Não, o deputado José Guimarães não foi detido com dólares na cueca e nem preside uma comissão anticorrupção

Uma publicação que afirma que o deputado federal José Guimarães (PT-CE) escondeu dólares na cueca e se tornou presidente de uma comissão de combate à corrupção foi compartilhada mais de 1.400 vezes nas redes sociais desde o dia 10 de maio de 2019. Entretanto, a imagem é apenas uma montagem e Guimarães não foi detido com dinheiro escondido, nem preside uma comissão anticorrupção.

“Ele escondeu dólares na cueca e virou presidente da comissão que vai combater a corrupção”, diz o texto que acompanha uma montagem de Guimarães publicada no último dia 13 de maio. Entretanto, ambas as afirmações são incorretas. 

Captura de tela feita em 14 de maio de 2019 de uma publicação no Facebook

Em julho de 2005, um assessor de Guimarães, José Adalberto Vieira da Silva, sim foi detido no aeroporto de Congonhas com US$ 100 mil escondidos na cueca.

Na época, Guimarães chegou a ser denunciado pelo Ministério Público Federal por suposto envolvimento com o caso, mas foi inocentado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) em 2012. O relator do caso alegou que “relação de amizade e companheirismo político e partidário, não são o bastante para sustentar a instauração de uma ação de improbidade em relação ao recorrente”.

Além disso, Guimarães não é presidente de qualquer comissão parlamentar. Atualmente, o deputado é integrante titular da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, que avalia a constitucionalidade dos projetos que tramitam na Assembleia Legislativa, e suplente da Comissão de Educação.

No passado, o petista chegou a ser presidente de uma Comissão Especial, que tinha como objetivo tratar de um marco regulatório do setor portuário, e não combater à corrupção, e presidente da Subcomissão do Nordeste na Câmara.

Por fim, a imagem presente na publicação viralizada é apenas uma montagem feita a partir de uma fotografia de Guimarães publicada em seu site oficial no dia 30 de abril de 2013. Já a foto da cueca circula na Internet sem a imagem do deputado ao menos desde 2011, e já foi utilizada em outras montagens com o próprio Guimarães e outros políticos.

O caso dos dólares escondidos na cueca voltou ao olhar público após uma discussão na Câmara dos Deputados em 8 de maio de 2019, na qual o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse, em referência à detenção do assessor de Guimarães: “Também se eu ‘Googlar’ dinheiro na cueca vai aparecer coisa, né?”.

Posteriormente, Guedes pediu desculpas a Guimarães. “Faço questão de publicamente pedir desculpas ao deputado, por uma razão muito simples”, disse Guedes. “Acho que quem respeita merece ser respeitado. (...) Eu, talvez tanto quanto o senhor, somos absolutamente inocentes, porque a Justiça diz isso”, acrescentou.

Em resumo, apesar de ter sido inicialmente acusado por suposto envolvimento no caso de 2005, José Guimarães não foi detido por esconder dólares na cueca, nem preside qualquer comissão parlamentar de combate à corrupção.

AFP Brasil