Vídeos não mostram invasão à Havan, e sim danos por chuva e surto de homem em farmácia

Copyright © AFP 2017-2023. Todos os direitos reservados.

Uma sequência que mostra pessoas em desespero pelo desabamento da parede de uma filial da Havan e um homem derrubando prateleiras em uma loja não tem relação com a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à Presidência em 30 de outubro. Publicações alegando que as imagens mostram a invasão de eleitores do petista foram compartilhadas mais de 1.500 vezes desde 29 de outubro, véspera do segundo turno. A sequência junta dois diferentes vídeos: um de danos provocados por forte chuva em uma filial da Havan em São José dos Campos, e o outro, de um ato de depredação a uma farmácia no Rio de Janeiro.

“DESTRUIÇÃO NA HAVAN ! PT E SUAS HORDAS DO INFERNO NÃO RESPEITAM MAIS NADA! Venezuela é aqui! IMAGINEM QUANTOS DESEMPREGADOS (inclusive petistas) quando fechar essa loja?”, afirma uma das publicações compartilhadas no Facebook, Kwai e Twitter.

A gravação também foi encaminhada ao WhatsApp do AFP Checamos, para onde os usuários podem enviar conteúdos vistos em redes sociais, caso duvidem de sua veracidade.

Captura de tela feita em 1º de novembro de 2022 de uma publicação no Facebook ( .)

Nas imagens, vê-se o desespero de funcionários e pessoas sem uniforme diante do desabamento de uma das paredes laterais do que parece ser uma unidade da rede de lojas Havan. Além disso, ao fundo, escuta-se uma mulher narrando a cena.

Em seguida, há o registro de um homem derrubando e chutando prateleiras de um estabelecimento comercial, supostamente na mesma ocasião, enquanto escuta-se uma mulher pedindo que segurem o responsável pela destruição. Nas gravações não há qualquer menção a uma suposta invasão por eleitores de Lula.

Apesar disso, usuários compartilharam a sequência nas redes com a alegação de que o fato foi provocado por uma invasão de petistas, afirmando, ainda, que esse “é só o começo do fim do Brasil”.

As sequências, no entanto, foram registradas em datas e locais distintos, e nada têm a ver com as eleições de 30 de outubro.

Uma busca no Google pelas palavras-chave “destruição na Havan” levou a uma matéria publicada pelo Jornal de Jundiaí, em 29 de outubro, indicando que o primeiro vídeo foi filmado após uma forte chuva em São José dos Campos, São Paulo. Na ocasião, além de uma parede, o temporal provocou a derrubada de uma parte do teto da unidade da Havan.

A partir dessas informações, uma nova pesquisa nas redes sociais pelas palavras-chave “Havan chuva” permitiu encontrar outras publicações compartilhando o mesmo vídeo, porém dessa vez detalhando as fortes chuvas como causa. “Forte e intensa chuva na Havan”, diz outra postagem no Kwai.

Neste outro vídeo, publicado pelo Portal Meon, é possível observar os estragos provocados em diferentes pontos da unidade, que mostram mesas e cadeiras reviradas e sinais de alagamentos.

Segundo informações da imprensa, as chuvas na região também foram responsáveis por derrubar 73 árvores, postes de energia e por um grande congestionamento no trânsito.

Uma busca reversa por fragmentos das imagens vistas ao final do vídeo viral, utilizando a ferramenta InVID-WeVerify, levou a uma publicação da conta oficial do site de jornalismo Metrópoles no TikTok. O post data de 28 de setembro de 2022, um mês antes dos danos provocados pela chuva na loja da Havan.

Segundo o portal, a pessoa que aparece nas imagens teria entrado em surto após ter a sua receita médica negada em uma farmácia no Rio de Janeiro por estar fora dos padrões indicados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Em outro vídeo divulgado pela imprensa foi informado que a Polícia Civil foi chamada.

À AFP, o órgão de segurança confirmou a informação, afirmando, ainda, que o caso não teve motivação política. De acordo com o comunicado, após o ocorrido, o homem foi encaminhado por agentes à 42ª Delegacia de Polícia, no Recreio dos Bandeirantes, e autuado pelos crimes de dano ao patrimônio e falsificação de documento particular.

Eleições 2022