O CEO da Pfizer disse que esperaria sua vez e tomou a segunda dose da vacina em março de 2021

Copyright © AFP 2017-2022. Todos os direitos reservados.

Publicações compartilhadas centenas de vezes em redes sociais desde julho de 2021, e que voltaram a circular em dezembro do mesmo ano, asseguram que Albert Bourla, diretor executivo da farmacêutica Pfizer, “não tomou a própria vacina” contra a covid-19. A alegação se baseia, no entanto, em uma entrevista concedida em dezembro de 2020, quando Bourla explicou que aguardaria a vez de sua faixa etária para ser imunizado. O executivo assegurou ter recebido a segunda dose da vacina contra a doença em 10 de março de 2021.

“Por que gagueja o CEO da Pfizer, para explicar que não se vacinou ainda?!!”, diz a legenda de uma das publicações compartilhadas no Twitter (1, 2, 3), acompanhada de um vídeo que mostra o CEO da Pfizer, Albert Bourla, falando sobre sua vacinação.

Conteúdo similar circulou no Facebook (1, 2) e no Instagram.

Captura de tela feita em 27 de dezembro de 2021 de uma publicação no Twitter ( . / )

Outras versões da publicação foram compartilhadas em julho de 2021 em formato de artigo, que tinha como título “Presidente da Pfizer não tomou a própria vacina; ‘tenho boa saúde’”. Uma busca no Google pela chamada da matéria mostra que o texto foi publicado pelo site Brasil Sem Medo, mas que não estava mais disponível. A equipe de checagem da AFP localizou, contudo, a versão salva em cache pelo Google.

Vídeo antigo

Na gravação de 29 segundos compartilhada nas redes, uma apresentadora pergunta a Bourla quando ele vai se vacinar, ao que o executivo responde, em inglês: “Assim que puder, eu irei”.

Bourla desenvolve a resposta, assegurando: “A única sensibilidade aqui é que eu não quero dar o exemplo de que estou furando a fila. Eu tenho 59 anos, com boa saúde. Eu não estou trabalhando na linha de frente. Então, para o meu perfil, não é recomendado”.

A fala do executivo não é, contudo, atual. Uma busca no Google mostra que o trecho viralizado faz parte de uma entrevista concedida ao canal norte-americano CNBC e publicada no YouTube em 14 de dezembro de 2020.

Na entrevista completa, na qual foi perguntando sobre as dúvidas que o público poderia ter sobre o imunizante, Bourla explicou que, segundo uma pesquisa realizada pela Pfizer, mais pessoas aceitariam a vacina se vissem que o diretor executivo e a equipe da empresa também a haviam recebido.

“Com isso em mente, estou tentando encontrar uma maneira de ser vacinado mesmo que não seja meu momento, apenas para demonstrar a confiança da empresa. [...] Mas, nenhum dos executivos ou membros do conselho irão furar a fila, eles tomarão quando for o momento de acordo com sua idade e ocupação”, disse.

As declarações de Bourla também foram tiradas de contexto em publicações em inglês e espanhol.

Em outra entrevista ao canal de televisão CNN, também publicada em 14 de dezembro de 2020, apenas três dias após as autoridades norte-americanas aprovarem o uso de emergência da vacina da Pfizer, Bourla reiterou que ainda não havia se vacinado e que estava seguindo as recomendações dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC), que priorizavam determinados grupos de risco.

Segundo os CDC, as vacinas contra o SARS-CoV-2 deveriam ser administradas primeiro aos profissionais de saúde e aos moradores de centros de cuidado de longo prazo, depois aos trabalhadores essenciais da linha de frente -, como bombeiros ou policiais, - e a pessoas com 75 anos ou mais.

Em 19 de novembro, os Estados Unidos estenderam a autorização dos reforços da vacina contra a covid-19 para todas as pessoas com mais de 18 anos de idade.

Em 10 de março de 2021, Bourla tuitou uma foto em que era vacinado. “Animado por receber minha 2ª dose da vacina Pfizer/BioNTech. Não há nada que eu queira mais do que que meus entes queridos e as pessoas ao redor do mundo tenham a mesma oportunidade. Embora a jornada esteja longe de terminar, estamos trabalhando incansavelmente para derrotar o vírus”, diz o tuíte, em inglês.

Durante a primeira semana de março de 2021, alguns meios de comunicação (1, 2) reportaram que o executivo já havia recebido a primeira dose. A equipe de checagem da AFP não encontrou nenhum registro do momento em que ela foi administrada.

27 de dezembro de 2021 Atualiza com a informação de novos compartilhamentos em dezembro de 2021
COVID-19 VACINAS