Vídeo não mostra Venezuela “armando” população em 2021, mas exercício militar em 2017

Copyright © AFP 2017-2022. Todos os direitos reservados.

Um vídeo de civis recebendo equipamentos militares foi visualizado mais de 400 mil vezes em redes sociais desde o último dia 20 de junho como se mostrasse a Venezuela “armando” sua população atualmente. Isso é enganoso. Embora o vídeo tenha sido feito no país governado por Nicolás Maduro, as imagens são de agosto de 2017. Na época, os civis participaram de grandes exercícios militares em resposta a sanções anunciadas pelo então presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

“Alguém explica isso? PQ a Venezuela está armando a população com equipamentos do exército?”, questiona o texto sobreposto ao vídeo em publicações no Facebook (1, 2, 3), Twitter, Instagram e TikTok.

Nas imagens, militares fardados entregam uniformes, armas, capacetes e outros equipamentos a homens e mulheres organizados em uma fila. “A Venezuela armando seu POVO. Pq será?”, pergunta outra publicação.  

Captura de tela feita em 1º de julho de 2021 de uma publicação no TikTok

O vídeo compartilhado nas redes não é, contudo, atual.

Uma busca reversa no Google por capturas de tela da gravação mostra que as mesmas imagens foram publicadas em 25 de agosto de 2017 pelo veículo de jornalismo colombiano Noticias Caracol junto com uma matéria da AFP.

A gravação foi exibida como parte de uma reportagem sobre exercícios militares que seriam realizados entre os dias 26 e 28 de agosto daquele ano no país.

“Dezenas de civis fazem fila para receber seus apetrechos militares. Botas, capacete, uniforme e, principalmente, fuzis. Isso aconteceu há apenas algumas horas no populoso bairro de ‘23 de Enero’, onde o Chavismo tem um de seus redutos mais fortes”, descreve a repórter, enquanto são apresentadas as mesmas imagens agora viralizadas. 

Captura de tela feita em 1º de julho de 2021 do site do veículo Noticias Caracol

De fato, em 26 de agosto de 2017, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou no Twitter o início do exercício cívico-militar “Soberania Bolivariana 2017”.

Como reportado pela AFP na época, o treinamento foi uma resposta a sanções financeiras anunciadas pelo então presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Como parte do exercício, cerca de 700 mil milicianos (civis assimilados pelas Forças Armadas), reservistas e civis foram convocados para realizar manobras ordenadas com o envio de tanques de guerra, práticas de franco-atiradores, sobrevoo de aeronaves e treinamentos de armas.

Fotos feitas pelas AFP na época (1, 2, 3) mostram os civis aprendendo a manusear as armas militares. 

Civis recebem instruções sobre como usar fuzis durante exercícios militares em Caracas em 26 de agosto de 2017 (Juan Barreto / AFP)

Exercícios do tipo também foram realizados em março deste ano para marcar o aniversário da morte do líder venezuelano Hugo Chávez.

Conteúdo semelhante a este foi verificado pela Agência Lupa.