Não, isto não é um áudio vazado em que Haddad e Manuela tramam contra o Exército

Copyright © AFP 2017-2021. Todos os direitos reservados.

Um vídeo disseminado nas redes sociais do Brasil alega ser o vazamento de uma conversa entre os candidatos a presidente e vice Fernando Haddad e Manuela d'Ávila,  tramando contra as Forças Armadas. A gravação foi tirada de contexto e transmite uma imagem enganosa de uma entrevista do presidenciável do Partido dos Trabalhadores (PT).

Assistida mais de 2 milhões de vezes, no Facebook e no Youtube, a descrição das imagens diz: “Vaza áudio: Haddad e Manuela, tramando contra exército e Bolsonaro”. Comentários calorosos advêm das postagens. “Vocês são traidores da pátria Brasil merece uma Pena máxima olha povo acordem espalhem esse vídeo pra todos até chegar aos militares”, disse um internauta.

Captura de tela de uma publicação no Youtube disseminando a informação falsa, feita 22 de outubro de 2018

Checamos a informação.

Os vídeos contêm parte do áudio de uma entrevista que Haddad concedeu ao UOL, Folha de São Paulo e SBT no dia 17 de setembro de 2018. Trata-se de declarações a jornalistas, não a Manuela d'Ávila. A voz feminina na gravação é, na verdade, da jornalista do SBT, Débora Bargamasco. A sabatina é pública na internet, não se trata de um conteúdo vazado.

A fala do petista tampouco faz parte de uma trama contra o Exército, mas se encaixa no contexto de uma série de perguntas sobre a intervenção militar e a ditadura, sobre as quais o candidato é abertamente contra. Não se trata de uma trama secreta contra as Forças Armadas.

Quando questionado sobre um funcionário público que defendesse, por meio de atos ou declarações, a volta do regime militar, Haddad respondeu:

Em resumo, o vídeo divulgado não é de um vazamento, não é uma conversa entre Fernando Haddad e Manuela d'Ávila e não ilustra uma “trama” contra o Exército. O candidato à presidência pelo Partido Social Liberal (PSL), Jair Bolsonaro, sequer é mencionado no trecho da entrevista original.

Haddad, que assumiu a candidatura do PT em 11 de setembro, no lugar do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva - que cumpre pena de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro -, disputa o segundo turno das eleições presidenciais com o candidato de extrema-direita Bolsonaro.

No primeiro turno, Bolsonaro obteve 46% dos votos e Haddad 29%. Na pesquisa divulgada pelo instituto Datafolha no dia 18 de outubro para o segundo turno, do 28 de outubro, Bolsonaro tem 59% da intenção dos votos válidos e Haddad 41%.

AFP Brasil