Este bebê foi notícia em 2011 por ser o habitante número 7 bilhões do planeta

Copyright © AFP 2017-2020. Todos os direitos reservados.

“Um menino que nasceu com uma mensagem de Deus. Na gravação de áudio que não posso enviar, diz que essa criança nasceu com as duas mãos juntas quando o médico conseguiu remover as mãos e começou a falar”, contam as publicações compartilhadas mais de 73,2 mil vezes nas redes sociais desde o último dia 25 de julho, acompanhadas da foto de um bebê. A história real da imagem, no entanto, é de uma menina que nasceu em 2011 e se tornou a habitante número 7 bilhões da Terra.

“Ele disse que Jesus voltaria em breve e começou a dar sinais da vinda de Cristo, que virá para levar aqueles que creram [...] Então o garoto morreu”, continua o texto das postagens (1, 2, 3, 4) viralizadas, juntamente com uma combinação de imagens da fotografia de um recém-nascido na parte superior e da escultura de Jesus crucificado.

Na foto do bebê são ressaltadas supostas marcas, ou feridas, nas palmas das mãos e na testa, em referência aos pregos e à coroa de espinhos que Jesus usava na cruz.

Captura de tela feita em 19 de agosto de 2020 de uma publicação no Facebook

Este texto e esta imagem também circularam amplamente em espanhol (1), com mais de 270 mil compartilhamentos no Facebook.

Sétimo bilionésimo terráqueo

Uma busca reversa pela fotografia do bebê no Google levou a duas matérias publicadas em veículos de comunicação em 31 de outubro de 2011.

Nos textos lê-se que se trata de uma menina chamada Danica May Camacho, nascida em Manila, nas Filipinas. De acordo com uma das reportagens, a ONU reconheceu este bebê como a habitante número 7 bilhões do planeta.

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) para Ásia e Pacífico lhe deu as boas-vindas juntamente com outro recém-nascido em Bangladesh.

“Segundo as estimativas das Nações Unidas, a população mundial atual superou a marca dos 7 bilhões [...] Os números humanos não podem ser determinados com precisão e, por isso, estes nascimentos são símbolos das tendências de população”, assinalou o escritório da ONU.

Danica Camacho é mimada por sua mãe em Manila, em 31 de outubro de 2011

Danica nasceu dois minutos antes da meia-noite na capital filipina. Seus pais, Florante Camacho e Camille Dalura, foram parabenizados por representantes das Nações Unidas, que levaram um bolo.

Diferenças na fotografia

Nas matérias publicadas em 2011, o crédito da imagem é dado à agência de notícias Reuters. Uma busca pelo nome do bebê em seu banco de fotografias levou à imagem original, registrada por Erik de Castro.

“Parteiras seguram a menina recém-nascida chamada Danica Camacho, o simbólico ‘bebê sete bilhões’, nas Filipinas”, diz a descrição da foto.

No registro da Reuters não aparecem as marcas, ou feridas, nas palmas das mãos nem na testa da menina.

Comparação feita em 19 de agosto de 2020 entre uma captura de tela da publicação viral (esquerda) e a fotografia da agência Reuters

A AFP também publicou fotografias deste episódio, uma delas do momento do nascimento, feitas também por Erik de Castro, e em nenhuma é possível ver as alterações na pele do bebê.

Em resumo, a publicação viralizada no Facebook que afirma que um menino nasceu com as mãos juntas, enviou uma “mensagem de Deus” e depois morreu, é falsa. Na realidade, a fotografia que acompanha o texto é de uma menina que nasceu em 2011 e se tornou, segundo a ONU, a habitante número 7 bilhões do planeta.

AFP Colombia
Tradução e adaptação
AFP Brasil