Esta imagem não mostra a execução do poeta Federico García Lorca: é uma cena de um clipe musical

Copyright © AFP 2017-2020. Todos os direitos reservados.

Publicações compartilhadas dezenas de milhares de vezes nas redes sociais ao menos desde 2015 mostram uma suposta imagem dos últimos momentos do poeta e dramaturgo Federico García Lorca antes da sua execução durante a Guerra Civil Espanhola em 1936. No entanto, isto é falso. A imagem viralizada em vários idiomas foi tirada, na verdade, do videoclipe de uma banda espanhola. Além disso, não há registro fotográfico do assassinato do escritor.

“Uma das cenas que mais me causam arrepios profundos na alma: Em agosto de 1936, Federico Garcia Lorca declamando seu último poema frente ao pelotão de seu fuzilamento! - Isto é ditadura... e tem gente que defende!!!”, diz o texto que acompanha a imagem, compartilhada mais de 167 mil vezes no Facebook (1, 2, 3, 4) desde agosto de 2015 e que continua circulando até hoje.

Uma das postagens, contudo, faz uma ressalva em seu texto: “não posso comprovar [a] sua autenticidade, pois a própria morte de Lorca gera controvérsias até hoje”. Apesar disso, ela alcançou mais de 20 mil compartilhamentos.

A imagem circulou também no Instagram (1, 2) e no Twitter (1, 2).

Na fotografia pode-se ver o suposto García Lorca com o punho em riste, de costas para uma parede, diante de dois soldados que apontam armas em sua direção.

Captura de tela feita em 30 de julho de 2020 de uma publicação no Facebook

A foto com esta afirmações viralizou não apenas em português, sendo amplamente compartilhada nas redes sociais em francês, espanhol, italiano, árabe e inglês.

Elementos de dúvida

Vários elementos destas publicações, entretanto, levantam dúvidas.

Efetivamente, parece impressionante que exista uma cena da execução do poeta, enquanto historiadores ainda carecem de informações sobre a sua detenção e morte.

Além disso, o poeta espanhol morreu relativamente jovem, aos 38 anos, enquanto o homem visto na fotografia viralizada, aparentemente com cabelos brancos, parece ser consideravelmente mais velho.

Finalmente, comparando a imagem em questão com fotografias conhecidas e autenticadas de Lorca, fica claro que não se trata da mesma pessoa.

Captura de tela da foto do poeta em 1932 mantida pela Fundação Federico García Lorca

Contactado pela AFP, o jornalista espanhol Víctor Fernández, especialista em García Lorca, confirmou que a imagem largamente compartilhada nas redes sociais não mostra o escritor espanhol.

“Esta imagem é uma fraude. Além disso, não existe uma foto de García Lorca antes da sua execução”, declarou Fernández.

Como se tratava de uma execução extrajudicial, os responsáveis pela sua morte não tinham interesse em manter um registro fotográfico do seu assassinato, explicou.

Segundo várias fontes, García Lorca estava acompanhado por três outras pessoas no momento da sua execução: um professor, Dióscoro Galindo González, e dois anarquistas, Francisco Galadí Melgar e Joaquín Arcolla Cabezas.

Um videoclipe de protesto

Uma busca reversa pela imagem a fim de encontrar a sua origem, no entanto, não levou a nenhum resultado conclusivo. Na verdade, apareciam somente publicações na Internet que afirmavam igualmente se tratar de Federico García Lorca.

Ao pesquisar posteriormente pela foto com as palavras-chave “falso + foto + morte + García Lorca” foi possível encontrar dois artigos publicados em diferentes blogs e idiomas que mencionam a origem do boato.

A imagem foi retirada do videoclipe da música “Lágrimas de rabia” (Lágrimas de raiva, em tradução livre) da banda punk espanhola Boikot, que se refere particularmente aos poetas que morreram pela liberdade. É possível ver a cena viralizada nas redes sociais aos 2 minutos e 14 segundos do vídeo, publicado no YouTube em abril de 2012.

Captura de tela feita em 30 de julho de 2020 do videoclipe do grupo Boikot no YouTube

Federico García Lorca é um dos mais importantes poetas da língua espanhola do século XX. Com orientação política de esquerda e pró-República, ele foi fuzilado por tropas franquistas perto de sua cidade natal, Granada, em agosto de 1936, nos primeiros dias da Guerra Civil. Seu corpo, jogado em uma vala comum, nunca foi encontrado.

No livro “The Spanish Holocaust”, o historiador britânico Paul Preston estima em 200 mil o número de assassinatos e execuções ocorridos durante a guerra na Espanha, incluindo 150 mil vítimas das tropas franquistas.

Em resumo, é falso que a fotografia mostre o poeta espanhol Federico García Lorca declamando o seu último poema antes de ser morto. A imagem foi retirada de um clipe da banda espanhola Boikot, publicado no YouTube em 2012. Além disso, pouco se sabe sobre a morte do escritor e os seus restos mortais nunca foram encontrados.

Tradução e adaptação
AFP Brasil