Mapas viralizados são de veículos diferentes e não provam “golpe” do aquecimento global

Copyright © AFP 2017-2022. Todos os direitos reservados.

Dois mapas meteorológicos com temperaturas similares, um na cor verde e atribuído a 1986 e outro, em laranja e associado a 2022 foram compartilhados milhares de vezes nas redes sociais desde o último mês de maio, em publicações que alegam revelar a “mentira” do aquecimento global. No entanto, essa afirmação é falsa: a comparação foi feita com imagens de meios de comunicação diferentes, que usam códigos de cor distintos, e são de 2016 e 2021 respectivamente. Por sua vez, o aquecimento global já está confirmado pelo consenso científico, enquanto o verão de 2021 foi o mais quente da história europeia.

“Em 1986, isso era considerado um verão normal. Hoje, eles colorem o mapa de vermelho e chamam de calor extremo”, diz o texto que acompanha a peça gráfica em publicações no Facebook (1, 2) e no Twitter (1, 2).

Captura de tela feita em 7 de junho de 2022 de uma publicação no Twitter ( . / )

A AFP identificou que o conteúdo foi publicado originalmente em sueco somando mais de 20 mil compartilhamentos. Os mapas também circulam com alegação semelhante em francês, espanhol e inglês.

O mapa que aparece à esquerda, totalmente verde, mostra temperaturas em sua maioria superiores a 22 graus, e foi feito, segundo a captura, em 1986. O segundo, de cor laranja, mostra temperaturas similares, por volta dos 20 graus, e consta como sendo de 2022.

Uma busca reversa pela imagem no Google revelou que o mapa da esquerda foi publicado pela cadeia sueca SVT (Sveriges Television), mas em 2016 e não em 1986 como asseguram as publicações virais. O gráfico original tem tamanho maior e retrata a península escandinava, onde estão situados Suécia, Noruega e Finlândia.

Comparação feita em 7 de junho de 2022 entre uma das publicações virais (I) e uma captura de tela do site da SVT ( . / Yara AMORIM)

Os mapas para 8 de junho de 2022 do canal de televisão também são da cor verde, e não laranja, como o segundo mapa compartilhado nas redes sociais. O mesmo ocorre com o arquivo de busca de informes meteorológicos do site, disponíveis para determinados dias de 2021 e 2022 até maio.

Além disso, todos os mapas meteorológicos da SVT mostram figuras com sol e nuvens, que não aparecem no mapa à direita das publicações virais.

Uma busca reversa na ferramenta russa Yandex pelo segundo mapa revela que, em agosto de 2021, um usuário compartilhou uma versão ampliada deste mesmo mapa no Twitter. Nessa versão observa-se uma logo com o número “4” no canto superior à direita, a palavra “Fredag” (sexta-feira, em sueco) à esquerda e a presença de uma apresentadora de televisão, que indicam se tratar, originalmente, de um print de um vídeo.

Captura de tela feita em 2 de junho de 2022 de uma publicação no Twitter ( . / )

O “4” é a logo do canal de televisão sueco TV4 e a apresentadora é Madeleine Westin. Os arquivos da TV4 permitem chegar ao mapa laranja viralizado, em um vídeo de 13 de agosto de 2021.

As temperaturas e outros elementos visuais confirmam que se trata do mesmo mapa compartilhado nas redes sociais.

Comparação feita em 7 de junho de 2022 entre uma das publicações virais (I) e uma captura de tela de um vídeo da TV4 ( . / )

O verão mais quente da história da Europa

No final de abril, o Serviço Europeu de Mudança Climática Copernicus (C3S) apontou em seu informe anual que o verão de 2021 foi o mais quente da história da Europa, com 1°C acima da média dos últimos 30 anos.

Este verão especialmente quente foi caracterizado por várias semanas de onda de calor intensas, em que o termômetro subiu até os 48,8° na Sicília, Itália, um novo recorde europeu (que ainda deve se confirmar oficialmente), ou os 47° na Espanha, um novo recorde nacional.

“2021 foi um ano de extremos, como o verão mais quente da Europa, ondas de calor no Mediterrâneo, inundações e falta de vento, o que demonstra que compreender os extremos meteorológicos e climáticos é cada vez mais importante para os setores chaves da sociedade”, disse Carlo Buontempo, diretor do Copernicus à AFP.

Desde a era pré-industrial, o planeta ganhou entre 1,1 e 1,2°C. A Europa está ficando mais quente rapidamente, com o aumento médio da temperatura de 2°C, apontou o Copernicus.

Nas redes sociais circulam com regularidade conteúdos que buscam minimizar a presença do aquecimento global ou a responsabilidade humana sobre ele. O AFP Checamos já dedicou alguns artigos a este tema.

O IPCC (Grupo Intergovernamental de Especialistas sobre a Mudança Climática), criado em 1988, informa periodicamente o estado dos conhecimentos sobre as mudanças do clima.

Em 4 de abril de 2022, o IPCC publicou a terceira parte de seu sexto informe de avaliação (2021-2022), em que alertou para a urgência de tomar-se várias medidas.

Na primeira parte do sexto informe de avaliação, publicado em 9 de agosto de 2021, o IPCC escreveu que “é inequívoco que a influência humana aqueceu a atmosfera, o oceano e a terra”.

Clima