Petrobras nega demissão de ligados a Dirceu após pedido de substituição de Castello Branco

Copyright © AFP 2017-2020. Todos os direitos reservados.

Publicações compartilhadas milhares de vezes em redes sociais desde 22 de fevereiro asseguram que a Petrobras demitiu “mais de 300 funcionários ligados a José Dirceu”, ex-ministro petista, após o presidente Jair Bolsonaro pedir a substituição do comandante da petroleira, Roberto Castello Branco. Um andar da empresa também teria sido destinado a integrantes da Polícia Federal (PF), segundo as postagens. A Petrobras negou, contudo, que tenha demitido funcionários e a PF informou não ter sido comunicada sobre qualquer cessão de servidores à companhia.

“Nesse momento: mais de 300 funcionários ligados a José Dirceu foram demitidos da Petrobras. Um andar inteiro do prédio foi esvaziado para acomodação de Militares e Polícia Federal”, diz o texto replicado mais de 2.600 vezes em menos de 24 horas no Facebook (1, 2, 3) e Instagram (1, 2, 3).

O conteúdo começou a circular após Bolsonaro pedir a substituição do atual presidente da Petrobras pelo general da reserva Joaquim Silva e Luna, em 19 de fevereiro, depois de criticar aumentos sucessivos no preço dos combustíveis. 

Captura de tela feita em 23 de fevereiro de 2021 de uma publicação no Facebook

Principal acionista da Petrobras, a União tem prerrogativa para indicar o comandante da empresa, mas a decisão ainda precisa ser aprovada pelo Conselho de Administração, composto por representantes dos acionistas majoritários e minoritários, assim como por um representante dos funcionários.

O anúncio da substituição de Castello Branco antes da avaliação deste conselho gerou temores de interferência política na companhia de economia mista, levando a Petrobras a perder R$ 102,5 bilhões em valor de mercado desde o último dia 19. O Conselho de Administração tinha previsto se reunir neste dia 23 de fevereiro.

A Petrobras negou, contudo, ter demitido “mais de 300 funcionários” ligados a José Dirceu, ministro da Casa Civil entre 2003 e 2005 - governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) -, em meio a esse contexto. “Trata-se de notícia falsa”, disse ao AFP Checamos em 23 de fevereiro.

A companhia efetivamente não publicou qualquer informe de demissão em sua seção de Comunicados ao Mercado após a decisão anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro. Em seu site, consta apenas a informação de que o general Silva e Luna será avaliado pelo Conselho de Administração para o cargo de presidente.

O suposto desligamento de funcionários também não foi reportado por sindicatos do setor, como a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), ou a Federação Única dos Petroleiros (FUP).

Tampouco há registro da alegada demissão no portal de Rosangela Buzanelli, representante dos trabalhadores da Petrobras no Conselho de Administração. Em texto intitulado “Sobre as recentes mudanças na Petrobras”, publicado em 21 de fevereiro, Buzanelli comenta apenas o anúncio da destituição de Castello Branco.

As publicações asseguram, ainda, que um andar inteiro do prédio da companhia foi “esvaziado para acomodação de Militares e Polícia Federal”. A alegação também foi descartada pela PF.

“Até o momento não há qualquer informação nesse sentido no âmbito da PF. Eventuais solicitações de cessão de servidor para qualquer entidade da Administração Direta ou Indireta são sempre avaliadas nos termos da Lei”, disse a organização à AFP, também em 23 de fevereiro.

AFP Brasil