Tuíte contra transferência de recursos do “fundão eleitoral” não foi publicado por Rodrigo Maia

Copyright © AFP 2017-2020. Todos os direitos reservados.

A captura de tela de um tuíte no qual o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), supostamente se posiciona contra a transferência de recursos do chamado Fundo Eleitoral, mesmo que isso “custe a vida de alguns brasileiros”, foi amplamente compartilhada em redes sociais em junho deste ano. A mensagem foi publicada, contudo, por uma conta falsa. Maia já afirmou, inclusive, que o fundo poderia ser utilizado para combater a pandemia de COVID-19.

“Desviar o dinheiro do Fundão Eleitoral para outros fins é prejudicial a [sic] democracia. Devemos manter este pilar intacto nem que isto custe a vida de alguns brasileiros. #FundaoEDemocracia”, diz o tuíte atribuído a Maia em postagens compartilhadas mais de 3 mil vezes no Facebook (1, 2, 3), desde o último dia 24 de junho.

As publicações fazem referência ao Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), conhecido como Fundo Eleitoral, que distribui recursos públicos aos partidos para custear as campanhas de seus candidatos. 

Captura de tela feita em 25 de junho de 2020 mostra suposto tuíte publicado no Facebook

O suposto tuíte de Maia circulou pela primeira vez no início de abril, após senadores proporem que os R$ 2 bilhões destinados ao fundo este ano fossem aplicados em ações de combate ao novo coronavírus.

“Fala isso porque não vai morrer nenhum filho dele sem assistência num hospital insalubre qualquer, igual ao que acontece com muitos de nós”, reagiu um usuário, ao comentar uma das postagens. “Não abrem mão do dinheiro nem pela crise da pandemia COVID!!”, escreveu outro.

O tuíte viralizado não foi publicado, no entanto, pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.

Uma análise da captura de tela amplamente compartilhada permite concluir que o autor da mensagem foi um perfil chamado @RobrigoMaia, e não @RodrigoMaia - conta oficial do político.

O perfil, que utilizava a mesma foto e nome semelhante ao do parlamentar, foi, inclusive, suspenso da rede social.

Outro indício de que o tuíte não havia sido publicado por Maia é a ausência do selo azul de verificação do Twitter, que autentica contas de interesse público - como a do presidente da Câmara dos Deputados. 

Comparação feita em 25 de junho de 2020 entre suposto tuíte de Maia publicado no Facebook (E) e tuíte publicado em sua conta oficial no Twitter

Uma busca avançada no perfil de Maia pelos termos da mensagem viralizada também não localiza qualquer publicação.

Em sua conta no Twitter, Maia confirmou não ser o autor do tuíte compartilhado nas redes. “Fake news é coisa de covarde. Criaram uma conta falsa com meu nome para desinformar e mentir”, diz o texto.

O presidente da Câmara dos Deputados já se pronunciou, além disso, a favor de um possível uso do Fundo Eleitoral para combater a pandemia do novo coronavírus.

Em videoconferência realizada em 7 de abril deste ano, Maia afirmou que a “democracia precisa ser financiada”, mas “que nesse momento poderia usar” os recursos das campanhas eleitorais para lidar com a doença.

Com mais de 1 milhão de casos confirmados e de 53 mil óbitos, o Brasil é o segundo país do mundo com mais mortes e infecções provocadas pelo novo coronavírus.

Em resumo, é falso que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, tenha afirmado no Twitter que o Fundo Eleitoral precisa ser preservado mesmo que “isto custe a vida de alguns brasileiros”. A mensagem foi publicada por um perfil falso, que utilizava a mesma foto e nome semelhante ao do político

AFP Brasil