Vídeo de Temer com críticas a Haddad em 2018 circula nas redes como se fosse de 2023

  • Este artigo tem mais de um ano.
  • Publicado em 28 de fevereiro de 2023 às 18:11
  • 2 minutos de leitura
  • Por AFP Brasil
Um vídeo em que o ex-presidente Michel Temer (MDB) critica o atual ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), por tê-lo chamado de “golpista” não foi feito em 2023, como sugerem publicações compartilhadas 20 mil vezes desde 19 de fevereiro. Embora verdadeira, a gravação é de 2018, quando Temer ainda estava na Presidência e Haddad era cotado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para assumir a candidatura presidencial da legenda no lugar de Lula, que teve a candidatura indeferida.

“Themer manda Haddade ir tomar naquele lugar com todas as letras”, diz uma das publicações compartilhadas no Facebook, no TikTok, no Kwai, no Instagram e no Helo.

Junto às publicações, usuários compartilham um vídeo no qual Temer afirma que Haddad e aliados “inventam coisas da própria cabeça” ao chamá-lo de “golpista” e defende a reforma trabalhista aprovada durante o seu mandato. Sobreposta ao vídeo vê-se a data “11/02/23”.

Image
Captura de tela feita em 27 de fevereiro de 2023 de uma publicação no Facebook ( .)

Mas uma busca pelas palavras-chave “vídeo”, “Michel Temer” e “Fernando Haddad” levou a diversas matérias (1, 2, 3) de setembro de 2018 indicando que o vídeo havia sido gravado naquele ano.

Uma segunda busca, dessa vez na conta de Temer no Twitter, confirmou que o então presidente publicou a gravação original em 6 de setembro de 2018, com a legenda: “.@Haddad_Fernando: fale a verdade:”

“Quero recomendar a você, quando você e seus companheiros me chamam de golpista e de alguém que fez uma reforma trabalhista que recupera a modernidade do nosso país, eu quero que você leia a Constituição, Haddad”, diz no início do vídeo.

Cinco dias após a divulgação, Haddad foi confirmado pelo PT como candidato à Presidência da República pelo partido, após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) indeferir a candidatura de Lula por considerá-lo inelegível, com base em condenações posteriormente anuladas.

Esse foi o terceiro vídeo gravado por Temer na época, em resposta a campanhas de políticos que mencionaram o seu governo negativamente.

Os dois anteriores (1, 2) eram destinados ao então candidato à Presidência pelo PSDB e hoje vice-presidente, Geraldo Alckmin (PSB). Nas duas sequências, o então mandatário também pedia que Alckmin “falasse a verdade”.

Há alguma informação que você gostaria que o serviço de checagem da AFP no Brasil verificasse?

Entre em contato conosco