O texto sobre o medo atribuído a C.S. Lewis não consta em “Cartas de um Diabo a seu Aprendiz”

Copyright © AFP 2017-2021. Todos os direitos reservados.

Um texto sobre o medo, as doenças e a morte atribuído ao escritor britânico Clive Staples Lewis foi compartilhado milhares de vezes em redes sociais ao menos desde junho do ano passado. As publicações indicam que se trata de um fragmento do livro “Cartas de um Diabo a seu Aprendiz”, editado em 1942.  No entanto, a equipe de checagem da AFP verificou que o trecho viralizado não aparece no livro, o que foi confirmado por uma das editoras da obra. Além disso, um estudioso do escritor negou que a passagem seja da autoria de Lewis.

As publicações incluem um diálogo que começa assim: “E como você conseguiu levar tantas almas para o inferno naquela época? - Por causa do medo. -Ah sim. Excelente estratégia; velha e sempre atual. Mas do que eles estavam com medo? Medo de ser torturado? Com medo da guerra? Fome? - Não.  Medo de ficar doente”. E continua: “Eles aceitaram tudo, tudo, desde que pudessem passar por suas vidas miseráveis ​​mais um dia”.

Segundo as postagens, que voltaram a circular em fevereiro de 2021, o texto é uma passagem “do livro ‘Cartas do Diabo a Aprendiz’, de C. S. Lewis, o autor das Crônicas de Nárnia”. “O livro foi publicado em 1942”, acrescentam. 

Captura de tela feita em 5 de fevereiro de 2021 de uma publicação no Facebook

“Nossa é tão atual parece que voltamos no tempo”, comentou uma usuária ao replicar o texto, que em alguns trechos parece fazer referência à pandemia de covid-19:

“Eles pensaram que tinham apenas aquela vida, e se apegaram a ela com toda a força, mesmo que isso lhes custasse seu carinho (eles não se abraçavam ou se cumprimentavam, não tinham contato humano por dias e dias); seu dinheiro (perderam o emprego, gastaram toda a poupança e ainda pensavam que tinham sorte de ser impedidos de ganhar pão)”.

Uma busca reversa por uma das imagens que acompanha o fragmento viral levou a um artigo de opinião sobre o texto publicado em 27 de abril de 2020, no qual o autor o descreve como uma “carta apócrifa do demônio Fitafuso [Escrutopo, em espanhol] a seu aprendiz Vermebile [Orugario, também em espanhol] sobre o Covid”.

O texto também foi amplamente compartilhado em espanhol, inglês e tcheco, assim como em algumas postagens no Instagram e Twitter.

A obra existe, o trecho não

O escritor britânico conhecido como C.S. Lewis (1898-1963) é o autor da série de livros “As Crônicas de Nárnia” e de “Cartas de um Diabo a seu Aprendiz”, entre outras obras.

“Cartas de um Diabo” é uma sátira religiosa publicada em 1942, na qual um demônio antigo ensina outro mais jovem como tentar as pessoas, focando na natureza humana e em suas fraquezas.

No entanto, a equipe de checagem da AFP não encontrou o diálogo viralizado ao consultar o livro em português, espanhol ou inglês, seu idioma original. Uma editora que publica o livro na Espanha, a Rialp, confirmou por e-mail que “o referido texto não aparece como tal, nem similar” na tradução espanhola da obra.

William O’Flaherty, pesquisador da obra de Lewis que criou o site Essential C.S. Lewis, também negou neste vídeo que o fragmento apareça no livro ou em qualquer outra obra do escritor.

Essa não é a primeira vez que é atribuído a Lewis um texto que ele não escreveu. De fato, O’Flaherty escreveu um livro sobre o tema e publicou em 2018 um ensaio no qual enfatiza: “As pessoas muitas vezes se apegam a suas crenças e buscam apoio ou pensam que têm apoio em uma declaração que vem de uma fonte em que se pode confiar. Se você tem alguém famoso que confirma ideias que você já tinha, é a cereja do bolo”.

Tradução e adaptação