O Jornal Hoje não noticiou a investigação de uma ordem de Bolsonaro para executar Lázaro Barbosa

Copyright © AFP 2017-2023. Todos os direitos reservados.

A suposta captura de tela do noticiário “Jornal Hoje”, da Rede Globo, na qual lia-se que uma investigação apontava que o presidente Jair Bolsonaro havia ordenado executar Lázaro Barbosa, suspeito de assassinar uma família em Ceilândia, no Distrito Federal, foi compartilhada mais de 2,4 mil vezes nas redes sociais desde o último dia 28 de junho. Mas trata-se de uma montagem: na imagem original a única informação era que após 20 dias de buscas, houve confronto e Lázaro foi morto.

“Investigação diz que ordem pra executar Lázaro veio de Bolsonaro”, lê-se na tarja localizada na parte de baixo da imagem, cuja captura de tela foi compartilhada milhares de vezes no Facebook (1, 2, 3), no Instagram (1, 2, 3) e no Twitter (1, 2) em um dia.

Alguns usuários demonstraram estar indignados com a suposta acusação feita ao presidente Bolsonaro: “A Globo já descobriu o culpado pela morte de Lázaro” e “Emissora LIXO! Essa é a acusação mais IMUNDA que eu já vi contra o PR Bolsonaro. Mandar executar? Vocês passaram de TODOS OS LIMITES! Merecem processo! Que percam a concessão em 2022. #GloboLixo”.

Captura de tela feita em 29 de junho de 2021 de uma publicação no Twitter

No último dia 28 de junho, a Polícia Militar de Goiás anunciou que Lázaro Barbosa morreu durante um confronto, após uma operação de busca que mobilizou quase 300 policiais durante 20 dias. 

Ele era suspeito de assassinar quatro pessoas de uma mesma família na zona rural do Distrito Federal em 9 de junho de 2021. Durante a sua fuga, fez reféns e ficou conhecido como “o serial killer de Brasília”.

Uma análise da edição do “Jornal Hoje” de 28 de junho na íntegra, obtida por meio da plataforma de vídeos sob demanda GloboPlay, permite constatar que a imagem viralizada não foi transmitida durante a edição regular do noticiário. Contudo, devido ao impacto informativo do caso, ao longo do dia houve uma série de inserções de repórteres em diferentes programas da emissora.

Uma pesquisa pelas primeiras notícias publicadas on-line sobre a morte de Lázaro mostra que elas foram feitas por volta de 9h30 (1, 2, 3). Nesse horário, a Rede Globo transmite em sua grade o programa matinal “Mais Você”, apresentado por Ana Maria Braga.

Às 9h37, a apresentadora chama a repórter Giovana Dourado, uma das jornalistas que fazia a cobertura do caso, que anuncia ao vivo a captura de Barbosa com base na publicação do tuíte do governador Ronaldo Caiado.

Durante o “Mais Você” houve várias inserções de repórteres, mas a primeira feita pelo “Jornal Hoje”, comandado por Maria Júlia Coutinho, ocorreu às 9h45

Às 10h01, o Jornal Hoje volta a interromper o programa de Ana Maria Braga, confirmando a morte de Lázaro, quando o repórter Danilo Moreira - visto na captura de tela viralizada nas redes sociais - aparece diante de uma delegacia em Águas Lindas de Goiás usando a mesma camisa social roxa.

Neste vídeo, aos 2 minutos e 40 segundos, é possível observar o trecho específico em que Moreira aparece e a tarja cuja frase “Caçada terminou em confronto e morte depois de 20 dias”, que nas redes sofreu uma alteração digital. 

Na comparação abaixo é possível observar os mesmos elementos em ambas as imagens, com exceção da informação na tarja. Além disso, na imagem viralizada há a coloquialidade “pra”, ao invés de “para”, e o uso de uma tipografia distinta da vista na captura de tela original.

Comparação feita em 29 de junho de 2021 entre captura de tela publicada no Twitter e o vídeo publicado no GloboPlay

As publicações compartilhadas vão na mesma direção das críticas do presidente Bolsonaro (1, 2, 3) direcionadas à Rede Globo e a jornalistas em geral. O mandatário reagiu à morte de Lázaro em um tuíte publicado em sua conta.

Uma busca no Google pelos termos “investigação + ordem + Bolsonaro + executar + Lázaro” não levou a qualquer resultado de matérias ou afirmações a respeito na mídia.

O AFP Checamos já verificou outra alegação sobre um suposto questionamento de excesso da polícia no dia da morte de Lázaro em um programa da Rede Globo.

Conteúdo semelhante foi verificado pelo Fato ou Fake.