O homem que sorri na forca é um iraniano condenado em 2007 por assassinar um juiz

Copyright AFP 2017-2020. All rights reserved.

A história, compartilhada mais de 60 mil vezes em redes sociais, é impactante: um pastor cristão foi condenado à morte na Síria e duas fotos provam como enfrentou a forca com um sorriso, por saber que estava “chegando a hora de se encontrar com Cristo”. Mas é falsa. O homem que sorri antes de morrer é, na verdade, um iraniano condenado por ter assassinado um juiz.

As imagens circulam desde o início de 2019 no Facebook (1, 2, 3), e de novo recentemente, em português e espanhol.

“Esse Pastor foi condenado a morte na Síria por falar o Evangelho. E vai rindo pra forca pq sabe que já tá chegando a hora de se encontrar com Cristo [sic], diz o texto que acompanha duas fotos de um homem sorrindo: uma ao lado de uma forca, e outra ao ser acompanhado por agentes de segurança.

Postagens semelhantes (1, 2) contém, ainda, uma terceira imagem, de um homem de pé atrás de um púlpito. Embora os registros sejam autênticos, nenhum mostra um pastor cristão executado na Síria. 

Captura de tela feita em 23 de junho de 2020 mostra alegação publicada no Facebook

O homem da forca

Por meio de uma busca reversa no Google, foi possível identificar que o homem que aparece sorrindo na forca é Majid Kavousifar, um iraniano que foi executado junto com seu primo em Teerã em 2007, por ter assassinado um juiz em 2005.

A foto do canto inferior esquerdo foi publicada em 2 de agosto de 2007 pela Agência de Notícias da República Islâmica, em nota que diz: “Os assassinos do juiz de primeira instância de Teerã Hassan Moqaddas foram enforcados em público nesta quinta-feira no aniversário do assassinato do juiz. O falecido juiz foi morto a tiros em plena luz do dia depois de sair de um prédio da corte no norte de Teerã há dois anos”.

“Os dois assassinos, Majid Kavoosi-Far, 28, e seu primo, Hossein, 24, foram enforcados no local do assassinato na rua Ahmad-Qasir”, acrescenta o artigo.

A imagem é creditada ao fotógrafo Alireza Sotakbar, da ISNA (Agência de Notícias Estudantil Iraniana).

A execução de Kavousifar também foi reportada pela AFP.

Conteúdo sensível

Comparação feita em 23 de junho de 2020 entre imagens publicadas no Facebook (esquerda) e foto da execução de Majid Kavousifar em 2 de agosto de 2007, em Teerã


Registros da execução de Majid Kavousifar foram utilizados em outras publicações falsas, também verificadas pelo AFP Checamos.

O homem no púlpito

Uma busca reversa pela terceira foto, que mostra um homem atrás de um púlpito, permite concluir que o protagonista da imagem é Youcef Nadarkhani - um pastor cristão que efetivamente foi condenado à forca. A sentença aconteceu, no entanto, no Irã, e não na Síria, e nunca fui cumprida.

Filho de pais muçulmanos no Irã, Nadarkhani se converteu ao cristianismo aos 19 anos. Em 2010, foi condenado à forca por apostasia, ou a renúncia de sua fé anterior, como registrado pela Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos Estados Unidos (USCIRF).

No entanto, em meio a represália internacional, a sentença foi rescindida e Nadarkhani foi absolvido, em setembro de 2012.

O pastor foi preso novamente em 2016 sob acusação de “agir contra a segurança nacional”. Inicialmente condenado a 10 anos de prisão, Nadarkhani teve a pena reduzida a seis anos em junho deste ano, segundo reportado pela ONG International Christian Concern.

Por sua vez, uma busca no Google não localiza informações sobre um pastor cristão condenado à morte na Síria, embora encontre numerosos casos (1, 2) de violência e perseguição de cristãos pelo grupo Estado Islâmico.

Em resumo, o homem que sorri enquanto é levado à forca não é um pastor cristão, como asseguram as publicações viralizadas, mas um homem que foi condenado à morte por ter assassinado um juiz no Irã.

AFP Argentina
 
Nadia Nasanovsky