A história por trás da foto da mãe entregadora em Buenos Aires

A foto de uma mulher carregando o seu bebê junto com uma bicicleta, vestida com o uniforme de uma empresa de entregas, circula em português e espanhol nas redes sociais desde 5 de outubro de 2019. As publicações, que foram compartilhadas milhares de vezes, asseguram que a imagem reflete a situação econômica e a precarização do trabalho na Argentina. A mulher, uma venezuelana que vive em Buenos Aires, explicou à AFP que a fotografia foi tirada antes de deixar a sua filha na creche para poder ir trabalhar - sem a menina.

A imagem foi compartilhada nas redes sociais, inclusive por políticos (1), que asseguram que a foto mostra “a sobrevivência sendo romantizada e chamada de empreendedorismo. A precarização do trabalho e a falência do modelo econômico neoliberal. Argentina, 2019”. Outros falavam diretamente do governo do presidente argentino, Mauricio Macri: “A imagem é a mais perfeita tradução da política econômica do presidente argentino Mauricio Macri, que deve perder as próximas eleições no primeiro turno”.

Captura de tela feita em 8 de outubro de 2019 de uma das postagens compartilhadas

Em espanhol, a fotografia se espalhou (1) na Argentina com descrições como: “Uma mãe trabalhadora carrega a sua filha enquanto realiza entregas para o Pedidos Já”. Alguns também questionaram se a mulher deu a sua autorização para ser fotografada. Outros, por sua vez, celebraram a sua vontade de trabalhar: “Quando você quer, você pode! Aplausos para elas e tomara que tenha algum trabalho melhor e que possa ficar com seu bebê” [sic].

Uma das postagens, em espanhol, especificava que a foto havia sido tirada por Juan Quiles. Fazendo uma busca no Google foi possível comprovar que se trata de um fotógrafo profissional que publicou-a originalmente em 3 de outubro na conta do Instagram do 3Estudio fotografía e em sua própria conta do Facebook.

Contatado, Quiles explicou: “Ontem [em 3 de outubro de 2019] saí para fazer umas fotos com Benito Cerati. Fui buscar a minha caminhonete na rua Sáenz Peña e ao chegar na esquina da Belgrano, em frente ao Departamento Central de Polícia, quando estava atravessando a rua, vi esta cena e fiz a foto quase instintivamente”.

Quiles detalhou que após tirar a foto da mulher deixou o local. “Quero que fique claro que nunca a vi andar na bicicleta com o bebê. Se eu tivesse visto, teria feito essa foto, com certeza. Eu sou contra a ‘uberização’ do trabalho e do paradigma do empreendedorismo como saída individual [à crise]. Acho que a foto revela o que eu penso sobre esse tema e assumo isso”, assinalou em conversa por telefone. Sobre a viralização da imagem, refletiu: “Não achei que isso fosse acontecer”.

A mãe da foto

Para tentar descobrir a identidade da mulher da foto, a equipe de verificação da AFP entrou em contato com Jesús Morgado, que em julho passado ficou conhecido em Argentina como o “idoso entregador do Pedidos Já” quando a sua fotografia viralizou. Morgado disse que conhece a protagonista desta nova foto viral e detalhou: “Ela trabalha pelo bairro de Palermo, mas sem a bebê”.

Outro entregador do Pedidos Já consultado colocou a equipe em contato com a mulher, que preferiu manter o anonimato. Trata-se de uma cidadã venezuelana de 30 anos que chegou em 2018 ao país, onde há nove meses teve o seu bebê.

Em uma conversa por telefone, deu detalhes do contexto em que a foto foi tirada: “Eu não trabalho com a minha filha. Me aproximei da Avenida Belgrano para ativar o meu usuário do aplicativo [do Pedidos Já]. Eu ativo, levo a minha filha à creche e de lá saio para trabalhar. Naquele momento, um senhor tirou a foto. Me pegou desprevenida, não sabia que estava me fotografando. Eu levo a minha bicicleta na mão e a minha filha comigo, mas não subo na bicicleta em nenhum momento”.

A jovem mãe detalhou que dois primos que vivem na Argentina ajudam-na com os gastos, mas que o que ganha como entregadora, atividade que começou a realizar há dois meses, é para cobrir as necessidades de sua filha.

Por WhatsApp, a mulher enviou a foto a seguir e explicou: “É assim que saio para trabalhar, sozinha, sem a bebê”.

Foto enviada pelo WhatsApp em 4 de outubro de 2019 pela protagonista da foto viralizada

A jovem venezuelana se mostrou surpresa com a viralização da fotografia. “Ao meio-dia começaram a enviar no grupo [do WhatsApp] dos meus colegas do Pedidos Já. Alguns faziam comentários para o bem, outros para o mal, diziam que alguém poderia chegar a processar a empresa. Fico com medo de que isso possa me prejudicar em algo. Isto [o trabalho] é o pouco que posso pegar para manter a minha bebê”.

A conselheira de transporte de crianças Noeli Schulz, codiretora da organização Crianza en Brazos, assinalou que o tipo de mochila na qual a mulher está carregando a bebê é conhecida como “canguru”, onde a criança fica com as pernas penduradas.

Segundo explicou, levar um bebê desta forma em uma bicicleta “é uma prática desaconselhável” e que “tem grandes riscos, ainda mais em uma cidade como Buenos Aires”. “Uma das coisas que ensinamos é não fazer nada com o bebê pendurado que não faria com o bebê nos braços”, apontou.

Em resumo, a mulher cuja imagem viralizou é uma cidadã venezuelana que entrega pedidos para um aplicativo pelas ruas de Buenos Aires. A jovem explicou que não trabalha com a sua filha na bicicleta, mas que no momento da foto estava deixando-a na creche antes de começar a trabalhar. O fotógrafo que registrou a cena, além disso, confirmou que em nenhum momento a viu montada no meio de transporte com a bebê.

Nadia Nasanovsky
AFP Brasil