na ocasião, Lula afirmou: “Mas fazer um arranjo por cima, apenas para mudar a nomenclatura, sem dizer o que vai acontecer com o povo pobre…eu já tenho idade demais, eu já vivi demais, eu já tenho experiência demais. E eu não vou enganar o povo mais uma vez. Eu não vou enganar o povo. Só tem sentido fazer uma frente ampla se for para devolver ao povo trabalhador deste país os direitos que tiraram dele”.

O AFP Checamos já verificou (1, 2, 3) conteúdos semelhantes, separadamente, em anos anteriores.

Eleições 2022 COVID-19