Não, este vídeo não mostra um parlamentar europeu rindo de um pedido de homenagem a Lula

Um vídeo que supostamente mostra a um parlamentar rindo de um pedido da senadora Gleisi Hoffmann, do Partido dos Trabalhadores (PT), para homenagear ao ex presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Parlamento Europeu, em Bruxelas, foi assistido dezenas de milhares de vezes desde a última semana. A informação é falsa, e o vídeo está fora de contexto.

A descrição de uma das publicações que disseminaram a informação no Facebook é: “A Gleise Hoffman (sic) fez um pedido ao parlamento Europeu, que homenageasse Lula… Olha a resposta…”.  Nas imagens, um homem, ao fazer um discurso no que parece uma casa legislativa, lê um texto em alemão e dá gargalhadas. Muitos usuários acreditaram na versão e um deles comentou: “Essa Gleisi não tem vergonha na cara, podia dormir sem essa”.

No entanto, trata-se de uma intervenção do então ministro de Finanças da Suiça, Hans-Rudolf Merz, no Parlamento helvético, no dia 20 de setembro de 2010. Merz, que se retirou do cargo dias depois, por motivos de saúde, também foi o presidente suíço em 2009.

A legenda agregada em português ao vídeo foi inventada e não guarda nenhuma relação com a fala original. O nome de Lula, ou do PT, nunca é mencionado. Naquele dia, uma de suas últimas aparições públicas, Merz respondeu a uma solicitação de informação sobre taxamentos às importações de carne apimentada na Suíça e riu da linguagem confusa e repetitiva em que o texto que lia havia sido escrito.

Captura de uma versão do vídeo com legendas falsas

“Os bens não são indexados no capítulo 2, principalmente os produtos apimentados, mas somente se o aspecto material destas mercadorias previstas no capítulo não muda. Entre parênteses, a carne defumada apimentada. Por exemplo a carne defumada apimentada”, foi o trecho que arrancou risadas do ministro.

Em 2014, a mesma gravação já tinha sido apresentada fora de contexto. Naquele ano, as legendas colocadas no vídeo alegavam que políticos europeus ridicularizavam a administração de Lula e, em outro caso, a organização da Copa do Mundo no Brasil durante o governo de Dilma Rousseff (2011-2016), também do PT.

Durante o período eleitoral de outubro de 2018 no país, a equipe de checagem da AFP desmentiu a informação de que a União Europeia pediu às Nações Unidas (ONU) retaliação ao Brasil devido à prisão de Lula em abril deste ano, condenado a 12 anos e um mês de encarceramento como beneficiário de um tríplex oferecido pela construtora OAS em troca de contratos na Petrobras.

AFP Brasil