Não, as frutas não transmitem o vírus do HIV

Copyright © AFP 2017-2020. Todos os direitos reservados.

Um boato que circula na Internet há anos difunde, em diferentes versões, uma mesma mentira: que pessoas que comem frutas com sangue contaminado são contagiadas com o vírus do HIV. A desinformação, que somente em português foi compartilhada mais de 200 mil vezes em diferentes versões ao menos desde 2014, ressurgiu em uma publicação no final de abril deste ano. Entretanto, a doença não pode ser transmitida por essa via.

“Bananas infectadas com AIDS foram encontradas no Brasil! Até que ponto chega a crueldade do ser humano, bananas distribuídas em todos o Brasil e já foram encontradas em alguns estados”, diz uma das publicações, compartilhada mais de 100 vezes desde 11 de janeiro de 2016. “Se você perceber que a fruta contém uma cor vermelha anormal, não coma. Muitas frutas estão sendo injetadas [com] sangue contendo o vírus HIV”, diz outra publicação do mesmo ano.

A versão também circulou em espanhol, inglês e francês.

“Quem faz isso não deve ser chamado de ser humano”, “Que horror”, afirmam alguns usuários que acreditam na afirmação. Entretanto, outros a questionam: “A informação não tem qualquer fundamentação biológica! Isso porque o HIV é altamente sensível ao meio externo”

Captura de tela feita em 17 de maio de 2019 mostra uma das publicações falsas no Facebook

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPS) descartou a possibilidade de que esses casos ocorram. “A informação sobre frutas que transmitem HIV é falsa. O vírus do HIV morre rapidamente fora do corpo [humano]. Não é possível se infectar por contatos cotidianos como beijos, abraços, nem por compartilhar objetos pessoais, água ou alimentos”, afirmou à equipe de checagem da AFP uma porta-voz da organização.

Além disso, relembrou que o HIV só pode ser transmitido das seguintes maneiras:

Por outro lado, técnicos do Comitê Estatal de Saúde Vegetal da Cidade do México disseram a AFP que a coloração poderia ser resultado de um fungo pouco comum nos frutos, chamado fusarium. “Às vezes entra [no fruto] por uma ferida física, transmitido por um inseto, já que às vezes são vetores”, acrescentaram os especialistas após analisarem as imagens da suposta fruta contaminada.

A Agência de Inspeção Alimentar canadense também explicou em seu site que há uma variedade de doenças que podem fazer com que o interior, neste caso das bananas, adquira uma coloração vermelha.

O boato da banana não é novo. Em novembro de 2015, o jornal The Washington Post desmentiu a publicação viral de uma mulher norte-americana que garantia que alguém estava injetando sangue com HIV nas bananas do Nebraska e que, inclusive, havia exames de hospital que comprovavam tal afirmação.

Em 2016, outra versão ganhou força. Um usuário garantiu que as bananas vendidas em uma loja do Walmart no estado norte-americano de Oklahoma haviam testado positivas para HIV. O texto afirma que uma criança faleceu após comer uma das bananas infectadas e que outros oito foram diagnosticados com o vírus. A história foi desmentida por sites norte-americanos de verificação (1, 2 e 3) e por outros especializados em HIV.

O boato do abacaxi

Uma história parecida afirma que um menino foi diagnosticado com Aids 15 dias após comer um abacaxi na rua.

Acharam o vendedor do abacaxi e ele tinha uma corte em seu dedo, e que havia cortado enquanto cortava o mesmo abacaxi que serviu ao garoto (...) Quando lhe pediram um exame de sangue, o sujeito tinha Aids, e nem sabia disso”, diz o texto da publicação que circula no Facebook desde 23 de abril deste ano, compartilhada mais de 300 vezes. 

Captura de tela feita em 17 de maio de 2019 mostra uma das publicações falsas no Facebook

Entretanto, pelas mesmas razões que o vírus não pode ser transmitido por bananas, tampouco esse menino pode ter se contaminado com HIV por ter comido um abacaxi.

Em novembro de 2015, o site de verificação norte-americano Snopes se referiu a esse rumor.

O conto das laranjas

O rumor também circula nas redes sociais desde o final de 2014 com versões sobre laranjas infectadas com HIV em português, espanhol (1, 2), inglês (1, 2, 3, 4), francês (1) e árabe.

“Emergência!!! Foi recuperada uma grande quantidade de laranjas que vinham da Líbia, estas Laranjas estão injetadas [com] sangue contaminado por HIV SIDA, por favor compartilhe essa mensagem”, diz uma das publicações em português sobre o rumor, compartilhada mais de 218 mil vezes.

Os especialistas em saúde vegetal consultados pela AFP especificaram que, no caso das laranjas, além de bactérias ou fungos, a coloração poderia indicar que se tratam de laranjas sanguíneas, uma variação da fruta cuja cor avermelhada se deve à presença de um pigmento bastante comum em algumas flores. 

Captura de tela feita em 17 de maio de 2019 mostra uma das publicações falsas no Facebook

Em resumo, segundo os especialistas consultados, é falso que o vírus do HIV possa ser transmitido através de frutas supostamente injetadas com sangue infectado, já que o vírus não sobrevive fora do corpo humano. Por sua vez, a coloração avermelhada que pode aparecer em diversas frutas pode ser causada por bactérias ou fungos durante o processo de cultivo.

AFP Brasil