Captura de tela de uma publicação no Facebook disseminando um video tirado de contexto sobre a emigração de venezuelanos, 17 de julho de 2018. (Facebook / AFP)

Não, este vídeo não é de venezuelanos invadindo o Brasil

No contexto de crise econômica na Venezuela e polarização política no Brasil antes das eleições de outubro, um vídeo que supostamente mostra venezuelanos invadindo o território brasileiro através de sua fronteira comum se espalhou rapidamente pela internet nesta semana. No entanto, essas imagens não correspondem aos fatos relatados.

O vídeo mostra milhares de pessoas correndo para cruzar algo que parece um portão, durante a noite. Quem grava o vídeo, com voz de surpresa, diz em espanhol: “Que loucura, seis da manhã, abertura da fronteira. Isso é uma loucura”. Nas redes sociais do Brasil, usuários comentam: “Estão vindo para o Brasil incentivar o ‘socialismo’!” ou “Será que estão ‘todos’ fugindo do socialismo ou tem muitos infiltrados para incentivá-lo e propagá-lo por aqui?”, e mesmo “Não bastava os haitianos, agora os venezuelanos”. 

As imagens, entretanto, não foram gravadas na fronteira entre a Venezuela e o Brasil.

O vídeo foi publicado originalmente pela jornalista venezuelana Zulma López. Segundo ela, a gravação foi realizada na fronteira entre a Venezuela e a Colômbia, em Santo Antônio de Táchira, noroeste do território venezuelano, na madrugada do dia 23 de junho deste ano. De acordo com a jornalista, que declarou à AFP ter recebido a gravação em um grupo de Whatsapp de comunicadores locais e que alega ter visitado a zona dias depois desses fatos, a cena não é incomum: todos os dias muita gente cruza a fronteira para vender produtos, comprar comida, remédios e trabalhar. Muitas delas voltam no mesmo dia à Venezuela.

 

 

Comparação de uma foto da fronteira de Santo Antônio de Táchira durante o dia com uma captura de tela do vídeo. (Zfrontera.com / AFP)

Ao checar a informação, a AFP conseguiu detectar, no vídeo, elementos da Ponte Internacional Simão Bolívar, a principal via terrestre entre Colômbia e Venezuela, como o posto da SENIAT (a aduana venezuelana) e a presença de oficiais da Guarda Nacional Bolivariana, que realiza a segurança da fronteira.

Comparação de uma foto de membros da GNB com uma captura de tela do vídeo. (Sucrereporte / AFP)

Bogotá lidera a oposição regional contra o atual presidente venezuelano e solicitou ajuda internacional para controlar a onda migratória. Na segunda-feira, 16 de julho, o governo dos Estados Unidos anunciou que concederá 6 milhões de dólares adicionais aos 26 milhões que já havia oferecido à Colômbia para o acolhimento  dos milhares de venezuelanos que chegam a seu território fugindo da crise.

Venezuelanos carregam mercearias pela Ponte Simão Bolívar de Cucuta na Colômbia para Santo Antônio de Táchira na Venezuela, 10 de julho de 2018. (AFP / George Castellanos)

O fenômeno de emigração no país de Nicolás Maduro é uma realidade que afeta também aos brasileiros, com um fluxo significativo de entradas pelo estado de Roraima. Segundo o governo brasileiro, 127.778 venezuelanos entraram no país pela fronteira terrestre desde 2017 até julho de 2018. Desse total, 68.968 pessoas foram para outros países, a maioria por via terrestre.
 

AFP Brasil