O ministro Ricardo Salles não sofreu tentativa de envenenamento em agosto deste ano

Copyright © AFP 2017-2020. Todos os direitos reservados.

Publicações compartilhadas centenas de vezes em redes sociais desde o final de agosto asseguram que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, sofreu uma tentativa de envenenamento com a planta mamona, “provavelmente” durante uma reunião recente com governadores da região amazônica. No entanto, o ministro não teve qualquer reunião com políticos da Amazônia no último mês e a informação sobre o envenenamento foi negada pelo ministério do Meio Ambiente.

“NOTÍCIA DE ÚLTIMA HORA EVIDÊNCIAS DE TENTATIVA DE ENVENENAMENTO URGENTE. Nosso Valente Ministro Ricardo Salles, foi vítima do ‘Ecoterrorismo’, provavelmente envenenado ontem durante a reunião com os governadores da Amazônia”, começa o texto, compartilhado mais de 1.800 vezes no Facebook (1, 2, 3) e Twitter desde o último dia 28 de agosto.

Segundo as postagens - ilustradas, por vezes, com um vídeo de Salles em uma cama hospitalar, ou com uma foto do ministro -, o suposto envenenamento ocorreu com a planta mamona, “um conhecido agente utilizado por ataques ecoterroristas”.

“O Ministro passou a noite no HFA- Hospital das forças Armadas, lutando por sua Vida. O procedimento foi de protocolo de guerra Biológica... Desintoxicação por hemodiálise”, seguem as publicações.  

Captura de tela feita em 4 de setembro de 2020 de uma publicação no Facebook

Na gravação que acompanha algumas postagens, o ministro agradece às mensagens de carinho e orações e ao corpo médico do Hospital das Forças Armadas por um “grande atendimento”.

Uma busca reversa pelo vídeo no Google mostra, no entanto, que ele foi publicado por Salles no Twitter em 28 agosto de 2019, um ano antes da alegação começar a circular. Essa é a mesma data em que o vídeo foi publicado no YouTube, no link que acompanha algumas das postagens.

Na época, o ministro realmente foi internado no Hospital das Forças Armadas “em decorrência de um mal-estar”, como informou o Ministério da Defesa. Exames realizados durante a internação tiveram resultados “normais” e o ministro recebeu alta no dia seguinte, apenas com uma recomendação de repouso.

Uma busca por relatos de uma internação recente de Salles não leva a qualquer resultado.

O ministro tem, na verdade, participado de diversos compromissos no final de agosto e início de setembro, entre eles reuniões com deputados, entrevistas, e até uma viagem para o Vale do Ribeira, em São Paulo, com o presidente Jair Bolsonaro.

Procurada pelo AFP Checamos, a assessoria de imprensa do Ministério do Meio Ambiente afirmou que “não é verdade” que Salles tenha sido internado no Hospital das Forças Armadas entre o final de agosto e início de setembro após uma tentativa de envenenamento.

Além disso, ao contrário do alegado nas redes, Salles não teve qualquer reunião com governadores da região amazônica desde o início de agosto, como pode ser confirmado em sua agenda.

Chefiado por Salles desde o início do mandato de Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto, o Ministério do Meio Ambiente tem sido alvo de críticas de ambientalistas, principalmente em relação às taxas de desmatamento na Floresta Amazônica.

Essa peça de desinformação também foi verificada por outros sites de checagem como Agência Lupa e Estadão Verifica.

Em resumo, é falso que o ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles tenha sido internado, no final de agosto ou início de setembro, após sofrer uma tentativa de envenenamento em uma reunião com governadores da região amazônica. Salles tem mantido uma agenda ativa e não teve qualquer reunião com governadores da Amazônia desde o início de agosto. A informação também foi negada pelo Ministério do Meio Ambiente.

AFP Brasil