O cristianismo e o islamismo não se fundiram em uma "religião global" chamada "crislam"

Copyright © AFP 2017-2022. Todos os direitos reservados.

O VII Congresso de Líderes das Religiões Mundiais e Tradicionais foi realizado de 14 a 15 de setembro de 2022 no Cazaquistão. No evento, representantes do cristianismo, islamismo e judaísmo, entre outras crenças, defenderam “paz e diálogo entre religiões, culturas e civilizações”. No entanto, usuários de redes sociais dizem que o evento terminou com o estabelecimento do "crislam" como a "religião oficial do mundo". Embora um movimento religioso minoritário na Nigéria tenha esse nome, não há nenhuma menção a ele na declaração final do Congresso.

“Reunião profética que mudará muita coisa. O Papa Francisco e vários líderes religiosos assinaram o documento da ‘Religião Global’”, diz a legenda de um vídeo publicado no Facebook e no YouTube, que soma mais de 130 mil visualizações.

Segundo o conteúdo viral, que também circula em outras publicações no Facebook (1, 2) e no Twitter, “com a adoção esta semana pelo 7º Congresso Mundial das Religiões do documento da Fraternidade Humana elaborado pelo Papa Francisco e [o presidente dos Emirados Árabes Unidos] Mohamed bin Zayed, Chrislam é agora a Religião Mundial Oficial."

Captura de tela feita em 22 de setembro de 2022 de uma publicação no Facebook ( .)

Afirmações similares também circulam em espanhol, francês e inglês.

Confusão de eventos e documentos

As publicações confundem o Documento sobre a Fraternidade Humana com o VII Congresso de Líderes das Religiões Mundiais e Tradicionais, sugerindo que o primeiro faz parte do segundo e que é responsável pela instauração do "crislam".

O Documento sobre a Fraternidade Humana foi firmado pelo grande imã sunita do instituto egípcio Al Azhar, Sheikh Ahmed al-Tayeb, e pelo Papa Francisco em 4 de fevereiro de 2019, em Abu Dhabi, durante a primeira visita de um sumo pontífice à Península Arábica.

O documento diz: “Em nome de Deus e de tudo isto, Al-Azhar al-Sharif – com os muçulmanos do Oriente e do Ocidente - juntamente com a Igreja Católica – com os católicos do Oriente e do Ocidente – declaramos adotar a cultura do diálogo como caminho; a colaboração comum como conduta; o conhecimento mútuo como método e critério”. Não há nenhuma menção ao “crislam”.

O AFP Checamos apurou que em 2019, após a assinatura do Documento sobre a Fraternidade Humana, já se dizia nas redes sociais que o Papa havia promovido uma suposta “religião mundial” (1, 2).

O juiz Mohamed Abdelsalam, secretário-geral do Comitê Supremo da Fraternidade Humana, publicou um artigo no Centro Católico de Estudos e Mídia da Jordânia em janeiro de 2022, no qual desmentiu rumores sobre o crislam.

Ele escreveu na carta: “Alguns sites e meios de comunicação – no mundo ocidental e árabe – atacaram este nobre projeto [o Documento e o Comitê] com a falsa alegação de que a iniciativa é uma tentativa de integrar todas as religiões abraâmicas e promover uma ''religião mundial unida’'. Alguns até o descreveram como um projeto de 'crislam', um termo que confunde cristianismo e islamismo de uma forma que menospreza as duas religiões".

Crislam no congresso de líderes religiosos?

O Congresso de Líderes das Religiões Mundiais e Tradicionais é um evento trienal que teve sua sétima edição no Cazaquistão em meados de setembro de 2022 e reuniu representantes do islã, cristianismo, Judaísmo, budismo, xintoísmo, taoísmo e outras religiões tradicionais.

Não há menção ao "crislam" no site do evento ou nos arquivos dos encontros anteriores, que começaram em 2003.

Tampouco há qualquer referência a essa suposta “religião oficial mundial” na Declaração do encontro. Em vez disso, os participantes se comprometeram a trabalhar "em benefício da paz e do diálogo entre religiões, culturas e civilizações".

Ao contrário do que afirmam as publicações virais, que asseguram que o evento procurou criar uma “religião única”, os participantes observaram que o pluralismo “é uma expressão da sabedoria de Deus” e que “qualquer coação de uma religião e doutrina religiosa é inaceitável.”

VII Congreso de Líderes das Religiões Mundiais e Tradicionais no Palácio da Paz e Reconciliação em Astana, Cazaquistão, em 15 de setembro de 2022 ( AFP / Filippo Monteforte)

Crislam na Nigéria

O crislam é um movimento religioso que nasceu em Lagos, na Nigéria, na década de 1970, e que tenta mesclar elementos das principais tradições religiosas do país: o islamismo e o cristianismo.

Em seu artigo de 2016 “Unidade na diversidade: um estudo de caso de Chrislam em Lagos”, a professora Marloes Janson, da Escola de Estudos Orientais e Africanos da Universidade de Londres, explica que “em comparação com as mega igrejas pentecostais nigerianas como a Igreja Cristã Redimida de Deus, e organizações muçulmanas de massa como a Sociedade Nasr Allah al-Fatih da Nigéria, o crislam é bastante marginal”.

O crislam é mais um modo de vida do que uma iniciativa de diálogo inter-religioso, aponta Janson. Na verdade, não é representado pelo Conselho Inter-religioso da Nigéria, que foi criado em 2000 com o objetivo de promover um maior entendimento entre cristãos e muçulmanos no país.

Corey Williams, professor da Universidade de Leiden, especializado em antropologia e cristianismo global, destaca em um artigo que o crislam também incorpora tradições africanas. “Ritualmente, essa fusão de tradições (...) é fascinante e expressa uma tentativa simultânea de desafiar e reinventar as fronteiras religiosas convencionais, enquanto tenta preservar e construir consenso entre as tradições”, escreveu ele.

O AFP Checamos já verificou rumores sobre o fim das religiões.