Frase de John Lennon é falsamente atribuída a Manuela D´Avila

Compartilhada 90 mil vezes no Facebook, uma postagem mostrando uma frase de John Lennon sobre a popularidade dos Beatles foi atribuída erroneamente à candidata à vice-presidência pelo Partido Comunista do Brasil (PCdoB), Manuela D´Ávila.

Captura de tela de uma publicação no Facebook disseminando a foto fora de seu contexto original, 7 de outubro de 2018Captura de tela de uma publicação no Facebook disseminando a foto fora de seu contexto original, 7 de outubro de 2018

“O cristianismo vai desaparecer. Vai diminuir e encolher. (...) Nós somos mais populares do que Jesus neste momento”, diz a frase mostrada na imagem. A isto, acompanha a descrição: “Com a Palavra, a candidata à vice do PT. Por essas e outras que a cada dia que passa #SOMOSTODOSBOLSONARO”.

Na verdade a declaração é do icônico vocalista dos Beatles, grupo britânico de rock. A declaração foi feita durante uma entrevista ao jornalista Maureen Cleave, publicada no diário londrino Evening Standard no dia 4 de março de 1966.

No entanto, a polêmica afirmação faz parte de um argumento maior. O contexto original é o seguinte:

“O cristianismo vai desaparecer. Não preciso argumentar isso; estou certo e isso será provado. Somos [os Beatles] mais famosos que Jesus; eu não sei o que morrerá primeiro - o rock ou o cristianismo. Jesus era legal, mas seus discípulos eram toscos e ordinários. Para mim o que estraga tudo são eles deturpando as coisas”.<

Em 2010, 40 anos depois do fim dos Beatles, o L'Osservatore Romano, jornal oficial da Santa Sé, publicou uma reportagem elogiando o grupo. "Eles até chegaram a dizer que eram mais populares que Jesus. Mas, ouvindo suas músicas, tudo isso parece distante e insignificante", disse o artigo de Giuseppe Fiorentino e Gaetano Vallini.

Reportagem do Evening Standard em que se publica a polêmica declaração de John Lennon, de 4 de março de 1966Reportagem do Evening Standard em que se publica a polêmica declaração de John Lennon, de 4 de março de 1966

Nenhuma declaração semelhante da candidata a vice-presidente da coligação “O Povo Feliz de Novo”, liderada pelo petista Fernando Haddad e que reúne também o Partido Republicano da Ordem Social (Pros) e o PCdoB, foi encontrada em redes sociais ou motores de busca.

Em nota emitida nesta sexta-feira, 5 de outubro, a coligação de Haddad e Manuela desmentiu a montagem postada no Facebook. A campanha afirma que a candidata jamais falou tal frase. “Sou cristã e defendo e pratico o mais absoluto respeito com todas as religiões”, disse a candidata comunista.

AFP Brasil