Não há evidências de que o novo coronavírus seja transmitido durante a gravidez, ou pelo leite materno

Copyright © AFP 2017-2020. Todos os direitos reservados.

Várias publicações compartilhadas nas redes sociais asseguram que um bebê nasceu sendo portador do novo coronavírus, dando a entender que a doença poderia ser transmitida durante a gravidez. A Organização Mundial da Saúde (OMS), entretanto, assegurou que ainda não há evidências que comprovem esta afirmação.

“BEBÊ NASCE COM CORONAVÍRUS NA CHINA” e “NASCE PRIMEIRO BEBÉ INFETADO COM CORONAVÍRUS” são os títulos de algumas matérias compartilhadas no Facebook (1, 2), Twitter e Instagram desde 5 de fevereiro de 2020, juntamente com a informação de que a mãe teria transmitido a doença para o filho.

Captura de tela feita em 2 de março de 2020 no Instagram

Um vídeo em espanhol com afirmações similares foi amplamente visualizado no Instagram, publicado no mesmo dia 5. A gravação conta a história de um bebê, filho de uma mulher portadora do novo coronavírus, que, supostamente, nasceu com a doença. Alegações semelhantes circularam no Facebook e Twitter neste idioma.

No último dia 4 de fevereiro, médicos chineses detectaram que um bebê estava infectado com o vírus apenas 30 horas após nascer. Embora ainda estejam pesquisando se isso se trata de uma transmissão mãe-filho, já que a progenitora havia testado positivo em um exame anterior ao nascimento, publicações nas redes sociais já davam essa possibilidade como certa.

Tarik Jasarevic, porta-voz da da Organização Mundial da Saúde (OMS), assinalou à AFP que “é cedo demais para definir claramente os riscos para as mulheres grávidas e lactantes, e seus recém-nascidos. O que se recomenda é que as mulheres grávidas e lactantes suspeitas de estarem com a doença do coronavírus, ou já confirmadas, sejam tratadas com terapias de apoio, levando em conta as adaptações fisiológicas da gravidez”.

Ao ser consultado sobre o que ocorre com o leite materno, Jasarevic respondeu que a rede clínica da OMS está discutindo sobre a transmissão do vírus, incluindo “o risco para mulheres grávidas e lactantes”.

O surto epidêmico da COVID-19 começou em dezembro de 2019 na cidade chinesa de Wuhan. Desde então, foram detectados mais de 80.000 casos de contágio e mais de 2.800 mortos na China continental. Fora dessa área, foram registrados mais de 4.000 casos da COVID-19 em 54 países, provocando a morte de mais de 70 pessoas.

Em resumo, é enganosa a afirmação de que o novo coronavírus é transmitido de mãe para filho durante a gravidez, ou o período de lactância, já que não há evidências a respeito.

AFP Uruguay
AFP Brasil