Não, este vídeo não foi gravado durante os incêndios de 2019 na Amazônia

Copyright © AFP 2017-2022. Todos os direitos reservados.

Publicações em espanhol, compartilhadas milhares de vezes em redes sociais e reproduzidas em menor escala no Brasil, afirmam que um vídeo de um helicóptero lançando materiais incandescentes sobre uma floresta em chamas mostra como o governo do presidente Jair Bolsonaro está queimando a Floresta Amazônica. A alegação é falsa: o vídeo circula ao menos desde agosto de 2018, antes de Bolsonaro chegar ao Palácio do Planalto, e as imagens foram compartilhadas originalmente em Columbia Britânica, no Canadá.

Captura de tela feita em 26 de agosto de 2019 mostra vídeo publicado no YouTube

“Bolsonaro kkk queimando a Amazônia com o helicóptero atirando o fogo”, escreveu um usuário no Facebook ao compartilhar uma das publicações em espanhol. “Helicóptero jogando gasolina na Amazonas para espalhar o fogo [sic]”, diz a legenda de outra postagem, desta vez no YouTube. 

Nas imagens, filmadas a partir de uma aeronave, é possível ver, durante um minuto, como um helicóptero parece lançar mais material incandescente sobre uma área de vegetação em chamas.

À primeira vista, pode parecer que a aeronave causa o incêndio, mas uma investigação da AFP demonstrou que ela buscava justamente o contrário.

Origem do vídeo

Primeiro, a equipe de checagem da AFP realizou uma busca reversa* com a ferramenta InVid, que levou a registros do mesmo vídeo desde agosto de 2018. O vídeo, portanto, não é atual e não coincide com a Presidência de Jair Bolsonaro, que começou em 1º de janeiro deste ano.

Entre outros resultados obtidos com a ferramenta, o motor de busca TinEye levou a uma publicação em francês, ilustrada com o mesmo vídeo, que explica que o helicóptero recorria ao método “para conter o fogo” conhecido entre bombeiros como “black burn” ou “black fire”, que, segundo esta publicação, estaria sendo aplicado na Califórnia.

Além disso, a vegetação observada no vídeo -- com aspecto de coníferas -- não se assemelha à presente na Amazônia.

Uma nova busca no Google, limitando os resultados a registros anteriores ao dia 27 de agosto de 2018 e utilizando as palavras-chave “helicopter” + “fire” (helicóptero e fogo em inglês, respectivamente), levou a outra denominação em inglês para a técnica em questão: “heli torch”.

Finalmente, uma busca no Facebook com a ferramenta Who Posted What - também limitando os resultados a postagens anteriores a 27 de agosto de 2018 - nos levou a uma publicação feita em 22 de agosto do mesmo ano por uma empresa privada de helicópteros chamada Arduini Helicopters, que opera na província de Columbia Britânica, no oeste do Canadá.

Entre os comentários, um usuário chamado Tom Arduini parabeniza uma pessoa chamada Paul Buxton-Carr “por esta gravação impressionante”. Um dia depois, a mesma empresa reitera o parabéns.

A AFP tentou entrar em contato com a companhia para confirmar a origem e a data da gravação, mas não recebeu nenhuma resposta até a publicação deste texto.

Paul Buxton-Carr é identificado como um piloto de Columbia Britânica em entrevistas publicadas por veículos como o New York Times e a CBS, e até recebeu uma condecoração do governo da província por seu trabalho.

A AFP não encontrou registros anteriores do vídeo na Internet, concluindo que as imagens, compartilhadas inicialmente no Canadá, não mostram incêndios atuais e que tampouco foram filmadas na Amazônia, nem provavelmente na Califórnia.

Técnica de combate ao fogo

Bombeiros de várias partes do mundo recorrem à criação de chamadas “linhas de fogo” quando “o calor e a fumaça impedem o trabalho da equipe, se o terreno tem topografia abrupta, se a vegetação é densa, se a propagação é rápida, se há emissão de faíscas, se a frente é muito ampla e em incêndios de copas. No geral, quando não é possível o ataque direto”, descreve a Corporação Florestal Nacional do Chile (CONAF).

Visão aérea de um incêndio perto de Porto Velho, no estado de Rondônia, em 23 de agosto de 2019

Esta técnica permite, como detalha a CONAF, um combate mais seguro e mais duradouro dos incêndios, mas tem como desvantagem o sacrifício da vegetação.

“O contrafogo é utilizado para queimar a vegetação em zonas mais amplas e criando um fogo que consegue avançar contra o incêndio, queimando o combustível ao longo do caminho que, devido a seu comportamento, leva ao incêndio. Quando os dois fogos se encontram o incêndio se extingue por falta de vegetação combustível. É um recurso extremo, dada a probabilidade que se torne incontrolável e que complique a situação”, esclarece a organização.

Está técnica é utilizada na Amazônia?

Consultada pela equipe de verificação da AFP, a assessoria de imprensa do estado do Amazonas, coberto em grande parte pela Floresta Amazônica, explicou que uma técnica semelhante é aplicada na região, mas sem o uso de helicóptero.

“A gente tem um vasilhame, um dispositivo chamado pinga-fogo, mas é local. O que a gente faz? Se tem uma área que está queimando a gente avança um pouco mais a frente dela, faz o aceiro, que é a limpeza do terreno, até o chão mesmo, para não ter o que queimar a partir daquele ponto. A gente queima a área que iria queimar antes do fogo propriamente dito chegar. Então a gente faz uma queima segura para que o fogo não tenha mais combustível, que é a vegetação seca”, afirmou.

A assessoria acrescentou que a aeronave não é utilizada porque “não tem necessidade, não tem precisão quando você utiliza o helicóptero” e que o veículo provavelmente foi utilizado em uma área de maior extensão. “Nunca vi isso no Brasil”, afirmou, em referência ao vídeo.

Em resumo, o vídeo foi publicado originalmente em agosto de 2018, vários meses antes de Jair Bolsonaro chegar à Presidência e as imagens foram compartilhadas inicialmente no Canadá, muito longe da Amazônia, onde a AFP não encontrou registro de uso dessa técnica com helicóptero. 

*Uma vez instalada a extensão InVid nos navegadores Chrome ou Firefox, basta clicar com o botão direito do mouse sobre a imagem e o menu exibido permite pesquisar a foto em diversos motores de busca.