A foto mostra um empresário indiciado por estelionato no início deste ano

Copyright AFP 2017-2020. All rights reserved.

Um artigo, compartilhado mais de 20 mil vezes em redes sociais, afirma que um dos funcionários do Partido dos Trabalhadores (PT) na Câmara dos Deputados que ganhou o prêmio de R$ 120 milhões da Mega-Sena em 18 de setembro comprou um carro de luxo antes de saber o resultado do sorteio. Segundo o texto, isso pode levar a Polícia Federal a descobrir uma “fraude milionária” na loteria. No entanto, a foto que ilustra o artigo é de um empresário indiciado por estelionato em abril deste ano e o nome mencionado no texto não consta na lista de servidores da Câmara.

“De acordo com informações do jornal Gazeta Brasil, um dos 49 assessores do PT que ganharam o prêmio de R$120 milhões da Mega-Sena, comprou um carro de luxo no valor de R$650 mil, 3 dias antes do resultado do sorteio milionário”, diz o primeiro parágrafo do artigo viralizado.

O texto identifica o funcionário como Miquéias Mendonça, de 50 anos. Segundo o artigo, Mendonça recebe salário de R$ 3.500,00 o que seria “absurdamente incompatível com o valor do carro que comprou no início da semana”.

“Essa pode ser a ponta solta que a Polícia Federal precisa para começar a investigar o caso e possivelmente descobrir uma fraude milionária nas Loterias Caixa”, sugere o artigo, compartilhado mais de 20 mil vezes segundo a ferramenta CrowdTangle

Captura de tela feita em 20 de setembro de 2019 do artigo viralizado

O texto faz referência ao concurso mais recente da Mega-Sena, loteria organizada pela Caixa Econômica Federal, que paga milhões a quem acerta os seis números sorteados.

No último dia 18 de setembro, um grupo de funcionários da assessoria da liderança do Partido dos Trabalhadores na Câmara dos Deputados acertou todos os números, ganhando R$ 120 milhões.

No entanto, uma busca reversa* pela imagem que ilustra o artigo viralizado, na qual é possível ver um homem dentro de um carro de luxo, mostra que ela não tem qualquer relação com o PT, ou com o sorteio da Mega-Sena.

Segundo publicou a imprensa local (1, 2, 3) em abril deste ano, a foto mostra o empresário Marcelo Sixto Scheavenin, indiciado pela Polícia Civil do estado de Mato Grosso por vender carros de luxo e não repassar o dinheiro aos donos dos veículos.

Além disso, o nome Miquéias Mendonça, mencionado no texto como o funcionário que teria adquirido o carro de luxo, não consta na lista de servidores da Câmara dos Deputados. O nome tampouco aparece na relação de secretários parlamentares dos deputados do PT.

Por fim, o artigo credita as informações a um jornal chamado “Gazeta Brasil”. No entanto, em busca por palavras-chave no Google, a equipe de checagem da AFP não localizou qualquer veículo com esse nome.

Em resumo, é falsa a informação de que um assessor do PT de nome Miquéias Mendonça comprou um carro de luxo antes de ganhar na Mega-Sena no último dia 18 de setembro. Não há registro de qualquer servidor da Câmara dos Deputados com esse nome e a foto utilizada para ilustrar a afirmação mostra um empresário indiciado por estelionato no início deste ano.

AFP Brasil